Espetáculo SEMUTSOC questiona hábitos cotidianos. Cia de dança afro-contemporânea Corpus Entre Mundos faz apresentação única no SESC Ceilândia

“A gente se acostuma, mas não deveria”. Este trecho do poema “Eu sei, mas não devia”, de Marina Colasanti, representa o conceito do espetáculo SEMUTSOC, da Companhia de Dança Afro-contemporânea Corpus Entre Mundos. Coreografado e dirigido por Lenna Siqueira e Dilo Paulo, a obra contextualiza os ciclos da vida e como a esperança nos motiva a buscar o prazer por viver ao “desautomatizar” nosso cotidiano. A estreia e apresentação única será no sábado, dia 25/09, às 20h, no Teatro SESC Newton Rossi, em Ceilândia. Todos os protocolos de segurança são respeitados, como redução da capacidade de público para distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel.

Semutsoc é a palavra “costumes” ao contrário, e logo pelo título já se observa a necessidade de mudar a perspectiva e se “desacostumar” ao que não nos faz bem. “O que nos move são os sonhos, e o fato de nos acostumarmos com aquilo que não devíamos nos deixa sem vida. Perdemos a nossa identidade e ficamos em um ciclo vicioso, na reprodução automática do que é imposto pela sociedade”, explica o diretor e coreógrafo Dilo Paulo. Para ele, o espetáculo é “um despertar da potência individual e fortalecimento do coletivo, trazendo vida e ancestralidade à palavra no movimento Ubuntu: eu sou porque nós somos”.

Em cena, é destacada a vontade de ser e estar verdadeiramente consigo, sem esquecer-se do outro e de como essa conexão é necessária para existirmos. É possível observar a felicidade, a importância do coletivo, de estar presente no aqui e agora, e como a esperança é renovadora. “A vida é feita de altos e baixos, mas são a partir dos momentos ditos ruins que revigoramos nossas forças, renovamos nossa energia e renascemos. O espetáculo vem falando sobre o poder que nós temos para renascer e ser esperança”, afirma Lenna Siqueira, diretora artística e coreógrafa.

A montagem traz diversas referências a ritmos, danças e elementos culturais afro-diaspóricos, com a pluralidade refletida no próprio elenco, com dançarines de diferentes corpos e trajetórias na dança. “Quando falamos de corpo, falamos de diferenças. E são essas diferenças que potencializam o grupo – a singularidade é a alma de nossa dança”, detalha Siqueira. “Os temas discutidos são complexos, mas a sensibilidade como foram abordados e traduzidos para corpos tão múltiplos é impressionante. Muito honrada em fazer parte desse grupo e dessa estreia”, celebra Jô Gomes, uma das dançarinas do elenco.

Conheça a Corpus Entre Mundos

A Companhia de Dança Afro-contemporânea Corpus Entre Mundos surgiu em 2013 dentro do circuito acadêmico da Escola e Faculdade Angel Vianna, no Rio de Janeiro (RJ). O bailarino e coreógrafo angolano Dilo Paulo teve a oportunidade de criar um espetáculo de dança para ocupar o Teatro Princesa Isabel, e com isso reuniu vários bailarinos de Angola, Brasil, Suíça e Austrália em uma incrível colaboração. O resultado superou as expectativas e inspirou a posterior criação da Companhia, que já nascia mesclando diversas culturas, danças, idiomas e mundos – daí seu nome “Corpus Entre Mundos”.

Atualmente sediada em Brasília-DF, é composta por oito integrantes: Dilo Paulo, Lenna Siqueira, Jakeline Ribeiro, Jô Gomes, Lucas de Andrade, Karina Araújo, Kennedy Anderson e Thaís Calmon. Já se apresentou em teatros do Brasil e de Angola, e tem em seu repertório cinco espetáculos: Entre MundosMuhatuMuximaSemutsoc e Rareneger. Por compreender a capacidade de transformação da dança, apoia projetos sociais como: The Street Flow, Vidançar e o Ballet de África Os Negros. .

Quem é Dilo Paulo?

Diretor e coreógrafo da Corpus Entre Mundos, tem licenciatura em Dança pela Faculdade Angel Vianna, é pós-graduado em Metodologia do Ensino em Artes, pós-graduando em Gestão Comercial e Marketing Digital e formado em continuidade para TV&Cinema. Nascido em Angola, começou a dançar aos 12 anos, e aos 13 já tinha criado seu próprio grupo de dança. Aos 16 anos ganhou o prêmio de melhor grupo de Hip Hop de Luanda, capital do país. Venceu o concurso de dança Bounce Angola: um reality show que escolhia os melhores bailarinos do país em 2011.

Participou de quatro desfiles de carnaval no Rio de Janeiro: Vila Isabel em 2012; carro abre-alas da Salgueiro em 2013; comissão de frente da Imperatriz Leopoldinense em 2017; e comissão de frente da Mocidade Independente de Padre Miguel em 2020. Fez parte do elenco da Cia de Dança Deborah Colker em 2016. Fundou, junto com a bailarina Lenna Siqueira, a companhia de dança Corpus Entre Mundos em 2013, e o Intercâmbio de Dança Angola e Brasil (Idaeb) em 2017. Em 2020, também com Lenna Siqueira, desenvolveu a plataforma de dança online #movendodl, que oferece aulas, workshops, oficinas e outras experiências: www.dilolenna.com

Quem é Lenna Siqueira?

Diretora artística e coreógrafa da Corpus Entre Mundos, possui licenciatura em Dança pela Faculdade Angel Vianna. Fundou o Intercâmbio de Dança Angola e Brasil (Idaeb) junto com Dilo Paulo em 2017. Começou a dançar aos 6 anos de idade, na ONG Ecultura, do seu pai Thadeu Ximenes, e aos 7 ingressou na Escola Estadual de Danças Maria Olenewa (Theatro Municipal RJ). Formou-se no Conservatório Brasileiro de Dança e entrou na Cia Brasileira de Ballet, na qual permaneceu por 8 anos, onde participou de diversos espetáculos e festivais nacionais e internacionais.

Atuou como bailarina profissional da abertura Olímpica e Paraolímpica no Brasil em 2016. Também foi bailarina da cantora angolana Titica no Rock in Rio 2017. Ainda em 2017 foi convidada para dar aula no maior Festival de danças urbanas da América Latina – o Rio H2K. Bailarina da abertura do Fantástico em 2021, vai sair em turnê pelo Brasil com o Festival Dança Em Trânsito. Há seis anos trabalha com as danças africanas: afro, afro house e kuduro, e vem desenvolvendo sua metodologia (junto com Dilo Paulo) a partir dessas danças e outras vivências profissionais.

Serviço

Espetáculo SEMUTSOC – Cia Corpus Entre Mundos
Quando? 25 de setembro, às 20h
Onde? Teatro SESC Newton Rossi, Ceilândia – QNN 27 Área Especial Lote B
Quanto? R$40,00 inteira | R$20,00 meia (idosos, professores e estudantes)
Ingressos: https://chat.whatsapp.com/IHdSXVYwj0h4nogko0Djmg
Mais informações: Lenna Siqueira (61)99508-4819
Site da Cia: https://www.dilolenna.com/corpusentremundos

Ficha Técnica

Direção e coreografia: Dilo Paulo e Lenna Siqueira
Produção executiva: Luana Vieira, Cesar Azenha e Lenna Siqueira
Bailarinos: Jakeline Ribeiro, Jô Gomes, Lucas de Andrade, Karina Araújo, Kennedy Anderson e Thaís Calmon
Figurinos: Bruno Pepe e Ledilooks
Iluminação: Lemar
Trilha Sonora: Dilo Paulo
Gravação: Thomas Edson da Silva, Rômullo Viana Costa
Edição: Dilo produções
Apoio: SESC-DF / Teatro Newton Rossi / Edital SESC Estúdio

Anterior Trio Beijo de Moça lança “Chega Pra Cá” nas plataformas
Próximo Sessões Verberenas 🪖 exibe filme censurado pela ditadura