A Volta dos Discos & Fitas


A empresa Polysom apostou na nostalgia e na boa música e andou contra a corrente do mercado, lançando e relançando discos e fitas k7’s nas lojas. Acredite… deu muito certo!

Foi-se o tempo em que era dito que discos e fitas eram coisas do passado. Mania nacional entre as décadas de 60 a 90, os LP’s e os K7’s voltaram com tudo, saíram do quesito cult e estão enfeitando novamente as prateleiras das “melhores lojas” de todo o país. A empresa Polysom inovou e agora lidera no país a produção fonográfica em vinil novamente.

Eu nasci nos anos 80 e consumi muito os discos e fitas. Quando não havia tanta grana para ganhar de presente um bolachão, a fita vinha de bom grado, por ser bem mais barata. Divido os aniversários pelos discos de novelas e infantis que ganhei. Aliás, os discos nacionais e internacionais de novelas eram febre pra quem queria saber o que havia de mais moderno nas paradas de sucesso. Alguns são quase unanimidade nos lares de pais, mães, tios, tias e avós. Com certeza alguém de sua família tinha os LP’s, internacionais de “Pai Herói”, “A Gata Comeu”, “Hipertensão”, “De corpo e Alma”, “A Viagem” os nacionais clássicos dos clássicos: “Roque Santeiro”, “Top Model” e “O Rei do Gado”.

A produção de discos no Brasil alimentou muito o mercado por décadas e foi perdendo força no meio dos anos 90, quando o preços dos compact discs diminuíram. Me lembro que um LP lançamento custava de R$10,00 a R$15,00 em 1995. A fita custava entre R$3,50 e R$7,00 e o CD um absurdo… coisa de R$14,00 a R$21,00. Se fossemos tentar corrigir isso monetariamente (a grosso modo), seria como se o disco custasse hoje uns R$45,00, a fita uns R$30,00 e o CD uns R$60. Era caro. Bem caro! Porém, em 1996 algumas prensagens deixaram de ser feitas no Brasil, tanto que os últimos discos produzidos no país foram “Mamonas Assassinas”, “Salsa e Merengue Nacional” e o último do qual se tem registro – o volume 01 da novela “A Indomada”, datado de 1997 e que custa uma fortuna hoje no Mercado Livre. Já busquei várias vezes e sempre arrematam quando tento dar o lance. Depois disso a era dos CD’s imperou, até que a música mp3 acabou com a força dele.


Timidamente, a empresa Polysom relançou alguns clássicos em vinil até que assumiu o segmento de vez e os discos voltaram à tona! Coleções dos Mutantes, Chico Buarque, Tim Maia Jorge Bem Jor e Pepeu Gomes foram relançadas e outros artistas mais novos também entraram na onda. Roberta Campos, Ana Carolina, Silva e Marcelo Jeneci são alguns exemplos de uma nova geração que também pode ser ouvida em 33 rotações minuto. Artistas já aclamados pelo público como Elza Soares, Paulo Miklos e Maria Lucinda também embarcaram na nova fase de venda de discos. Dia desses mesmo enfrentei uma promoção na Livraria Cultura onde era possível comprar vinis com até 70% de desconto. Foi uma loucura! Eu nunca vi tanta gente disputando últimos exemplares nas bancas. Tanto na Livraria FNAC quanto na Livraria Cultura havia clientes à procura dos dois discos dos Tribalistas, lançados recentemente. O primeiro, de 2002, só havia saído em CD e o segundo já veio no pacote combo de CD, DVD e vinil. São lindos, mais resistentes (pesados) e com boa diagramação de encarte. Até a novela “Os dias eram assim” teve sua versão de trilha sonora (com menos músicas) lançada no formato de disco. Uma coisa linda de se ver mesmo.

Agora, claro, para ouvir discos com boa qualidade, não adianta usar aquela mesma vitrola antiga sem uma agulha nova. A indústria que não é boba, nem nada, tratou de lançar equipamentos mais modernos, com uma pegada visual vintage e com opções para fitas, CD, pen drive, cartão SD e até bluetooh. Já se pode encontrar toca-discos em lojas como Ponto Frio, Wallmart, Casas Bahia, Extra. Mais geek impossível. Lojas de Sebo também têm renovado seus estoques já pensando nesse mercado ascendente que ressuscitou o bom e velho discão para nossa alegria!

E quanto custa?

Um disco lançamento, tá em torno de R$79,00 a R$140,00. Ainda é caro… Porém, fique atento às promoções. Às vezes, você consegue exemplares a R$39,00 ou R$49,00 nas lojas do ramo. Já as fitas ainda são artigos mais excêntricos mesmo. Uma do Nando Reis ou Pitty tá em torno de R$35,00. Quero é ver quando relançarem os walkmans. Se essa moda pega…

Gostou da ideia? Quer voltar à tona e fazer da sua casa um cantinho musical mais agradável ? Arrume sua vitrolinha ou compre uma dessas mais novas, passe uma água naqueles seus exemplares do Trem da Alegria, Balão Mágico e Xou da Xuxa, tire a poeira daquele álbum do Lulu Santos e ouça um som com aquele barulhinho gostoso da agulha passando pelo sulcos do vinil. Acredite… a experiência é maravilhosa e as visitas adoram!

Anterior Cardápio com Sabores marcantes
Próximo G7 retorna com o espetáculo “Auto ajude-se” em Setembro