Nostalgia: Feira Filme Queimado celebra a fotografia analógica. Evento reúne amadores e profissionais apaixonados pela arte de fotografar, promove oficinas e ampliação de fotos em preto e branco ao vivo

Colocar o filme, ajustar na máquina, escolher o enquadramento, aguardar a melhor luz e fazer o clique na hora certa. Esses são alguns dos processos realizados por fotógrafos amadores ou profissionais amantes da fotografia analógica. E para quem admira essa arte que continua viva em muitos corações, a Feira Filme Queimado é o lugar certo para se conectar. Ela acontece no dia 20 de maio, de 11h às 19h, no Bom e Velho Mercado de Antiguidades e tem entrada gratuita.

Em uma onda de nostalgia, a fotografia analógica tem conquistado cada vez mais adeptos das mais variadas idades. Este segmento da fotografia contraria a tendência tecnológica que move o mundo e provoca seus praticantes a construírem suas narrativas fotográficas através dos filmes, dos negativos, dos papéis fotográficos e dos processos manuais de revelação. Quem for à Filme Queimado encontrará à venda materiais de fotografia analógica em geral, como câmeras, filmes, lentes, disparador, tripé, livros, revistas e acessórios.

“Mais do que um local de venda, a ideia é que a Filme Queimado seja um espaço de troca. A internet é muito legal, se não fosse por ela eu e minha irmã (que tivemos a ideia para a feira) não saberíamos metade do que entendemos sobre fotografia analógica. Mas esse contato ao vivo faz falta. A paixão por fotografia analógica pede um contato pessoal, um olho no olho”, explica Alice Godoy, uma das idealizadoras da feira.

Experts na arte retrô

Com uma seleção especial de expositores, Ignacio Navarro é presença confirmada. Apaixonado por fotografia desde os 12 anos, quando ganhou a primeira câmera, uma Kapsa – que tem até hoje. Ele ganhou de amigos e colegas fotógrafos o título de maior colecionador de câmeras de Brasília. Hoje, sua coleção particular conta com câmeras Nikon, Contax, Hasselblad, Rolleiflex, Yashica, Olympus e outras marcas curiosas, algumas das quais estarão à venda no evento. Ele estará presente com um estúdio completo montado no evento com diversos itens à venda em valores promocionais.

Da velha guarda da fotografia de Brasília, Eugenio Novaes contabiliza 40 anos de experiência e trabalhou em grandes jornais e revistas da cidade. Montou um laboratório onde faz revelação e ampliação de fotos em preto e branco. Além de levar câmeras de seu acervo e equipamentos para venda, ao longo do evento Eugênio realizará algumas demonstrações ao vivo de  ampliação de um filme preto e branco.

Outra atração é oBarco Estúdio, um espaço de experimentação que vem navegando desde 2015 na onda do ressurgimento da cultura fotoquímica, oferecendo cursos, vivências, insumos e serviço de laboratório no Distrito Federal. Na feira eles receberão filmes para revelação e estarão com uma câmera lambe-lambe fazendo retratos analógicos durante o evento, a partir das 13h. Quem quiser aproveitar a oportunidade para guardar uma recordação especial com as mamães, há 15% de desconto para registros de mães com filhos, da família toda ou somente da mamãe. O desconto é válido apenas para quem fizer o pré-agendamento, que deve ser realizado com até 24h de antecedência pelo perfil oBarco Estúdio.

Outro expositor que estará presente é Roberto Justino, professor e fotógrafo. Que estará com um stand recheado de câmeras de diversos formatos, tanto de filme tradicional (135) quanto de médio formato (filme 120). Uma curiosidade é que as câmeras de médio formato eram tradicionalmente utilizadas em estúdios na produção de peças publicitárias e de moda.

Também marcará presença o Desapego Analógico, um acervo pessoal do fotógrafo Italo Amorim, de venda e desapegos com foco especial nas câmeras analógica dos anos 1980 e 1990, que têm um visual mais similar às câmeras digitais e operam maravilhas com os filmes por terem um fotômetro mais preciso e opção de autofoco entre outras funcionalidades.

O público pode se maravilhar com Markoh, artista que levará peças que exploram técnicas analógicas de revelação como a cianotipia e o marrom Van Dyke, além de fotos encantadoras bordadas.

Oficina de Construção de Câmera Pinhole

Para quem quiser aprender um pouco mais sobre essa arte, será ministrada a Oficina de Construção de Câmera Pinhole com Vinícius Cardoso, integrante do projeto Fotolata e oBarco Estúdio, às 11h e às 15h. Serão 10 vagas disponíveis por turma, preenchidas por ordem de chegada. A inscrição custa R$ 35 por pessoa.

A duração total da atividade é de aproximadamente 1h30 e ao final, cada participante levará para casa sua câmera e a foto realizada. A Câmera Pinhole é um tipo de equipamento que, em vez de uma lente, captura a luz através de um pequeno furo de agulha.

Nesta oficina os participantes receberão uma lata e vão aprender a transformá-la em uma câmera fotográfica capaz de registrar imagens em um suporte sensível à luz, como o papel fotográfico com emulsão de prata. Depois de construir e customizar as câmeras, os participantes irão testar e revelar os resultados.

Raridades e bom preço

Quem está atrás de raridades, como câmeras dos anos 1940 de fole ou disparadores que não são mais fabricados, podem encontrar esses itens e muitos outros na Filme Queimado. O evento também é uma excelente opção de passeio e oportunidade para mostrar aos filhos como eram as câmeras antigamente. E para quem está com o orçamento um pouco mais apertado, mas quer investir em uma analógica, também pode garimpar uma câmera por um precinho amigo para começar a clicar.

“Tem uma galera que fotografa há muito tempo e pessoas que nunca viram um filme analógico pessoalmente. E todo mundo troca uma ideia. Nas últimas edições tiveram pessoas pedindo ajuda para os expositores para escolher a primeira câmera”, conta Alice.

Para quem tem materiais do segmento e quer vender, basta entrar em contato com a organização do evento por meio do perfil do Instagram @filmequeimado.bsb para saber se ainda há stands disponíveis.

Chopp gelado, boa conversa e cafés especiais

E para deixar o passeio ainda mais completo, os visitantes também poderão se refrescar com o chopp da Cervejaria Caveira Jaime, a cervejaria do Galpão 17. E para se deliciar, o espaço conta com o Café no Fim do Mundo, que servirá pão com linguiça, sanduíches veganos, petiscos e cafés especiais.

Programação

11h РAbertura do porṭo

11h e 15h – Oficina de construção de câmera pinhole com Vinícius Cardoso que compõe o projeto Fotolata e oBarco Estúdio. Serão 10 vagas disponíveis por turma, preenchidas por ordem de chegada. Participação R$ 35 por pessoa.

Ao longo do dia РDemonstra̤̣o ao vivo de amplia̤̣o de filme preto e branco com Eugenio Novaes

Sobre o Bom e Velho

O Bom e Velho Mercado de Antiguidades nasceu em 2020 e conta com um rico catálogo de mais de 20 mil itens entre raridades e peças curiosas, como tijolos da época do Brasil Império e telefones com mais de cem anos. O espaço é um chamado para os visitantes viajarem no tempo. Uma das atrações do antiquário é sua sala de raridades que abriga artigos do século XV. O mercado realiza a compra, venda e aluguel de itens do seu acervo.

SERVIÇO:

Feira Filme Queimado
Data: 20 de maio
Horário: de 11h às 19h
Oficina: R$ 35 por pessoa, por ordem de chegada. São 10 vagas por turma.
Local: Bom e Velho Mercado de Antiguidades (SMAS Área Especial G Cj A Lotes 13 e 14 – Guará, Próximo ao Clube da Saúde e ao Galpão 17)
Informações: @filmequeimado.bsb e @bomevelhodf
Acesso: livre