Valentina acaba de recebero prêmio de “Melhor Direção em Longas de Estreia” no 51o. Festival Internacional de Cinema da Índia. A cerimônia de encerramento ocorreu neste domingo (24 de janeiro) na cidade de Pangim, em Goa, com a presença do diretor e produtora do filme.

O Festival Internacional de Cinema da Índia (IFFI), fundado em 1952, é um dos festivais de cinema mais importantes da Ásia, e o maior da Índia. O festival é um dos poucos eventos mundiais reconhecidos pela FIAPF (Federação Internacional de Associações de Produtores Cinematográficos).

Realizado anualmente, atualmente no estado de Goa, o festival visa fornecer uma plataforma comum para que os cinemas de todo o mundo possam projetar a excelência da arte cinematográfica; contribuir para a compreensão e apreciação das culturas cinematográficas de diferentes nações no contexto de seu ethos social e cultural; e promovendo amizade e cooperação entre os povos do mundo.

O festival é organizado conjuntamente pela Direção de Festivais de Cinema (do Ministério da Informação e Radiodifusão da Índia) e pelo Governo do Estado de Goa.

O filme conta a história de Valentina, uma jovem trans que se muda para o interior de Minas com a mãe, Márcia (Guta Stresser), para um recomeço. Com receio de ser intimidada na nova escola, a garota busca mais privacidade e tenta se matricular com seu nome social. No entanto, a menina e a mãe começam a enfrentar dilemas quando a escola começa a exigir, de forma injusta, a assinatura do pai ausente (Rômulo Braga) para realizar a matrícula.

Valentina é um retrato esperançoso e inspirador das dificuldades da vida real enfrentadas por uma jovem que busca abraçar quem ela é. O filme junta-se aos trabalhos de uma nova geração de cineastas brasileiros, notáveis por inovar as representações da sexualidade e identidade no cinema, que contribuem para mudar a narrativa dos filmes com temática trans, por meio de uma abordagem afirmativa e inspiradora.

“Foi um longo caminho para criar o roteiro e descobrir a linguagem cinematográfica mais apropriada para Valentina, sete anos de trabalho até chegarmos ao resultado final”, comenta o diretor Cássio Pereira dos Santos.

Com produção de Erika Pereira dos Santos e produção executiva de Hebe Tabachnik, Natália Brandino e Walder Junior, Valentina traz como protagonista Thiessa Woinbackk, influencer digital que começa a legitimar seu espaço como atriz. O elenco e equipe de Valentina foram compostos em grande parte por membros da comunidade LGBTQI+. O filme foi produzido de forma independente pela Campo Cerrado Produções, com o apoio da Secretaria do Audiovisual e do edital de Longas de Baixo Orçamento 2016 (SAV/Ancine), em parceria com o Fundo Setorial do Audiovisual.

Próxima exibição: dia 30/01, na noite de encerramento da 24a. Mostra de Cinema de Tiradentes.

VALENTINA.

Brasil, 2020, 95 min.
Em português com legendas em inglês.

Roteirista / diretor: Cássio Pereira dos Santos; Produtora: Érika Pereira dos Santos; Produtores Executivos: Natália Brandino, Walder Junior e Hebe Tabachnik; Diretor de fotografia: Leonardo Feliciano; Engenheiro de som: Francisco Craesmeyer; Desenho de som: Camila Machado; Desenho de Produção: Denise Vieira; Editor: Alexandre Taira; Canção original: “Eu Nasci Ali”, de Tuyo & Xan; Produtora: Campo Cerrado Produções (Uberlândia, MG); Coprodutores: Kocria; Corriola Filmes.

Apoio ao desenvolvimento do roteiro: Fundo de Apoio à Cultura do DF. Apoio logístico: Oficina Cultural de Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia e Prefeitura de Estrela do Sul. Estrelado por Thiessa Woinbackk (Valentina), Guta Stresser (Márcia, mãe de Valentina), Rômulo Braga (Renato, pai de Valentina), Letícia Franco (Amanda), Ronaldo Bonafro (Júlio), Pedro Diniz (Marco) e João Gott (Lauro).

Locações: Estrela do Sul (MG) e Uberlândia (MG).
Website: www.valentinafilme.com.br

Sobre a protagonista:

Thiessa Woinbackk nasceu no estado de Goiás, região central do Brasil. Ela tem graduação em biologia e fez parte de um grupo de teatro por três anos em sua cidade natal.

Atualmente, Thiessa mora em São Paulo, onde dirige o influente e crescente canal do Youtube “Thiessita”, com mais de 770 mil seguidores e cerca de 35 milhões de visualizações.

Thiessa publica vídeos sobre temas como direitos de pessoas trans, beleza e a importância da auto aceitação para adolescentes LGBTQ. Valentina é sua estreia no cinema.

Sobre o diretor e roteirista:

Nascido em 1980 em Patos de Minas, e com raízes em Cruzeiro da Fortaleza (MG), Cássio Pereira dos Santos estudou cinema na Universidade de Brasília, onde dirigiu projetos de ficção e documentário.

Depois de terminar a escola de cinema em 2003, ele escreveu e dirigiu oito curtas-metragens, entre eles A Menina Espantalho e Marina não vai à praia. Seus trabalhos foram selecionados em vários festivais internacionais de cinema, incluindo o Festival de Cinema de Varsóvia, o OutFest Los Angeles, Aspen ShortsFest, Palm Springs, Festival de Curtas de Hamburgo, Mostra de São Paulo, Prix Jeunesse Munich, Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Mostra de Cinema de Tiradentes.

Seus trabalhos já receberam mais de 50 prêmios. Como roteirista, Cássio contribuiu com filmes como Guigo Offline, longa-metragem LGBTQ para a televisão brasileira, vencedor do Prêmio de Melhor Longa-Metragem Brasileiro no Mix Brasil Film Festival. Valentina é sua estreia como diretor em longas metragens. Atualmente Cássio reside em Uberlândia (MG), e trabalha no desenvolvimento de seu segundo longa.

Trilha Sonora:

O filme conta com várias músicas da banda paranaense Tuyo, que também foi responsável pela canção original do filme, “Eu Nasci Ali”, em coautoria com a cantora e compositora Xan, outro talento trans na equipe do filme.

Valentina também conta músicas do mineiro Bemti (em feat. com Johnny Hooker), da maranhense Enme Paixão, da pernambucana Duda Beat, além de faixas de Jhury Machado e do jovem cantor Pedro Mesquita.

👇
ACESSE + CONTEÚDO SOBRE FILMES
👉 https://aquitemdiversao.com.br/category/filmes/

Anterior Sílvia Tardin lança seu primeiro single autoral, ‘Quisera’
Próximo Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror no CCBB