Ver Drake, Foo Fighters, Bon Jovi, Red Hot Chili Peppers, Iron Maiden, P!nk, Imagine Dragons e Muse reunidos em um só evento pode ser o sonho de muita gente. É por isso que eventos como o Rock In Rio, realizado em setembro no Brasil, reúne multidões, e, é bastante esperado pelo público. Os ingressos esgotaram no mês de abril, por isso a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, explica quais são os cuidados necessários ao adquirir entradas online por meio de outras fontes, para evitar possíveis fraudes.

Como a procura dos bilhetes é grande, alguns não conseguem realizar a compra por canais oficiais, ,e, é nessa hora que muitos entram em contato com terceiros. Os golpes geralmente ocorrem nas redes sociais ou em fóruns de fãs. Os criminosos oferecem as entradas por preços mais baixos, ou até mesmo enviam e-mails e mensagens com promoções falsas. O problema é que, ao comprar tickets de canais não oficiais, os ingressos vendidos podem ser cópias, feitas por meio de fotos de ingressos reais encontradas nas redes sociais dos fãs do evento, ou possuírem QR Codes e códigos de barras inválidos.

Os cibercriminosos se aproveitam do entusiasmo dos fãs para aplicar os golpes, como foi o caso do show virtual do videogame Fortnite, quando golpistas venderam ingressos falsos para o evento, que seria online e gratuito.

“É importante se organizar para realizar a compra com antecedência pelos canais oficiais do evento e, caso decida comprar de última hora, ficar atento à comportamentos suspeitos, como poucas informações sobre a venda, perfis criados recentemente e até mesmo preços muito baixos. É possível também conferir a lista do Procon de sites não confiáveis”, diz Carlos Baleeiro, Country Manager da ESET no Brasil.

“Mesmo para quem comprou pelos canais oficiais, é necessário tomar alguns cuidados com a segurança. A dica de ouro é evitar postar fotos do QR Code ou código de barras de seu ingresso nas redes sociais, pois isso pode dar oportunidade para uma pessoa mal intencionada utilizar seu ingresso antes de você”, explica o executivo. Além disso, o ticket do evento também pode ser barrada pela segurança se o código de barras estiver inválido devido ao ingresso ser clonado ou falsificado.

“Assim como quando se compra presencialmente com um cambista, adquirir ingressos em ambientes virtuais não-oficiais ou por meio de empresas sem credibilidade traz muitos perigos. A dica de ouro é se programar para a aquisição em bilheterias oficiais, pelo portal oficial do evento ou do organizador na internet ou em pontos de venda autorizados”, alerta Baleeiro.

Para mais informações, visite o portal de notícias da ESET, chamado WeLiveSecurity, em: www.welivesecurity.com/br/

Sobre a ESET

Desde 1987, a ESET® desenvolve soluções de segurança que ajudam mais de 100 milhões de usuários a usar tecnologia com segurança. Seu portfólio de soluções oferece às empresas e aos consumidores em todo o mundo um equilíbrio perfeito de desempenho e proteção proativa. A empresa possui uma rede global de vendas que abrange 180 países e tem escritórios em Bratislava, São Diego, Cingapura, Buenos Aires, Cidade do México e São Paulo. Para mais informações, visite www.eset.com.br/ ou nos siga no LinkedIn, Facebook e Twitter.

Desde 2004, a ESET opera na América Latina, onde conta com uma equipe de profissionais capacitados a responder às demandas do mercado local de forma rápida e eficiente, a partir de um Laboratório de Pesquisa focado na investigação e descoberta proativa de várias ameaças virtuais.

Anterior Receita de Coração de frango ensopado do Divino Fogão
Próximo Globoplay celebra 'Viva', novo projeto de Luan Santana