Vai Virado Viado promete não deixar ninguém dormir com o DJ paulistano Edu Corelli. Primeiro bloco “after” de Brasília começa às 5h da madrugada no domingo de carnaval (23) e conta ainda com DJs locais e performances de drag queens

Pelo segundo ano, a folia de Brasília se iguala à de São Paulo e do o Rio no quesito não dormir. Essa é a ideia do bloco Vai Virado Viado, o primeiro em formato “after hours” da cidade, que começa às 5h da madrugada no domingo de carnaval (23) e se estende até o meio-dia. Embalado no house, techno e electro, a edição de 2020 traz o DJ paulistano Edu Corelli, referência do underground há mais de 30 anos, que se apresenta pela primeira vez no DF. O evento é gratuito e integra a programação do Setor Carnavalesco Sul.

Além do horário alternativo, o conceito do Vai Virado Viado – ou simplesmente VVV – é também destacar a contribuição da comunidade LGBTI+ tanto para cultura carnavalesca do país como para a cena clubber mundial. Nesse sentido, a escolha de Edu Corelli como atração principal do bloco tem um caráter de homenagem. “O Edu é um ícone da noite da São Paulo, muito respeitado por sua trajetória precursora, a forma como se reinventa, o bom gosto musical e a irreverência durante suas apresentações, algo que Brasília precisava ter acesso”, conta o também DJ e um dos produtores do bloco, Wilker Leal.

Atualmente residente dos projetos Freak Chic (D-Edge) e Toilette (Club Jerome), Edu Corelli é presença cativa nos line ups das festas Brutus e Ursound. Mas seu extenso currículo como DJ iniciou em 1987, vivenciando o advento e transformações da música eletrônica que, em suas performances, sempre esteve misturada às influências da disco, da soul music e das brasilidades. No início da década de 1990, assumiu o alter ego Selma Self-Service, unindo as paixões pela moda e a música ao se tornar a primeira DJ drag queen do Brasil.

Outro destaque na programação do VVV vai para Rayssa, idealizadora da festa Sintra e nome de destaque na cena brasiliense. Com passagens pelo selo 5uinto e os festivais COMA, Picnik e Universo Paralello (BA), também se apresentou em grandes festas dentro e fora do DF. Para o DJ Le Caracortada, que produz o bloco ao lado de Wilker, Rayssa representa a força do “girl power” num espaço ainda muito masculino. “Ela simboliza a criatividade e resistência da nova geração de artistas e produtores culturais que enfrentam a onda conservadora que estamos vivendo, uma das principais mensagens que o nosso bloco quer passar”, completa.

O Vai Virado Viado contará ainda com intervenções artísticas das drags queens e performers Joana Darkroom, Shayennie Aparecida (eleitas as Personalidades VVV de 2019 e 2020, respectivamente) e Cerradynho. A campanha Folia com Respeito também estará presente, conscientizando os participantes no combate a todo tipo de abuso, violência e discriminação.

Além de integrar a programação do Setor Carnavalesco Sul – que conta com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Distrito Federal – o VVV também faz parte do projeto Carnaval de Todas as Cores. A iniciativa, coordenada pela Associação Artística Mapati, apoia mais de 30 blocos de rua que têm a diversidade sexual como tema, com fomento da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (SECEC) por meio de uma emenda parlamentar de autoria do deputado distrital Fábio Félix (PSOL-DF).

Serviço

Bloco Vai Virado Viado
Dia 23 de fevereiro, das 5h às 12h
Via S2, altura do Setor Comercial Sul (Setor Carnavalesco Sul)
Grátis

Facebook: https://www.facebook.com/events/120115115967804/
Instagram: https://www.instagram.com/vaiviradoviado/

Anterior Pratos com frutos do mar no Santé 13
Próximo O INCENTIVO A NOVOS BLOCOS DE CARNAVAL