NU ARTÍSTICO NA CAPITAL


Há quem olhe com maus olhos, há quem olhe com o rabicho de olho, há quem finja que não olha, mas que acesse escondidinho e há quem ame de paixão! O que não dá pra negar é que a fotografia de nu artístico tem se tornado uma das fortes linguagens de expressão em Brasília e no Distrito Federal

Atores, atrizes, modelos e simpatizantes cada vez mais têm encontrado na fotografia de nu artístico uma maneira de expressar suas inquietações, provocações conceituais e estéticas e suas criatividades em ensaios que provocam curiosidade e enchem os olhos dos espectadores cibernéticos. Nomes da cidade como Kazuo Okubo, Daniel Fama, Diego Bresani, Sergio Costa Vicent e João P. Teles figuram entre os criadores da fotografia que sempre apresentam conteúdos interessantes, provocativos e contemplativos. Na real, tem que contemplar mesmo porque é lindo de se ver! Falarei de três desses nomes aqui.

Estúdio

Tive o primeiro contato em estúdio com nu artístico com Daniel Fama. Na ocasião, produzimos juntos (via Fábrica de Teatro), o projeto “[Nu] Objeto”, que contou com 50 modelos de Brasília que tinham o seguinte desafio: posarem nus “vestindo” apenas um objeto que os representassem (ideologicamente ou fisicamente falando). Artistas, professores, policiais, donas de casa… muita gente se despiu no ensaio que unia bom humor, respeito à diversidade e doses certeiras de sensualidade. Isso mesmo! Sensualidade, sim, por que não? As fotos de “[Nu] Objeto” ganharam o país e foram vistas por mais de 2 milhões de pessoas somente pela internet. O sucesso foi tanto que virou uma exposição de mesmo nome numa galeria de arte, sendo sucesso de público e de crítica nos principais meios de comunicação do país.

Nu Objeto

A parceria com Daniel Fama rendeu outros dois importantes projetos na cidade, os ensaios “Que gosto tem seu beijo?” e “Boa sorte, um ensaio”. O primeiro tratava de uma brincadeira bem humorada com pessoas que em sua maioria não se conheciam, mas que descobriam em estúdio quem seria seu par para provarem o sabor do beijo um do outro, sempre com uma preocupação a favor do respeito à diversidade. Como os artistas possuíam suas próprias redes, a viralização das fotos foi inevitável, fazendo com que o trabalho circulasse bastante.

Gosto do beijo

A última parceria de nu artístico com Daniel Fama foi no editorial “Boa Sorte: um ensaio”, que era parte das ações do Projeto Boa Sorte de Gabriel Estrëla, que falava diretamente do respeito a quem vive ou convive com HIV. Em estúdio, pessoas desconhecidas tiveram horários agendados para, somente minutos antes descobrirem quem seria a pessoa que abraçariam, numa grande celebração de afeto e amor. A espontaneidade dos modelos deu uma potência incrível ao material clicado. Polêmicas, as fotos causaram muitas discussões em fóruns e grupos. Serviram também de alerta para comprovarem o quanto o amor e a diversidade são temas diretamente atacados pela sociedade. Para dezembro de 2018, um novo projeto de Daniel Fama surpreenderá a todos na internet. O chamamento para os modelos será feito em breve.

Boa Sorte

Kazuo Okubo é figura cativa de Brasília e responsável por cliques incríveis que dialogam com a arquitetura e a natureza da cidade. Há uma série de fotos feitas no Lago Paranoá que são um verdadeiro deleite para quem se emociona com a beleza da nudez e dos corpos expressivos. Eu nunca havia posado para Kazuo, até que por um acaso do destino, produzi um dos ensaios dele, que fora concebido e coordenado por Diego Ponce de Leon na edição de 2017 do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília. Na ocasião, tínhamos uma missão: convocar o maior número de pelados do DF para uma FOTONA de nu artístico. Essa foto-manifesto teve ares de megaprodução (e era mesmo). Chamamos um caminhão guindaste, equipe de segurança e 114 participantes voluntários que se despiram no Museu da República, bem na Esplanada dos Ministérios. Num afã de falar da liberdade de expressão, da liberdade da criação artística, os modelos se juntaram ao performer Maikon K, que meses antes fora expulso de uma performance em que estava nu numa bolha de plástico. A resposta à essa polêmica se deu com cliques potentes de Kazuo. Aliás, eu disse 114 pessoas? Na verdade foram 115, pois no momento em que deixei tudo organizado como produtor, pedi autorização pra me despir e me juntar aos peladões do DF.

Kazuo Okubo Lago
Kazuo Okubo

Já o fotógrafo e publicitário João P. Teles faz sucesso nas redes sociais com editorias encomendadas e criações autorais. Figura presente em campanhas de publicidade e moda, João está à frente da Colmeia Estúdio. De suas lentes surgem fotos tão incríveis que dá raiva. Um de seus projetos mais recorrentes é o “Calendário” com fotos de homens nus em cenários e ações instigantes. Estar num calendário clicado por ele é como ser capa da antiga revista Manchete, da Bloch (lembra?) Pois é… não é pra poucos! Artistas como Bruno Fagundes e Rainer Cadetes já figuraram em suas fotos.

João P Teles

Quer conhecer melhor o trabalho desses fotógrafos incríveis de Brasília? Confira aí:

João P. Teles – https://www.instagram.com/joaopteles/
Daniel Fama – https://www.instagram.com/danielfamaf/
Kazuo Okubo – https://www.instagram.com/kazuookubo/

Anterior Cremeria Italiana: Melhor gelato do mundo agora em Brasília
Próximo Chás gelados são protagonistas no Sálvia Sabor & Saúde