Brasileiro traduz para o português ‘tesouros’ da filosofia grega para explicar origem da música

Obra Sopro das Musas: Fundamentos filosóficos da música, de André Balboni, apresenta uma profunda reflexão sobre a música, e traduções de escritos de Aristóxeno e Proclo, que não estavam disponíveis em português

Propor uma reflexão sobre a origem e o desenvolvimento do pensamento musical, e entender a importância e a relação da musicalidade na formação do ser humano, foram alguns dos objetivos de André Balboni, autor do livro “Sopro das Musas — fundamentos filosóficos da música” (Odysseus Editora, 2019).

O livro também se debruça sobre as visões do primeiro musicólogo da história Aristóxeno de Tarento, discípulo direto de Aristóteles, e do filósofo neoplatônico Proclo sobre o tema, por meio da tradução de valiosos textos até então inéditos na língua portuguesa.

Compositor, professor e produtor musical, o autor conta que decidiu fazer esse trabalho depois de pensar sobre seu processo de compor e ensinar música. Após estudar psicanálise com o professor Gilberto Safra, da Universidade de São Paulo (USP), conhecido por fazer a interface entre filosofia e psicologia, ele resolveu retomar o estudo à partir dos fundamentos filosóficos da música presente na filosofia grega.

Para Gilberto Safra, que assina o prefácio, a obra “situa a música em seus princípios mais originários, possibilitando a recuperação de dimensões essenciais da experiência humana”.

Em sua pesquisa ao longo de mais de sete anos, Balboni chegou ao primeiro ponto que se tornou destaque no livro, que a música é originada a partir das divindades da mitologia grega, as Musas — não apenas na gênese da palavra –, mas em seu significado mais profundo, pois as Musas representam a inspiração da sabedoria e a constituição da própria memória do ser humano.

Em Homero e Hesíodo, as Musas são divindades que transmitem sabedoria para uma vida bem aventurada. Como as Musas são filhas de Zeus e da Memória, o livro busca demonstrar o papel da música na formação da memória humana. Segundo o autor, os antigos ainda não possuíam o texto como utilizado na atualidade, e isso fazia do ritmo, da melodia e da palavra, meios pelos quais era possível no passado aprender a recordar as formas de saber, tais como a mitologia e a poesia.

O autor ainda discorre sobre os aspectos mais basais da pedagogia musical, por meio de uma reflexão presente na filosofia platônica. É possível ver diversas passagens em que Sócrates assinala a importância da técnica musical como meio, e não como fim. Para o pensador, o fim de uma composição musical seria a realização de uma inspiração maior.

André Balboni considera essa reflexão de suma importância na atualidade, uma vez que tornou-se muito comum a utilização da técnica no ensino de música como um fim e não como meio.

Outro ponto de destaque do livro são as abordagens do trabalho de Aristóxeno de Tarento, considerado o primeiro musicólogo da história. Conhecido como “o músico”, ele foi responsável por estruturar as harmonias e mostrar como era a organização estética da música grega antiga.

Além deste estudo o livro também conta com um intenso diálogo com o pensamento de Proclo — último filósofo neoplatônico, que nunca foi traduzido para o Brasil. Proclo foi o primeiro pensador da história a elaborar uma complexa teologia, onde a música ocupa o lugar central.

“Sopro das Musas – fundamentos filosóficos da música”, abarca a filosofia da música desde o período grego clássico até a atualidade. Apesar do conteúdo denso compilado para sua produção, ele se dirige para qualquer pessoa tenha curiosidade sobre a música: seja para um estudante, um jornalista, um crítico ou até mesmo um maestro.

O escopo do livro é muito amplo, pois começa de um ponto de vista simples recontando a mitologia da música até as partes mais complexas da matemática da dessa arte. A obra tem revisão técnica da doutora em filosofia, Cynthia Gusmão, uma estudiosa de Aristóxeno de Tarento.

Os leitores também contam com um recurso adicional: os áudios das escalas e afinações mencionadas ao longo dos capítulos e as ilustrações estão disponíveis na internet em www.soprodasmusas.com.br. O projeto teve apoio do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura, Programa de Ação Cultural (ProAC).

Sobre o autor

André Balboni é músico e estudioso da reunião fundamental entre música e filosofia. Trabalha como professor, produtor musical e compositor de trilhas para filmes, documentários e espetáculos de dança. Desde 2008, estuda a interface entre psicanálise e filosofia com o professor Gilberto Safra, no curso Profoco e no laboratório Prosopon, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).

Anterior Bloco Primeiro Beijo em clima de pré-carnaval no Quintal
Próximo Eddie divulga lado A de novo disco intitulado “Atiça”