A canção de Sílvia Tardin tem produção musical e arranjos de Eugenio Dale, e marca a estreia da cantora e compositora carioca nas plataformas digitais; show terá participação de Ana Sucha, show via live no YouTube, às 20h

Como toda boa libriana, a cantora, compositora e musicista carioca Sílvia Tardin valoriza a harmonia no todo e a beleza nos detalhes, tem seus ideais românticos e quando está certa de suas decisões, acredita de todo coração.

Essa personalidade forte se reflete no seu primeiro single autoral, QUISERA, que estreia dia 28 de janeiro em todas as plataformas digitais, via ONERpm. Para marcar o lançamento, a cantora fará uma live, no próprio dia 28/1, às 20h, com transmissão ao vivo pelo seu canal no YouTube: youtube.com/silviatardin. A apresentação terá canções de seu repertório, além de outras interpretações, e a participação da cantora, compositora e musicista carioca Ana Sucha.

QUISERA foi “gestada” ao longo de muito tempo, levando cerca de dois anos para ganhar o formato atual. Trata da superação de um relacionamento difícil, de renovação e retrata ainda uma nova fase na vida e na carreira de Sílvia, na qual a artista resgata sua essência como pessoa e cantora.

A canção é uma composição autoral e tem produção musical e arranjos de Eugenio Dale, figura tarimbada do cenário carioca e fortemente gravado por grandes nomes da MPB como Ana Carolina, Elza Soares, Paula Lima, Ney Matogrosso e Maria Gadú.

“Foram cerca de dois anos formatando a música. No primeiro ano, me envolvi num processo criativo com o Eugenio Dale, e ao mesmo tempo, fui descobrindo quem eu era como compositora. Depois, gravamos. Essa música é a primeira que compus em muito tempo, num processo que acabou gerando outras, então, é muito simbólica, retrata realmente uma nova fase da minha vida, de renascimento, redescoberta e de valorização de quem eu sou como artista”, explica ela, que completa: “Com QUISERA, eu finalmente me vejo como uma mulher forte, uma artista que não tem somente potência na voz, mas também nas palavras”.

Com versos poéticos como “Aos seus pés, vou lapidando o sorriso // Te mostro sem me entregar // Em cada voz, um laço inerte, vazio. // Seus lábios a me censurar”, a cantora e sua poderosa voz entregam uma música passional, que transita facilmente entre o amor e o ódio. Por outro lado, a melodia dançante, permeada por instrumentos como violoncelo, além de percussão, também trazem leveza e potência, especialmente no seu auge, o refrão:

“Quisera você me ter agora, era só me conquistar // Tivera seu tempo, jogou fora // Balbuciou, seu azar”.

“QUISERA tem um violoncelo que traz um clima dramático, mas também tem muita percussão como conga e timbales, que representam a dança, que eu amo, e a influência da música latina, um ritmo muito marcante na minha vida”, explica Sílvia, que aprendeu a gostar de música ainda criança e que bebe da fonte de referências como Buena Vista Social Club; além de grandes nomes da MPB como Marisa Monte, Elis Regina, Roberta Sá, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Jorge Benjor, Gal Costa, Juçara Marçal e Lenine, além de artistas da nova geração como Silva, Renato Luciano e a Barca dos Corações Partidos e Tim Bernardes. Jovens cantoras da MPB, como Mayra Andrade, Luedji Luna e Anelis Assumpção também são referências.

UMA RELAÇÃO ÍNTIMA COM A MÚSICA

Apesar de ser formada em Biologia, Sílvia Tardin atua na área musical há 20 anos. Seu interesse foi despertado ainda criança com as aulas de violão ministradas pela cantora Ana Costa. Ali, Sílvia conheceu Vinícius de Moraes, Moraes Moreira, Rita Lee, entre outros artistas que se tornaram suas referências. Sua carreira iniciou mesmo ao lado do músico Paulo Cidade, cantando em bares no Rio de Janeiro, em meados dos anos 2000.

Anos depois, a artista foi vocalista da banda Superdivos e a Moça, com amigos. Mas foi na banda de ska Coquetel Acapulco, em 2010, que a artista passou a se dedicar à carreira musical. Sílvia Tardin foi selecionada para ser vocalista e largou o trabalho numa multinacional para se dedicar ao projeto. Sua trajetória com o Coquetel durou quatro anos e incluiu um disco, “Dama da Noite”, além de um clipe e shows pelo país.

Sílvia ainda se formou em Produção Fonográfica, em canto na renomada escola carioca Villa-Lobos, deu aulas de canto, foi assistente de produção musical, além de ter feito backing vocal para discos de artistas como Farofa Carioca. Mais recentemente, também fez parte do coletivo Cavalo Preto, capitaneado por Suely Mesquita. Toda essa experiência trouxe uma ligação ainda mais forte com a música.

“Sou uma artista que sempre se conectou muito ao som, ao movimento, aos arranjos, ao ritmo… Mas ao longo do tempo, evoluindo como compositora, a necessidade de contar a minha história trouxe o desejo de me expressar através das palavras”, explica.

QUISERA marca um novo momento na carreira e na vida de Sílvia Tardin, que planeja lançar outros singles em 2021.

FICHA TÉCNICA:

QUISERA
Composição e voz: Sílvia Tardin
Produção musical, arranjos, guitarra, violão e contrabaixo: Eugenio Dale
Congas, timbales, guiro, chocalho: Rodrigo “Pacato” Silva
Violoncelo: Federico Puppi
Masterização: Vini Tonello
Fotos: Coletivo CLAP
Maquiagem: Marina Vilaça
Capa e Design: Nath Moraes
Produção e mídias sociais: Mario Camelo

OUÇA ‘QUISERA’:

Pré-save e música: https://ps.onerpm.com/3837121820

LIVE DE LANÇAMENTO:

Data: 28/01
Horário: 20h
Participação: Ana Sucha
YouTube: https://www.youtube.com/silviatardin

SIGA SÍLVIA TARDIN:

Facebook: https://www.facebook.com/sil.tardin
Instagram: https://www.instagram.com/silvia.tardin/
YouTube: https://www.youtube.com/silviatardin

👇
ACESSE + CONTEÚDO SOBRE MÚSICA NO DF, NO BRASIL E NO MUNDO
👉 https://aquitemdiversao.com.br/category/musica/

Anterior Nelson Gonçalves – O Amor e o Tempo, termina no dia 30
Próximo Valentina é premiado no Festival de Cinema da Índia