O livro Suicídio: Escutas do Silêncio, da Editora Unifesp, vence o Prêmio ABEU na categoria Ciências Humanas

A editora da Universidade Federal de São Paulo conquistou, ainda, o segundo lugar na categoria Ciências Sociais Aplicadas e o terceiro em Linguística, Letras e Artes.

A Editora Unifesp saiu vitoriosa da 5ª edição do Prêmio ABEU (Associação Brasileira das Editoras Universitárias). Ao todo, conquistou três prêmios, sendo um primeiro, um segundo e um terceiro lugar. O livro ‘Suicídio: Escutas do Silêncio’, organizado pela doutora em Saúde Pública, Fernanda Marquetti, venceu na categoria Ciências Humanas. A obra traz uma visão antropológica do fenômeno ao analisar não somente o indivíduo, mas também suas relações sociais e os aspectos culturais que contribuíram para o sofrimento psíquico.

A Editora Unifesp saiu vitoriosa da 5ª edição do Prêmio ABEU (Associação Brasileira das Editoras Universitárias). Ao todo, conquistou três prêmios, sendo um primeiro, um segundo e um terceiro lugar. O livro ‘Suicídio: Escutas do Silêncio’, organizado pela doutora em Saúde Pública, Fernanda Marquetti, venceu na categoria Ciências Humanas. A obra traz uma visão antropológica do fenômeno ao analisar não somente o indivíduo, mas também suas relações sociais e os aspectos culturais que contribuíram para o sofrimento psíquico.

Na cerimônia, realizada na última sexta-feira (22/11), no auditório da Unibes Cultural, em São Paulo, foram premiadas, ainda, as obras ‘A Lei nas entrelinhas: a Lei Maria da Penha e o trabalho policial’, da antropóloga Beatriz Accioly Lins, segunda colocada na categoria Ciências Sociais Aplicadas, e ‘Antônio Cândido e Ángel Rama: críticos literários na imprensa’, da jornalista e professora de literatura Joana Rodrigues, contemplado com o terceiro lugar na categoria Linguística, Letras e Artes.

Para a professora Fernanda Marquetti, o Prêmio ABEU significa mais do que o prestígio a um livro, “mas o reconhecimento de uma forma de produção de conhecimento na universidade brasileira. No mundo contemporâneo, o suicídio está apartado do mundo, pois foi capturado da trama da vida e de suas distintas redes culturais, e confinado como sintoma de transtorno psiquiátrico. Nesta obra, demonstramos como o evento suicida pertence ao mundo em diferentes cenários: no trabalho, nas relações digitais, no universo feminino e nos equipamentos de saúde. Pesquisar o tema do suicídio numa perspectiva distinta do discurso hegemônico foi uma tarefa árdua, com muitos obstáculos ao longo de anos, e agora este prêmio é um grande incentivo a continuidade deste trabalho”, analisou.

Essa é a primeira vez que a editora Unifesp é vencedora do Prêmio Abeu. Em 2016, tinha obtido dois terceiros lugares nas categorias Ciências Humanas (Democracia e Estado de Exceção: transição e memória política no Brasil e na África do Sul, de Edson Teles) e Ciências da Vida (Literacura: Psicanálise como forma Literária, de Fernanda Sofio).

Instituído em 2015, o Prêmio ABEU procura cada vez mais abarcar os variados conhecimentos técnicos e profissionais envolvidos na cadeira produtiva do livro e também de valorização das pesquisas acadêmicas. “O prêmio é um reconhecimento simbólico do esforço hercúleo de profissionais espalhados pelo território brasileiro, que se empenham dia a dia para o fortalecimento científico com ações de ensino, pesquisa e extensão”, ressalta a presidente da ABEU, Rita Virginia Argollo.

Sobre a Editora Unifesp

Desde a sua fundação, em fevereiro de 2008, a Editora Unifesp dedica-se à disseminação do conhecimento produzido pela comunidade acadêmica brasileira e estrangeira. Ampliar, para além de seus muros, a divulgação da pesquisa e da reflexão feitas nas universidades é seu principal objetivo. Para garantir a boa qualidade na seleção das obras, a Editora conta com um corpo qualificado de avaliadores e um Conselho Editorial composto de professores de dentro e de fora da Unifesp.

Seu catálogo, em rápido crescimento, é composto por traduções de obras consagradas, trabalhos inéditos de professores universitários e ensaios provocativos. Em apenas uma década, seu trabalho editorial tem recebido reconhecimento no mundo acadêmico, na mídia e no meio editorial especializado, e suas obras têm se destacado em vários prêmios, como o Prêmio Jabuti (com uma obra premiada em 2014, duas entre os finalistas em 2016 e uma entre os finalistas em 2017) e o Prêmio Abeu (com uma obra finalista em 2015 e duas premiadas em 2016).

www.editoraunifesp.com.br

Anterior Festival Riacho das Artes leva muita cultura para a cidade
Próximo Sabatella em “Psique” que será filmada em Brasília em 2020/21