o documentário Orlamundo está disponível nas plataformas digitais – ITunes, NOW, Google Play, Youtube Play, Vivo Play, LOOKE – com preço promocional a R$ 6,90 (50% off). O longa é uma ode à música, à cultura, às diferenças e a importância destas em nossas vidas, usando como plano de fundo a própria trajetória de Orlando Morais. Rodado quase inteiramente no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, na região Nordeste do Brasil, há também trechos captados no GRES Portela, no Rio de Janeiro. “Orlamundo” é a primeira produção feita pela Audaz Filmes e é distribuído pela O2 Play. O filme conta com a direção de Alexandre Bouchet e roteiro/idealização de Orlando Morais.

Gravado ao longo de 2017, sua estreia mundial foi em Paris em 2019, mesmo ano em que foi vencedor na categoria de “Melhor Documentário” no Los Angeles Independent Film Festival Awards (LAIFAA) e mais tarde estreou no Brasil durante o 47° Festival de Gramado. “O documentário sou eu, é minha vida, é uma maneira de tentar devolver e fazer jus à importância que a música e a cultura têm em minha vida, expandindo de maneira que quem o assista reflita e sinta a mesma coisa. Estou extremamente feliz em disponibilizá-lo nas plataformas digitais, pois é a certeza que o filme poderá tocar mais e mais pessoas”, diz Orlando Morais.

A trilha sonora original que recheia o filme foi toda feita de maneira orgânica entre Orlando e todos os 13 participantes. Um resultado das conexões entre eles, em uma verdadeira união de culturas, de sentimentos e experiências que se traduziram em ondas sonoras e resultaram em músicas. Somos apresentados à união entre a poesia chinesa e brasileira através do erhu (instrumento clássico chinês) de Guo Gan; a busca pela verdade através da música com Kuku, da Nigéria; ao autoconhecimento pela caminhada, trajetória com as composições de Amen Viana, do Togo; a alegria, hierarquia, respeito e história com o samba brasileiro de Áurea Martins, Sérgio Procópio, a Velha da Guarda da Portela, além de Monarco, o baluarte e presidente de honra da Portela; a genialidade e delicadeza de Caetano Veloso; ao sentimento do amor como força maior com Antonia Morais; às raízes com a viola de Jairo Reis e Marcus Biancardini; a entender e perceber as igualdades apesar das diferenças, com a cantora tradicional do Vietnã, Huong Thanh; o entendimento de sentimentos e trajetórias através da voz com Kassé Mady Diabaté, do Mali; da atenção e parceria que somente as amizades verdadeiras e de alma podem nos proporcionar, com Jean Lamoot, da França, que é amigo de longa data de Orlando e baixista do grupo que formam juntos, Rivière Noire.

Como o próprio Orlando Morais explica em um dos trechos do filme: “Em ‘Orlamundo’ a gente se encontra, a gente fala muito pouco, a gente se explica muito pouco, mas ao mesmo vamos achando caminhos, que não precisam necessariamente serem perfeitos ou os melhores caminhos. São caminhos. Caminhos são caminhos. E a música tem essa coisa sublime, essa coisa natural, da natureza, da força…”.

Natural de Goiânia, o cantor, compositor, instrumentista, arranjador e empresário Orlando Morais teve seu talento musical despertado ainda muito jovem, aos 4 anos de idade, aprendendo a tocar piano de ouvido. Hoje com 59 anos, 30 deles foram acompanhados de uma carreira fonográfica de sucesso, somando dez álbuns de estúdio. Inquieto, recentemente lançou o single “Le Silence Tue”, fruto de um projeto com Branford Marsalis, Peter Gabriel e Sting, que será disponibilizado em sua totalidade dividido em dois álbuns, intitulados “Le Pop” e “Le Jazz”, ainda em 2021. Já no segundo semestre do mesmo ano, será lançado o álbum “RN2”, do grupo Rivière Noire do qual faz parte na França. Já em 2022, está atualmente se preparando para o lançamento de um álbum todo gravado com a Velha Guarda da Portela.

FICHA TÉCNICA:

Duração: Aproximadamente 90 minutos
Produtora: Audaz Filmes
Diretor: Alexandre Bouchet
Roteiro: Orlando Morais
Direção de fotografia: Márcio Darocha, Tiago Lage
Produtora executiva: Andréa Darocha
Cenografia: Jérémie lippmann, Basile Dell
Montagem: Marie Drouet
Mixagem das músicas: Jean Lamoot
Desenho de som: Leo Alcantara
Colorista: André Tavares
Efeitos visuais e Videografismo: Gerald Köhler
Distribuidora: O2 Play

ARTISTAS CONVIDADOS (em ordem alfabética):
Amen Viana – Nascido no Togo, Amen é uma estrela da cena musical do rock internacional. Guitarrista, cantor, compositor e arranjador, sua virtuosidade na guitarra rememora a de Jimi Hendrix, e Amen criou universos sonoros estonteantes no estilo de Living Colour, mantendo sempre as raízes da música africana que eletrizam seu trabalho.

Antonia Morais – Estreou como atriz no remake da novela Guerra dos Sexos, em 2012. Investindo em uma carreira musical, em 2015, lançou o “extended play Milagros”, que serviria de prévia para um álbum de estúdio no ano seguinte. Recentemente, no segundo semestre de 2020, lançou seu mais novo álbum, “LUZIA 20.20”, que traz 7 trabalhos inéditos e ainda foi anunciada como parte do lineup oficial do Festival Rock The Mountain. Atuou nas séries As Brasileiras e Lúcia McCartney e, em 2017, na novela Rock Story, no Brasil. É filha da atriz Glória Pires e do cantor e compositor Orlando Morais.

Áurea Martins – Nascida na cidade do Rio de Janeiro, Áurea pertence a uma família de artistas musicais. Seu primeiro LP foi O Amor em Paz, de 1972, que tem arranjos de Luiz Eça. Com o disco Até Sangrar, de 2008, ganhou como melhor cantora no Prêmio da Música Brasileira, em 2009. Em 2012, lançou seu primeiro DVD com o registro de um show em estúdio.

Caetano Veloso – Ícone absoluto da música brasileira, é cantor, compositor e músico infatigável. Durante os seus mais de 40 anos de carreira, cantou com os maiores do mundo, revisitou Jimi Hendrix e os Beatles, inspirou o fenômeno Carlinhos Brown. Ele é indiscutivelmente, e não só em sua dimensão de artista brasileiro, mas enquanto artista internacional, um dos mais ricos e completos talentos da música.

Guo Gan – Nascido na China, em uma família de grandes músicos tradicionais, aprendeu cedo a tocar o Erhu, um instrumento da região do Himalaia, além de violino, violoncelo e piano. Anos mais tarde, é condecorado com a medalha francesa da Ordre des Arts et des Lettres. Autor de músicas de filmes conhecidos, Guo Gan faz parcerias com cantores de jazz e continua promovendo a música tradicional de seu país.

Huong Thanh – Nascida em Saigon em uma família de músicos tradicionais do Vietnã, aprendeu cedo a arte do Cai Luong e do canto. Intérprete e compositora, em 1995, inicia-se no jazz e canta com artistas europeus e asiáticos. Em 2007, recebe o prêmio Musiques du Monde da Radio France. Estabelecida na Europa, está finalizando um novo álbum de jazz, e continua trabalhando o canto tradicional de suas origens.

Jairo Reis e Marcus Biancardini – Formam o Dois de Cordas. Originários do centro do Brasil, de tradição rural, ambos talentosos e virtuosos, criam som diferenciado, exploram ritmos novos ou melodias inesquecíveis da música brasileira e de repertório internacional. Reconhecidos mundialmente, tocam a viola como uma orquestra, reproduzindo sons da harpa, balalaica, bandolim, cravo e canto de pássaros.

Jean Lamoot – É atualmente um dos maiores diretores musicais da França. Com um talento sem igual, ele sabe como se apropriar de uma canção para valorizá-la. Nascido em Paris, passou 10 anos na África onde afinou seu gosto por ritmos internacionais. Ele também é baixista e integrante do grupo Rivière Noire, formado com Orlando Morais e ganhador do prestigioso prêmio francês Victoires de la Musique, em 2015.

Kassé Mady Diabaté – Sua voz é um monumento nacional do Mali. Em 35 anos de carreira, o cantor criou um diálogo entre a música tradicional e a música atual contemporânea do seu país, criando um laço afetivo precioso e forte com o seu público. Reconhecido internacionalmente, participou de vários festivais e colaborou com artistas africanos e europeus em diversos álbuns.

Kuku – Descendente de uma família da dinastia Balogun, Kuku é um cantor-compositor que construiu pontes entre as suas culturas ocidental e africana. Após três álbuns lançados nos Estados Unidos, lançou Soldier of Peace, aclamado pela crítica, e considerado o Bob Dylan africano. Em 2014, participa de músicas do álbum de Tom Allen. Seu último álbum, Ballads & Blasphemy foi lançado na França, em 2015.

Monarco – É o nome artístico do carioca Hildemar Diniz, 66 anos de idade e 50 de samba. É um dos cantores e compositores mais respeitados de sua geração. Presidente da escola de samba Portela, no Rio de Janeiro, tem composições cantadas por grandes nomes, tais como Martinho da Vila, Paulinho da Viola e Zeca Pagodinho. Sua linha melódica dolente é prato cheio para expor o belo registro vocal grave que possui.

Moussa Koita – Nascido em Burkina Faso numa família de griots e músicos, é cantor e compositor frequente no underground parisiense. Produz uma música de sonoridades tradicionais do oeste africano, passando pelo reggae, o soul e ainda o folk. Desde sua chegada à Paris, acompanha grupos de influências variadas como: Rivière Noire, Abou Diarra, Pep’s, Simon Winsé, Mad Lenoir, etc.

Sérgio Procópio – É um cantor, compositor, cavaquinhista e dirigente de Carnaval brasileiro. Membro da Velha Guarda da Portela desde o falecimento de seu pai, Osmar do Cavaco, participou diversas vezes de eliminatórias de samba enredo internas da escola de samba. Em 2013, foi eleito à presidência da Portela. Velha Guarda da Portela – É um grupo brasileiro de samba idealizado por Paulinho da Viola, em 1970, reunindo os membros mais antigos da escola de samba Portela. O grupo foi reunido inicialmente para a gravação do disco “Portela Passado de Glória”, em 1970. E sua formação atual conta, dentre outros, com o Mestre Monarco, D. Áurea Martins e Sérgio Procópio. Seu presidente atual é o Mestre Monarco.

SOBRE A “AUDAZ FILMES”:

Seja em formato ficção ou documental, o nosso objetivo é uma experiência inspiradora e filosófica, sempre criando diálogos e educando, através dessas vivências olhadas por uma tela. Dentre as nossas produções destaca-se o filme ORLAMUNDO, premiado como melhor documentário de longa-metragem no LAIFFA – Los Angeles Film Festival 2019, e que também tem sua pré-estreia internacional no 21º Festival du Cinéma Brésilien de Paris e sua pré-estreia nacional no 47º Festival de Gramado, de onde parte para turnê de exibição internacional em diversos festivais na América e Europa.

SOBRE A “O2 PLAY”:

A O2 Play é dirigida por Igor Kupstas sob a tutela de Paulo Morelli, sócio da O2 Filmes, e faz parte do grupo O2, que tem como sócios também o cineasta Fernando Meirelles e a produtora Andrea Barata Ribeiro. Em atividade desde 2013, a O2 Play se diferencia das demais distribuidoras por trabalhar além do cinema, TV e vendas internacionais, o VOD (Video on Demand), como uma distribuidora digital.

💬
ACESSE E DIVULGUE NOSSA PÁGINA DE FINANCIAMENTO COLETIVO DA REVISTA E SITE AQUI TEM DIVERSÃO 👇
Anterior Porto Verão Alegre,🎭espetáculos online pelo ShowIn
Próximo João Gilberto,🎤Wave foi a mais tocada nos últimos anos