Ópera no clima do Halloween


Loucura e amor proibido em ópera no clima do Halloween. Ópera Jovem traz nova versão de Lucia di Lammermoor para os palcos da capital

Algumas histórias de amor se tornam atemporais. Envolvem e emocionam as pessoas para além do tempo. Pensando nisto e em resgatar um pouco do romantismo trágico do século 19, o diretor e cantor Jean Nardoto vai estrear em Brasília a clássica ópera Lucia di Lammermoor.

A obra do italiano Gaetano Donizetti será retomada com o mesmo tom da versão original que estrou em 1835, em Nápoles, na Itália. Jean vai mostrar, sem papas na língua, o lado obscuro, trágico, o amor e a loucura da densa personagem Lucia na repaginada versão Lucia di Lammermoor – As Bodas de Sangue. Não à toa, o espetáculo será apresentado no mês de Halloween.

A ópera estará em cartaz nos dias 20, 21, 22 e 23 de outubro (quinta, sexta, sábado e domingo), sempre às 19h, na sala Plínio Marcos do Complexo Cultural Funarte (Eixo Monumental).
Um ambiente sombrio, com poucas luzes. O cenário, um hospício. Fumaças. Para dar ainda um colorido rebuscado a ópera, uma orquestra de 18 músicos regida pelo maestro Felipe Ayala. É neste clima que será retratado o amor impossível de Lucia di Lammermoor e Edgardo de Ravenswood, ambos de famílias inimigas.

A história original se passa na Escócia e é baseada no romance “The Bride of Lammermoor” (A Noiva de Lammermoor), do escocês Walter Scott.

A ópera vai revelar, em três atos, as brigas entre as famílias de Lucia e Edgardo, enamorados que fazem de tudo para ficar juntos. A loucura da protagonista mediante este amor impossível será bem ambientada no cenário de um hospício, com macas e os tradicionais e invasivos métodos psiquiátricos que procuravam tratar supostos distúrbios.

Entre amor, ódio e alucinações, terá ainda uma conclusão inédita criada pelo diretor Jean Nardoto. “Escrevi um novo final. Mas quero reviver e manter o clássico com a densidade do século 19. Afinal, várias remontagens o tornaram mais leve. Vou preservar o trágico e estender a loucura de Lucia. Mas não será um terror, é uma história de suspense”, explica Nardoto.

Para embalar o romance proibido, o diretor vai valer-se também de figurinos chocantes. Uma alternância entre os trajes específicos de um hospício – camisas de força, jalecos brancos – e modernas roupas escocesas.

A ópera será ainda cantada em italiano e falada em português. A plateia poderá acompanhar a produção por meio de legendas no nosso idioma, recurso também para garantir a acessibilidade para o público deficiente auditivo.

“A ideia é aproximar a plateia. Embora seja um clássico que vai manter o trágico, procuramos trazer a linguagem de ópera para perto dos espectadores. E a brincadeira de mesclar o italiano e português vai acentuar a esquizofrenia de Lucia”, declara Jean.

Dando vida a Lucia, as atrizes Livia Bergo e Gabriela Ramos vão se revezar nos tablados. Na pele do protagonista Edgardo, o diretor Jean Nardoto vai compor o elenco, que contará com seis personagens. Todos, cantores e atores.

O espetáculo Lucia di Lammermoor – As Bodas de Sangue é uma realização da Secretaria de Cultura do Distrito Federal com patrocínio do FAC – Fundo de Apoio à Cultura e Secretaria de Cultura do Distrito Federal. O evento contará também com duas apresentações gratuitas e fechadas para escolas da rede pública do DF.

Sobre Lucia di Lammermoor

Lucia di Lammermoor é uma ópera que se passa em três atos e que retrata o romance proibido de Lucia di Lammermoor e Edgardo de Ravenswood, no século 19. Por serem de famílias inimigas, estes fiéis apaixonados são proibidos de viver um grande amor.

Enrico, irmão da protagonista, e Arturo Bucklaw , seu noivo prometido, descobrem que Edgardo anda se encontrando às escondidas com Lucia. Inimigo mortal da família Ravenswood, Enrico di Lammermoor trava então uma busca atrás do amante da irmã.

Paralelamente, Lucia tem várias alucinações e conta a serviçal Alisa que viu o fantasma de uma menina assassinada por um possesso ancestral da família Ravenswood, a mesma de Edgardo. Alisa começa a ter um mau pressentimento e faz de tudo para manter Lucia afastada do moço.

Em uma missão política, Edgardo vai à França para tentar selar paz com o irmão da amada. Antes da viagem, no entanto, os apaixonados trocam alianças de compromisso.
Mas o destino dos amantes toma outro rumo. Lucia é enganada pelo irmão, que forja uma carta e a convence que Edgardo a esqueceu. Prometida a Arturo Bucklaw, Lucia se casa a contragosto. O amante, no entanto, chega ao seu casamento e rompe com Lucia. Entre loucuras, ódio, traições e alucinações, o romance acaba com um triste final.

Sobre o diretor Jean Nardoto

Natural de Brasília, Jean Nardoto formou-se em canto pela UnB e é mestre em performance vocal pela University of Wyoming, universidade famosa no estado de Wyoming, nos Estados Unidos. O artista brasiliense foi o primeiro brasileiro a ganhar bolsa para doutorado em audição eletrônica nos últimos 100 anos na University of Illinois, uma das cinco melhores dos EUA. Por lá, ele estreou no mundo da ópera com La Traviata, de Giuseppe Verdi. Jean conta ainda com um vasto currículo por se apresentar em várias óperas e espetáculos pelo Brasil e pelo mundo afora. O artista multifacetado, de 37 anos, desde os quatro anos tem trilhado um caminho artístico rico e diversificado. Hoje, além de cantar, Nardoto leciona, coreografa, canta, atua e dirige vários espetáculos, além de abrir porta para artistas de sua casa, Brasília.

Sobre o Ópera Jovem

O projeto Ópera Jovem, criado por Jean Nardoto, nasceu da necessidade de reinvenção do gênero operístico para que o mesmo acompanhasse o mundo moderno. Elenco jovem, conceitos jovens, e uma linguagem que atrai os já tradicionais e os novos amantes da ópera. Apesar de jamais descartar a validade do teatro de época, o projetoÓpera Jovem procura o contexto mais adequado à essência da narrativa e a identificação do público. Por isto, muitas das produções são relacionadas a tempos e lugares diferentes, mais contemporâneos e acessíveis à compreensão da plateia. Não à toa, os recitativos cantados são trocados por textos.

Elenco

Lucia – Livia Bergo / Gabriela Ramos
Edgardo – Jean Nardoto
Enrico – Hermógenes Correia
Raimondo – Daniel Bastos
Alisa – Caroline Araujo
Arturo – Daniel Menezes

Serviço

Lucia di Lammermoor – As Bodas de Sangue
Dias 20, 21, 22 e 23 de outubro (quinta, sexta, sábado e domingo), no Teatro Plínio Marcos – Complexo Cultural Funarte (Eixo Monumental)
Horário: 19h
Ingressos: R$ 10 (meia-entrada)
Telefone para informações: 3322-2076 / 98658-4485
Não recomendado para menores de 14 anos

Anterior Gama recebe edição do Re-Circo
Próximo Horizontes da Arte na América Latina e Caribe