Espetáculo virtual ‘Um Avô que Era Sonho’ estreia em temporada gratuita e fala sobre amizade e memória

O que você faria se pudesse rever uma pessoa especial em sua vida que já morreu? Foi a partir deste questionamento que o ator e dramaturgo Pedro Barroso criou o monólogo “Um Avô que Era Sonho”, que estreia dia 7 de março no YouTube com sessões gratuitas aos sábados e domingos, às 18h, até o dia 28/03.

Utilizando elementos teatrais e cinematográficos não tradicionais, o espetáculo acompanha um encontro imaginário entre Pedro Barroso e o seu avô Nathanael, com quem teve uma convivência intensa até os 15 anos de idade.

“A minha relação com o meu avô era de muito amor e encanto. Ele era um personagem interessantíssimo, sempre muito cômico… Um sacana mesmo. Além disso, era um contador de histórias nato. Em cena, me divido entre narrações e performances para resgatar essas memórias e essa amizade”, conta Barroso.

Estudante do quinto período da faculdade de direção teatral da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi em sala de aula que ele desenvolveu o embrião do que viria a se tornar o espetáculo. A proposta de criar uma cena curta foi feita pela professora Gabriela Lírio, hoje supervisora do monólogo. “O projeto tem uma ligação muito forte com a universidade. Ele também é o meu objeto de pesquisa de iniciação científica”, destaca o autor.

A ideia original era que “Um Avô que Era Sonho” estreasse como uma peça ao ar livre na praça central de Descoberto, cidade mineira com pouco mais de cinco mil habitantes. O lugar é a terra natal do avô do artista – e onde atualmente ele desenvolve uma série de atividades culturais –, além de estar presente no texto por meio de suas lembranças afetivas da infância.

Com a necessidade do isolamento social provocado pelo coronavírus, surgiu então a ideia de adaptar o texto para o formato virtual. Para isso, Barroso fez uma parceria com o Pandêmica Coletivo, grupo que reúne profissionais de artes cênicas de todo o país para promover eventos on-line.

“Fizemos algumas sessões pelo Zoom no ano passado, de maneira totalmente independente, e deu muito certo. Era eu com um celular na mão e uma câmera fixa no meu quarto. Recebi relatos de pessoas que assistiram e disseram que ficaram estimuladas a saber mais sobre as suas raízes. E este é justamente um dos pontos do projeto: abordar a questão da ancestralidade, da relação com os mais velhos”.

A temporada atual é um dos contemplados no edital “Fomenta Festival RJ”, da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Lei Aldir Blanc. Com isso, a produção conseguiu investir em equipamentos profissionais para captação e transmissão de som e imagem, além de uma pintura artística feita no quarto do ator, que continuará sendo o cenário.

Também serão organizados bate-papos e lives entre as sessões para discutir questões ligadas ao teatro.

“O nosso objetivo é também conversar e pensar qual é o lugar de um jovem artista nos dias de hoje. Quais os caminhos ele pode buscar principalmente neste período de pandemia, em que o setor teatral vem sendo extremamente afetado”, conclui Barroso.

Sobre o ator e autor Pedro Barroso: Pedro Barroso é carioca e tem 25 anos de idade. Ele se formou em 2017 pela Escola Técnica de Teatro Estadual Martins Penna e atualmente cursa o quinto período da faculdade de direção teatral da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele é, também, integrante da coordenação da Escola de Teatro Popular, um espaço de formação e multiplicação de Teatro do Oprimido aberto para os movimentos sociais no Rio de Janeiro. Como ator, ele tem no currículo espetáculos como “Isaura Garcia – o musical”, “A casa dos felizes” e “A praia do mel”. Além disso, atua com palhaçaria em performances ao ar livre e em eventos culturais.

Ficha técnica Um Avô que Era Sonho:

Dramaturgia e Atuação: Pedro Barroso
Direção: Fernanda Arrabal e Gabriel Morais
Supervisão: Gabriela Lirio
Direção Musical: Vinícius Mousinho
Visualidades: Daniele Geammal
Vídeos: Madara Luiza e Pedro Barroso
Arte Gráfica: Davi Palmeira
Produção: Emerson Mendes e Tainá Porfírio
Parceria: Pandêmica Coletivo
Colaboração: UFRJ
Apoio: Museu da Maré, CEASM; Escola de Teatro Martins Penna, Restaurante Taneco, Nova Mídia
Texto do release: Gabriel Menezes
Patrocínio: Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Serviço Um Avô que Era Sonho:

‘Um Avô que Era Sonho’
Estreia: 7 de março
Temporada: de 7 a 28/3, com sessões aos sábados e domingos, às 18h, no YouTube.
Acesso pelo link:  https://www.youtube.com/channel/UCUMuWUFGPFfKPugPuP7ivIg.
Gratuito. Classificação livre.

Atividades paralelas ao espetáculo:

– Bate papo com a produção após as apresentações dos dias 13 e 14/03 para falar sobre o processo de construção do espetáculo, de modo a compartilhar os aprendizados e a pesquisa da criação da obra.

– Lives no IG da peça @pandemicacoletivo:

09/03, às 18h | Tema: Autoficção na Cena Contemporânea – convidada Gabriela Lirio.
16/03, às 18h | Tema: Educação e Arte como ferramenta para Novas Paisagens convidada Mônica Sica.
23/03, às 18h | Tema: Teatro na Pandemia: desafios e implicações políticas convidada Tatiana Henrique.

CLIQUE ABAIXO E ACESSE + CONTEÚDOS SOBRE 👇
  #MÚSICA   #TEATRO&DANÇA   #GASTRONOMIANODF   #RECEITAS  
#ARTESVISUAIS   #FILMES   #SÉRIES   #TVABERTA&ASSINADA
 #LITERATURA   #TURISMO   #EVENTOS

SIGA E CURTA AS NOSSAS REDES SOCIAIS
  FACEBOOK/DIVERSAOAQUITEM   INSTAGRAM/DIVERSAOAQUITEM
TWITTER/DIVERSAOAQUITEM

Anterior Ellefante faz live intimista no YouTube em clima lo-fi
Próximo À espera do que nos espera: reflexões sobre a vida de solteira