“Atiça” registro traz 5 músicas que expressam e celebram a ancestralidade brasileira em seu mais clássico evento: o carnaval

Com 30 anos de estrada, os pés em Pernambuco e o olhar no mundo, Eddie acaba de divulgar o lado A de seu mais novo disco. Intitulado “Atiça”, trabalho traz à tona a saída de um momento atordoado para a chegada do tão querido carnaval: a maior expressão da ancestralidade brasileira.

Composto por 5 faixas, registro é frevo do começo ao fim, inspirando-se, também, no punk rock dos anos 80, dance music dos anos 90 e sons carnavalescos da última década.

Entre os temas que embalam esse álbum, um retrato da parte mais instável do mundo, as dores, anseios e os sentimentos mais humanos nas sociedades atuais sul americanas.

Abrindo os caminhos, “Amassando Amassa” fala sobre a volta do proletariado e o trabalho como única forma de existência.

Em “Apocalíptico”, grupo evidencia a invasão da religião e da interferência da justiça como salvadora dos interesses pessoais.

Na sequência, a faixa título “Atiça” foi pensada a partir do desenho feito por uma criança, da Favela da Maré, sobre os tiros dados dos helicópteros em confrontos policiais no Rio de Janeiro. Nessa, fica o sentimento de impotência diante da incompetência dos Estados.

Logo depois, “Aurora Dos Novos Tempos” traz promessas e esperança, convidando todos para resgatarem seus corpos, mentes e almas.

Fechando o repertório, “Na Veia” canta uma versão da música do Cordel do Fogo Encantado.

Comandando a festa, em seu mais alto poder de ato revolucionário, coleção terá, em breve, um lado B lançado.

Anterior Sopro das Musas: Fundamentos filosóficos da música
Próximo Classic Blue: como e onde usar a cor do ano no home decor