Obras inéditas de Patrícia Claro


Artista multimídia chilena traz para Brasília exposição inspirada nas possibilidades pictóricas da água, obras inéditas de Patrícia Claro entram em cartaz no Museu Nacional em 22 de março, quando é comemorado o Dia Mundial da Água, um dos grandes atrativos da mostra é a sua montagem que utiliza tecnologia de ponta

No momento em que o país busca superar uma avassaladora crise hídrica, a exposição Formas d’Água – Integração Por Dispersão, da artista chilena Patrícia Claro, aproveita o Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março, para homenagear um dos nossos bens naturais mais preciosos. A mostra fica em cartaz no Museu Nacional entre 22 de março a 24 de abril, com entrada franca.

O evento é uma concepção e realização da Plano Cultural (SP), com curadoria de Rafael Raddi, sob o patrocínio do CAF – Banco de Fomento da América Latina e com apoio da Fundação Vanzolini.

Além de Brasília, Formas d’Água passará também por Campinas (SP), Campo Grande (MS) e Belém (PA). Em 2017, segue para o Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP), Campina Grande (PB), Florianópolis (SC) e Foz de Iguaçu (PR). Em cada uma das estações por onde passa, a exposição ganha um viés curatorial diferente e Patrícia aproveita para realizar uma residência artística.

Em Brasília, o tema é Integração por Dispersão e aqui ela pretende visitar, além de arquivos e instituições, as paisagens nas regiões de Olhos D’água, Chapada dos Veadeiros e na Serra dos Pirineus, sempre acompanhada pelos órganismos responsáveis por essas áreas.

Na Capital Federal, a exposição tem um contexto especial. A princípio a inspiração é a célebre Missão Cruls. Integrar vem pelo fato da capital ser um lugar que aglutina diversos povos e cultura. Já a dispersão, nos remete às águas, objeto chave da exposição, uma vez que é no Distrito Federal onde está localizada a Estação Ecológica de Águas Emendadas, cujo fenômeno hidrográfico de dispersão de águas para lados opostos forma a Bacia do Tocantins-Araguaia e a Bacia Platina, que abastecem diversos lugares no Brasil.

Multimídia, a artista trabalha com pintura, fotografia, gravura e videoinstalações. Ela viu no reflexo produzido na água uma fonte infinita de imagens e transformou isso em arte. Patrícia utiliza meios digitais para um processo pictórico em óleo sobre tela, onde os detalhes essenciais recebem aporte digital para atingir o efeito de reflexo. Ela também utiliza vídeos e outras linguagens para mostrar as possibilidades artísticas da água. Algumas das obras ganham força com a música experimental do músico chileno Max Zegers, com vasta experiência como compositor de trilhas sonoras.

A montagem, aliás, é um dos atrativos da exposição Formas d’Água. Recursos tecnológicos de ponta permitirão aos visitantes uma maior integração com as ideias da artista, além de ampliar a acessibilidade às informações e meios que ajudaram a configurar o evento. Os dados sobre as obras – tais como descrição, técnica, local onde foi concebida e realizada, materiais, motivações da artista – poderão ser acessados por meio de QR-Code (código de barras bidimensional) utilizando smart-phones.
A exposição busca um paralelo com os diversos significados que a água adquiriu ao longo da história da arte. Há momentos, em que transmite a vitalidade e juventude da renascença pictórica. Outras vezes, traz o ritmo barroco, a intensa forma de expressar do romantismo ou promove um jogo visual como na arte impressionista.

Com um trabalho que tende ao abstrato, a artista discute a problemática ecológica e também as artes visuais como indústria, por meio da Economia Criativa. Patrícia Claro aproveita a oportunidade de exibir suas obras no Brasil, país com maior concentração de água no mundo, para refletir sobre a diversidade de biomas em cada região onde irá expor.

A exposição Formas D’água prevê, ainda, um projeto pedagógico para escolas públicas e privadas do DF. O objetivo é trabalhar de forma lúdica com jogos e brincadeiras inspiradas na obra e nas ideias da artista. O programa educativo incluirá crianças e jovens com necessidades especiais. Além dos objetivos educacionais, o projeto pretende, também, estimular os estudantes a deixar os registros de suas sensações na exposição.
Sobre a artista

Nascida em Santiago (Chile), em 1960, Patrícia Claro estudou Desenho e Licenciatura em Artes e Design na Universidade Católica. Suas obras já foram expostas em diversas galerias e mostras ao redor do mundo, como Chile, Estados Unidos, China, Bélgica, entre outros países. Saiba mais sobre a artista no site: http://www.patriciaclaro.com

Serviço

Exposição Formas D’Água – obras da artista chilena Patrícia Claro
De 23 de março a 24 de abril
Museu Nacional do Conjunto Cultural da República
Conjunto Cultural
Esplanada dos Ministérios
Horários: terça a domingo, das 9h às 18h30.
Telefone para informações: 3324-0559
Classificação indicativa: Livre
Informações para a imprensa:
Panorama Assessoria
Ulisses de Freitas (61) 8126-6445

Anterior Paula Toller e Frejat no NET Live
Próximo Semana Santa com muito sabor