A ópera “O Imperador de Atlântida ou a recusa da Morte em matar”, composta por Viktor Ullmann, é uma obra que sobreviveu ao holocausto: destino diferente do seu autor, que foi executado em uma câmara de gás de Auschwitz em 1944

Escrita dentro do campo de concentração de Theresienstadt, a ópera “O Imperador de Atlântida ou a recusa da Morte em matar” faz uma crítica ao regime nazista alemão da segunda guerra e se insere em um contexto histórico recente e atual, utilizando a música como instrumento para promover reflexão sobre a violência e discriminação.

Um dos pontos fortes da ópera também revela os abusos causados por Hitler, principalmente o genocídio do povo judeu, dos negros e dos homossexuais.

No enredo, a Morte se confronta com o ‘Imperador Sobretodos’, que acredita ter o poder de criar e destruir ilimitadamente. Porém, a Morte se recusa a trabalhar para ele, negando ao mesmo e à humanidade o direito ao descanso eterno, congelando o tempo em uma era de dor e sofrimento até que o próprio Imperador aceite ser o primeiro ser humano a morrer e restabelecer o curso natural das coisas.

A ópera teve sua estreia brasiliense em 2014 e nesta nova temporada recebe uma versão em português que irá circular pelo Plano Piloto, Ceilândia e Gama. A montagem conta com o barítono brasileiro radicado na Alemanha Marlon Maia como o ‘Imperador’ e o baixo alemão Tobias Hagge como a ‘Morte’. A Orquestra de Câmara estará sob a regência do maestro Gustavo Koberstein e a direção de cena é de Francisco Frias.

A exposição

A exposição que acompanha a ópera ‘O Imperador de Atlântida’, busca homenagear pessoas que se dedicaram de diferentes formas a amenizar a crueldade vivida durante os horrores do Regime Nazista. Entre os homenageados estão Anita Lasker-Wallfisch, Irena Sendler, Oskar Schindler, Sir. Nicholas Winton e Viktor Ulmann, autor da ópera.

A exposição reflete uma percepção que testa os limites entre resistência e cooperação no exercício do pensar, chamando a atenção do público para a responsabilidade que temos na criação, alteração e manutenção do mundo em que vivemos, por meio de ações individuais e coletivas.

Ao enfatizar que em 2018, debater questões como o preconceito racial, liberdade de gênero e intolerância política são fundamentais para que possamos formar uma sociedade igualitária, embasada no respeito às diferenças, e fazer reparações históricas imprescindíveis.

A exposição ficará disponível para visitação durante a semana em que a ópera estiver sendo apresentada nos respectivos locais dos teatros. O projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.

Exposição ‘O Imperador de Atlântida’
Exposição ‘O Imperador de Atlântida’ | Foto: Divulgação

Serviço

Dias 15 e 16 de setembro
Teatro da Escola de Música de Brasília
SGA/Sul Quadra 602 Bloco D Parte A
19h – Entrada: R$20 (inteira)

Dias 22 e 23 de setembro
Teatro Newton Rossi,
Centro de Atividades SESC Ceilândia
QNN 27 Área Especial Lote B
19h – Entrada franca

Dias 29 e 30 de setembro
Teatro Paulo Gracindo, SESC Gama
SIND QI 1 – Pte. Alta Norte – Gama
19h – Entrada franca

Anterior “Quilombo da Liberdade, raízes” circula em escolas do DF
Próximo Programação de cinema do Shopping Sul de 13 a 19/9