Com músicos experientes e o apoio da gravadora Red Records, o grupo The Secret Society veio com a promessa de retomar a força do underground

Considerada a capital do rock, Curitiba viu despontar este ano uma banda que já nasce com duas décadas de experiência no currículo. Na estrada há mais de 20 anos, os músicos Guto Diaz (baixo e voz), Fabiano Cavassin (guitarra) e Orlando Custódio (bateria) formam a The Secret Society, que mescla o hard rock com o pós-punk soturno, letras em inglês e influências como Killing Joke, Sisters Of Mercy, Cult, Bauhaus, Cure, Gun Club e Christian Death.

Ao longo da carreira, o trio passou por bandas que contribuíram em muito para que a capital paranaense fosse reconhecida com um dos berços do rock nacional, tais como as lendárias Primal, Epidemic e Abaixo de Deus. Agora a The Secret Society inaugura as ações do mais novo selo fonográfico brasileiro, a Red Records, lançando de uma vez só três singles já disponíveis nas redes sociais e plataformas de streaming, além do videoclipe The Architecture Of Melancholy.

“A The Secret Society surgiu para movimentar ainda mais a cena curitibana, que passa por uma entressafra de trabalhos inéditos. Nós três vivemos a época em que a cidade era a Seattle brasileira e queremos resgatar essa energia rock and roll. O apoio da Red Records é fundamental nessa nova etapa, pois temos suporte profissional e tecnologia de ponta para chegar ainda mais longe”, conta Guto Diaz, figura icônica da cena underground local.

Pronto para ser descoberto, o repertório dos três singles da The Secret Society reforça a pegada soturna do nome da banda, com inspirações que extrapolam as referências musicais e incluem arquitetura clássica, cinema e o tempo:

The Architecture Of Melancholy

A música do primeiro videoclipe, The Architecture Of Melancholy, é uma composição de Guto Diaz inspirada na obra do arquiteto italiano Aldo Rossi (famoso por projetar o Cemitério de San Cataldo, em Modena), no filme Blade Runner – O Caçador de Androides e no rock industrial alemão do Einsturzende Neubauten. A letra traça um paralelo entre a vida e a morte, em versos como “the future is here /concrete / but will disapear / before our very eyes”.

Deciduous

A segunda música é Deciduous (Le Feuilles Mortes), que em breve estreia em videoclipe também pelas lentes do diretor Raphael Moraes. A letra é uma metáfora sobre a passagem das estações do ano e a humanidade, citando o prefácio do clássico livro Memórias Póstumas de Braz Cubas, de Machado de Assis: “To the first/ Which gnawed the cold flesh of my corpse/ I dedicate, as a token of loving memory/ The posthumous memoirs”.

Field Of Glass

A terceira música é o single Field Of Glass, uma alusão às dificuldades da vida. “A música fala sobre rastejar em campos de vidro como um momento de grande dificuldade, incertezas e mudanças que alguém esteja passando. Depois da vinda da chuva – e posteriormente do sol e do arco-íris – chega o alívio, a limpeza e a libertação”, explica Guto.

Formação

GUTO DIAS – Baixo e voz
FABIANO CAVASSIN – Guitarra
ORLANDO CUSTÓDIO – Bateria

Músicas lançadas

– 2018: The Architecture Of Melancholy (single)
– 2018: Deciduous (single)
– 2018: Field Of Glass (single)

Acesse

https://open.spotify.com/artist/27qKXIulYZTvtxRCVoxjJi 
http://www.redrecords.com.br/
https://www.youtube.com/channel/UCPTIklJaO-7rqp2878c9B-A

Anterior Filme da O2 vence o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro
Próximo Espaço 360º de trabalho colaborativo nos shoppings