Um dos principais eventos de música autoral e alternativa de Brasília, o Quarta Dimensão, promove a sua última edição no SCS, sábado, 20/04, com entrada franca

Dois palcos serão montados no Setor Comercial Sul em comemoração ao aniversário da cidade. Lançamento do primeiro álbum da banda Zé Krishna e pré-lançamento do segundo álbum da banda Rios Voadores são os destaques do encerramento da terceira temporada

Depois de passar pelo Centro Cultural Dulcina de Moraes e o Espaço Galleria, chegou a vez do Setor Comercial Sul receber o projeto que marcou por 3 anos a revitalização cultural do centro da cidade.

Foram 43 edições, o coletivo encerra a terceira temporada com grande celebração no Beco da CAL (Casa de Cultura da América Latina – Setor Comercial Sul – Quadra 4), no sábado véspera do aniversário da cidade, a partir das 17h, com entrada franca mediante retirada do ingresso no site https://www.sympla.com.br/quarta-dimensao-no-setor-comercial-sul__501567.

A programação é bem variada e traz grandes nomes da cena musical da região, Rios Voadores, Japão – Viela 17, Aiure, Haynna e os Verdes, Komodo, Zé Krishna e Protofonia estão confirmadas. A discotecagem nos intervalos dos shows ficará a cargo dos DJs Nina Rosa, Chikin, Yuri, Mond, Bruno e Breno e Luan. As projeções de imagens nos prédios do local ficarão por conta do VJ Anibal.

O festival criado em 2016, abriu espaço para mais de 100 apresentações musicais e criou uma coletânea em formato digital e vinil, com 12 dos principais artistas candangos que participaram do projeto, na coletânea você pode conferir faixas de músicos premiados da cidade como o cantor Alberto Salgado – Prêmio da Música Brasileira 2018 e o guitarrista Pedro Martins – Guitar Soccar Montreux 2013.

“São bandas vindas de diversos lugares, com foco especial na região do Distrito Federal, desde a primeira edição há sempre uma lista de artistas interessados em participar”, segundo a idealizadora do projeto e produtora cultural, Jenny Choe.

Em três anos, o “Quarta Dimensão” foi uma vitrine e um celeiro que estimulou muito a produção musical independente candanga, foram dezenas de novos trabalhos autorais apresentados nos eventos, contando sempre com a presença de público interessado em conhecer as novas produções musicais do mercado independente, fãs das bandas e apaixonados por boa música.

O projeto

O Quarta Dimensão é um festival que começou em março de 2016 no Teatro Dulcina – CONIC, iniciativa pioneira e coletiva, foi realizado semanal às quartas-feiras durante quase 2 anos, com o objetivo de reforçar a identidade do centro de Brasília como polo criativo, integrador, comunitário e centro de circulação cultural e social.

O projeto sempre trabalhou com vistas à constante sensibilização das pessoas quanto à importância do apoio individual na escolha do valor a ser pago como ingresso, com a proposta do Quanto Vale o Show, ou seja, o público escolhia quanto ia pagar para assistir as apresentações, com apenas uma nota, de R$5, 10, 20, 50 ou 100. Quem ficava mais satisfeito do que imaginava poderia complementar o valor pago depois de assistir aos shows, voltando à bilheteria para uma nova contribuição.

Grandes nomes locais, nacionais e internacionais passaram pelo projeto, como o multi -instrumentista alemão Konrad Kuechenmeister, ou os franceses do Sociedade Recreativa, os premiados Alberto Salgado e Pedro Martins, Gog, Dillo, Muntchako, Joe Silhueta, Consuelo, Esdras Nogueira (saxofonista do Móveis Coloniais de Acaju), Cae Maia, Renato Matos, Movni, Fellipe Souljah, Cacai Nunes, Batidão Sonoro S/A, Almirante Shiva, Judas, Transquarto, entre outros.

Depois de 03 anos, o projeto pontapé da recuperação do centro da cidade se vê como “dever cumprido”, uma vez que hoje a população da cidade convive nesses espaços, através da programação cultural promovida por diversas iniciativas de empreendedores e projetos culturais. O centro da cidade voltou a ser um espaço permanente para a cultura brasiliense.

Serviço

Quarta Dimensão
Data: 20 de abril (sábado), das 17h ás 02h
Local: Beco da CAL (Casa de Cultura da América Latina – Setor Comercial Sul – Beco da Quadra 4)
Entrada franca mediante retirada do ingresso no https://www.sympla.com.br/quarta-dimensao-no-setor-comercial-sul__501567
Informações: (61) 9 84176112
Classificação etária: 18 anos

Fanpage do Quarta Dimensão

https://web.facebook.com/QuartaDimensaoDF

PROGRAMAÇÃO

· 17:30 – Batidão Sonoro
· 18:30 – DJ Yuri
· 19:00 – Haynna e os Verdes
· 19:40 – DJ Nina Rosa
· 20:30 – Show Rios Voadores
· 21:20 – DJ Chikin
· 22:00 – Show Japão – Viela 17
· 22:40 – DJ Mond
· 23:00 – Show Komodo
· 23:30 – Show Aiure
· 00:00 – Show Zé Krishna e os amigos eternos
· 00:40 – Show Protofonia
· 01:20 – Discotecagem Bruno e Breno
· 02:00 – Discotecagem Luan

Mestres de cerimônia: Maria Paula e Marcellus
Intérprete de Libras: Barbara Barbosa

BANDAS de todos os lugares do Quadrado

Rios Voadores – Pré Lançamento do segundo DISCO
www.soundcloud.com/riosvoadores

O grupo, formado há 7 anos por: Gaivota Naves (vocal), Marcelo Moura (guitarra), Tarso Jones (teclado), Hélio Miranda (bateria) e Beto Ramos (baixo), retorna ao Quarta Dimensão com um show especial de pré lançamento do segundo álbum a ser lançado em julho deste ano.
Uma das bandas mais queridas da cidade, promete show marcado por um vocabulário bem variado e Influências múltiplas dos anos 70 e 60, uma mistura psicodélica de rock’n’roll, blues e a descontração tropicalista.

Zé Krishna e os amigos eternos – Lançamento do primeiro disco
www.facebook.com/zekrishnaeamigoseternos

A mistura da música brasileira, com harmonia rebuscada e ritmo marcante, com as melodias vindas da música indiana, criou um novo estilo musical denominado pelo grupo de “Brasindia Style”. O termo “Style” vem do fato da banda ter influências do Reggae em seu novo trabalho, um álbum de dez faixas autorais que serão lançados dia 16 de Abril em plataformas digitais e dia 20 no Quarta Dimensão.
Artistas da nova geração da música brasiliense formam esse time que é Zé Krishna & Amigos Eternos: Renato Galvão na bateria, Luiz Ungarelli fazendo percussão e voz, Felipe Viegas nos Teclados, Pedro Miranda no Contrabaixo e voz e Filipe Togawa nos Teclados. A performance cosmopolita que é apresentada em seus espetáculos é de fazer dançar, relaxar, pensar e se surpreender com esse som pulsante.

Haynna e os Verdes
www.facebook.com/HaynnaeOsVerdes

A banda Haynna e os Verdes é de Samambaia e começou em 2013, o grupo é uma mistura de rock, blues, brega e brasilidades, teve seu primeiro disco lançado em novembro de 2018 e têm como principal inspiração as “emoções humanas”.

Com a voz marcante de Haynna na linha de frente, sua música é inconfundível pelos drives e extensão vocal, o grupo é formado por Haynna (vocal), Daniela Vieira (teclado), Betinho Matuszewski (guitarra), Rian Sodré (baixista) e Jhonata Morais (baterista).

Rapper Japão – Viela 17

www.facebook.com/oficialviela17

Muitos já conhecem o rapper Japão e sua carreira no rap nacional, sua postura forte nos palcos e fora dele também, mas sua história na música muito se mistura também com sua atividade social e vamos aqui ressaltar seu envolvimento na área social/projetos sempre envolvendo a cultura hip hop por onde quer que vá.

A linguagem do RAP é o principal fio condutor nos projetos idealizados pelo rapper, através dessa linguagem ficou conhecido nacionalmente, inicialmente quando atuava com o grupo Esquadrão Mc´s e logo após uma parceria com o rapper GOG do qual acompanhou durante 08 anos e há 14 anos a frente do grupo Viela 17 idealizado nas ruas de Ceilândia Norte onde dá continuidade ao seu trabalho nos palcos e levando o rap de Brasília para todo o Brasil.

Sua atividade social começou no ano de 2000 onde seu circuito no terceiro setor nascia para não mais parar.

Komodo
www.facebook.com/komodobanda

Komodo é um power trio brasiliense que habita um subsolo de um bar na Asa Norte, seus integrantes convivem desde os anos 90, tendo participado de diversos projetos musicais como Los Danones, Projeto Moe e Cadabra, e experiências psicotrópicas como Feira de Música, Festival Super Demo, Porão do Rock, Festival Senhor F, etc.

São adeptos do Mitsuplik funk – um som muito específico caracterizado por um baixo espancado em slaps frenéticos, uma batera colada com esse baixo com muito groove e peso, uma guitarra funkeada e suja e um vocal potente e podre.

Aiure
www.facebook.com/AiureTrio

Antigamente conhecido como Vintage Vantage, o trio do Distrito Federal Aiure entra em uma nova fase, cheia de psicodelia, post rock e brasilidade, com o single “Erótica & Bad Vibe”, uma despedida ao antigo nome de batismo e o primeiro passo em uma direção diferente.
Com inspiração no rock progressivo e em diversas viagens musicais, Lucas Pacífico (guitarra), Gabriela Ila (piano) e Renan Magão (bateria) fundem sons e exploram caminhos novos com a adição de instrumentos como a viola caipira, reforçando a introdução da música brasileira no caldeirão sonoro do grupo.

Protofonia
www.facebook.com/protofoniatrio

É um grupo de música instrumental brasiliense formado em 2007, com vasta experiência, o trio trabalha músicas instrumentais autorais com muita influência do jazz em todas as suas vertentes, rock progressivo, improvisação livre, ritmos brasileiros e música erudita contemporânea (minimalismo, atonalismo, serialismo, geometria e eletroacústica). No desenvolvimento de seus temas sempre há espaço para a explosão e o silêncio criando cores e texturas imprevisíveis e intrigantes.

Os membros do PROTOFONIA, André Chayb (guitarra, violão, viola, theremin, voz, ruídos), Janari Coelho (bateria, percussão, voz, ruídos) e André Gurgel (baixo, violão, voz, ruídos). também são integrantes da Orquestra Quântica Brasileira, pioneira no mundo em música quântica (área que a banda já pesquisava há tempos com afinco) sob orientação do dinamarquês Kim Helweg e Mário Brasil (Departamento de Música da UnB).

Anterior Programação musical do UK Music Hall para a semana
Próximo Cemitério Maldito ganha trailer final, estreia em 9 de maio