Espetáculo ASTEROIDE AP612 celebra aniversário de 63 anos da capital federal

Produção é baseada no clássico O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, e se propõe a refletir o ‘adulto’ em obra que mistura teatro, dança e vídeo.

Piloto, ilustrador e escritor francês, Exupéry (1900-1944) foi o criador da obra imortal e fenômeno editorial O Pequeno Príncipe. A obra, que encontra ecos no contexto político em que foi escrita, inspirou o diretor e dramaturgo Roberto Dagô a criar o inédito espetáculo ASTEROIDE AP612.

Com plateia lotada em todas sessões, a peça que estreou em abril (mês de Brasília) e conta com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal – FAC-DF volta em cartaz no final de semana do aniversário de 63 anos da capital federal. Dias 22, 23 de abril, sempre aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 19h, no Galpão Salomé (Asa Norte). Ingressos: R$ 10 (meia-entrada) pelo sympla. Não recomendado para menores de 14 anos.

Além de celebrar Brasília com esta produção feita por artistas brasilienses, ASTEROIDE AP612 também celebra os 80 anos do clássico O Pequeno Príncipe, completado em 6 de abril de 2023. Em cartaz também nos dias 29 e 30 de abril, encerramento da temporda.

“É uma honra trazermos este espetáculo com uma temática de suma importância pro centro da nossa capital. Viva o teatro, Exupéry e viva Brasília”, celebra o diretor Roberto Dagô.

Solo 

Em cena e em performance solo, a atriz Ana Flávia Garcia alerta para a beleza e a importância da simplicidade. Ela mostra que pequenas ações cotidianas e gestos como o afeto, o cuidado e a empatia, ou mesmo a arte, são atitudes políticas essenciais, ainda que pareçam invisíveis.

“O espetáculo ASTEROIDE AP612 nasce desse desejo de cuidado e de atenção ao que é invisível. É um gesto de alerta para o presente, mas também de esperança quanto ao que podemos plantar para o futuro e nos corações”, explica o diretor e dramaturgo Roberto Dagô, que se baseou no universo poético de Exupéry para refletir sobre o Fascismo e o adulto contemporâneo.

Segundo o diretor, esta obra literária de 1943 não apenas é um retrato crítico-poético do adulto neurótico – o chamado “gente grande” no livro –, como também uma metáfora de um mundo ameaçado por regimes totalitários. “’O essencial é invisível aos olhos’, diz a raposa ao Pequeno Príncipe. Acredito que, com esta frase, Exupéry não apenas nos pede para estarmos atentos à delicadeza e fragilidade do que há de melhor dentro e fora de nós, mas ele também alerta para o quanto o que há de pior pode parecer inofensivo a princípio. Este dilema nos inspirou a criar o universo fantástico de ASTEROIDE AP612”

“O livro foi escrito no período em que Exupéry, que também era piloto militar, migrou para os Estados Unidos para ajudar a convencer o país a se juntar na luta contra o nazismo, luta pela qual morreu em 1944 quando seu avião foi atingido por soldado alemão. No livro, figuras como os baobás, que ameaçam destruir o pequeno asteroide do Pequeno Príncipe, são alusões aos ideais nazistas que se multiplicavam pela Europa”, acrescenta.

O espetáculo ASTEROIDE AP612 parte da premissa de que a subjetividade fascista é um modo de existir excessivamente “adultescido”. Tendo esta hipótese como ponto de partida, a peça transita entre a dança, o teatro e o audiovisual para tramar um conto cósmico ora pequeno demais, ora grande demais, onde o universo é eternamente insuficiente para caber o Outro. O nome do espetáculo faz alusão ao lar do Pequeno Príncipe, um corpo celeste excessivamente pequeno para ser planeta, e ao imaginário apocalíptico em torno dos asteroides, personagens cósmicos que ameaçam a vida na Terra. A respeito do nome da obra, os criadores brincam: “Nomeamos nosso próprio asteroide”.

A estrutura cenográfica do espetáculo é inspirada na arquitetura, função e simbologia de planetários. “A ideia é promover a imersão do público dentro do universo da figura central (Ana Flávia Garcia), um pequeno-grande corpo celeste que atravessa o espaço envolvido pela imensidão e pelo desconhecido”, detalha Dagô. Tendo como recurso uma atitude de imaginação radical para problematizar macro e micropolíticas, a obra convida delicadamente a estarmos sempre atentos às sementes de baobá não apenas no outro, mas também em nós, afinal ninguém está nunca a salvo de sentir-se o centro do universo.

FICHA TÉCNICA:

Criação: Roberto Dagô, Ana Flávia Garcia e Déborah Alessandra
Concepção, direção e dramaturgia: Roberto Dagô
Performance: Ana Flávia Garcia
Assistência de direção: Déborah Alessandra
Projeção mapeada: Aníbal Alexandre | Matriz Visual
Direção de arte | Objetos, cenário e figurino: Danilo Fleury | Coarquitetos e Poli Salomé
Trilha sonora e sonoplastia: Zé Pedro Gollo e Rafael Ops
Iluminação: Lemar Rezende
Preparação corporal: Tobias
Assessoria de imprensa: Clara Camarano e Denise Camarano
Mídias sociais: Clara Molina
Designer gráfico: Maíra Guimarães | Coarquitetos
Estagiário de produção: Ilgner Boyek
Direção de produção: Aline Cardoso
Fotos por: Humberto Araújo

Serviço:

Espetáculo ASTEROIDE AP612 celebra aniversário de 63 anos da capital federal
Datas: 22, 23, 29 e 30 de abril
Sábados, às 20h, e aos domingos, às 19h
Local: Galp̣o Salom̩ (St. de Habita̵̤es Coletivas e Geminadas Norte 713 BL E LT 4 РAsa Norte)
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Ingressos disponíveis no site Sympla
Lotação limitada a 35 pessoas por sessão.
Não recomendado para menores de 14 anos