O filme NOMADLAND chega aos cinemas do Brasil, um comovente retrato panorâmico do espírito nômade americano, escrito e dirigido por Chloé Zhao e estrelado pela atriz Frances McDormand.

O filme estreia na semana em que foi premiado em três das principias categorias do Oscar® – Melhor Filme, Melhor Direção (Chloé Zhao) e Melhor Atriz (Frances McDormand). No circuito internacional de premiações o filme também se destacou, levando o Leão de Ouro no Festival de Veneza 2020 e, neste ano, foram dois Globos de Ouro (Melhor Filme Dramático e Melhor Diretor) e quatro BAFTAs (Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atriz Principal e Melhor Direção de Fotografia).

A história de NOMADLAND gira em torno de Fern (McDormand), que após o colapso econômico de uma colônia industrial na zona rural de Nevada, junta suas coisas em uma van e parte em uma viagem de exploração, fora da sociedade convencional e como uma nômade da era moderna.

O filme lança luz sobre um fenômeno atual que, em tempos de mudança e redefinição, ressoa mais do que nunca e convida à reflexão sobre temas tão diversos como a cultura moderna, a liberdade, o espírito de comunidade, a transformação do sonho americano e muito mais.

NOMADES DA ERA MODERNA

Quem são os nômades da era moderna que o filme retrata? São homens e mulheres mais velhos, de classe média e operária que, por vários motivos, renunciam à ideia de uma casa fixa, percorrendo o país em vans, trailers ou ônibus adaptados. Vão em busca de empregos sazonais e encontros transitórios, conectando-se temporariamente com aqueles que cruzam seu caminho. Com histórias de vida tão difíceis quanto diversas, os nômades carregam consigo as marcas de seu passado e muitos encontram no caminho uma forma de curar, reparar e transformar.

REALIDADE E FICÇÃO

Baseado no livro “Nomadland: Sobrevivendo à América no Século 21”, de Jessica Bruder, NOMADLAND, o filme, foi desde o início um projeto de cruzamento constante entre realidade e ficção. Para Zhao, esse foi o caminho certo para entrar no coração da comunidade nômade, articulando as performances de McDormand e David Strathairn, que interpreta Dave, com representantes reais da comunidade nômade. McDormand diz, sobre seu trabalho e o de Zhao: “Nosso processo em NOMADLAND foi um desafio para nós duas, porque estávamos trabalhando com um híbrido de não profissionais da comunidade nômade, e David Strathairn e eu como profissionais, interpretando nossos personagens. No entanto, Chloé e Josh, nosso diretor de fotografia, passaram um tempo comigo e com David e nossas famílias na pequena cidade em que moramos. Chloé anotou o que observou em nossas vidas, nossa interação como amigos e desenvolveu sua ideia de Fern e Dave a partir desse trabalho. ”

O livro foi o ponto de partida de Zhao para convocar os nômades reais apresentados no filme. Assim, ela procurou Swankie e Linda May, que têm laços profundos com a comunidade nômade e atuam no filme. Os produtores também recorreram ao Home on Wheels, um grupo de suporte de vida nômade sem fins lucrativos, como uma porta de entrada para a comunidade, pois descobriram que ter seu endosso conferia validade e confiabilidade ao projeto para chegar aos nômades. O grupo também recomendou outras pessoas que pudessem participar da história. Assim, os produtores prepararam uma espécie de documento de casting para Zhao, com nomes e fotos de casas móveis, além de curiosidades sobre os nômades. O resultado foi a formação de um “elenco” com vidas e histórias emocionantes que embarca o público em uma jornada ímpar.

REDEFININDO O SONHO AMERICANO

A história de Fern, Dave e os nômades reais trazidos à vida no filme inevitavelmente levanta novas questões sobre a cultura americana atual e o estado do sonho americano como é conhecido. Peter Spears, produtor de NOMADLAND, reflete sobre isso: “Acho que uma promessa foi feita à geração baby boomer. Disseram-lhes que se fizessem isso e aquilo, tudo funcionaria perfeitamente quando se aposentassem. É claro que isso não aconteceu e não vai acontecer. A rede de segurança foi rasgada e agora muitos estão caindo.”. Spears continua, “esta situação se encaixa na tradição do individualismo americano duro. Muitas dessas pessoas que são forçadas a este tipo de vida estão descobrindo uma independência, uma nova identidade. Amarrado exclusivamente a eles pela primeira vez em suas vidas. Acho que é inspirador e complicado, é claro, da mesma forma que a cultura americana é complicada e tem tantas camadas agora. ”

As próprias palavras dos nômades ecoam as reflexões de Spears. Linda May, por exemplo, descreve sua vida na estrada: “As pessoas que conheci na estrada são pessoas com quem eu nunca teria me relacionado por causa de nosso trabalho, estilo de vida e onde moramos. Nossos caminhos foram muito diferentes mas, quando se cruzaram, a camaradagem, o apoio, a compaixão pelo outro, apareceram imediatamente. Uma amizade que levaria anos para ser cultivada nasceu tão rapidamente por causa do nosso vínculo comum, o do estilo de vida nômade. ”

Bob Wells, por sua vez, confessa: “Ele era um sem-teto que morava em uma van. Foi uma época muito, muito ruim da minha vida. E então algo estranho aconteceu enquanto eu resolvia os problemas e encontrava todas as soluções: me apaixonei pela estrada, pela liberdade. Já tinha feito tudo o que a sociedade exige: arranjar emprego, casar, ter filhos, comprar uma casa … e nunca fui feliz. E aqui eu fiz exatamente o oposto do que a sociedade me disse para fazer, e fiquei feliz pela primeira vez. Isso me fez questionar tudo. ”

Swankie, por fim, sintetiza o espírito nômade por excelência com suas palavras: “Não estou vivendo uma aventura, nem procuro paisagens, nem faço viagens para depois voltar para casa. Minha casa não está em um lugar. Sou nômade há mais de uma década e não me cansei. Tudo o que tenho é o que carrego comigo. Não preciso voltar a lugar nenhum para procurar nada. Ser nômade é uma decisão, não uma circunstância ”.

NOMADLAND estreia nos cinemas em 29 de abril.

SINOPSE

Após o colapso econômico de uma colônia industrial na zona rural de Nevada (EUA), Fern (Frances McDormand) reúne suas coisas em uma van e parte rumo a uma viagem exploratória, fora da sociedade dominante, como uma nômade dos tempos modernos. NOMADLAND, o terceiro filme de Chloé Zhao, apresenta nômades reais como Linda May, Swankie e Bob Wells como mentores e companheiros de Fern em sua jornada de exploração pela vasta paisagem do oeste americano.

Chloé Zhao (Songs My Brothers Taught Me, The Rider) é a diretora de NOMADLAND, um filme baseado no livro de Jessica Bruder “NOMADLAND: Surviving America In The Twenty-First Century”, estrelado por Frances McDormand (Fargo, Três Anúncios para um Crime), David Strathairn (Boa noite e boa sorte, Lincoln), Linda May e Swankie. Os produtores são Mollye Asher (Songs My Brothers Taught Me, The Rider), Dan Janvey (A Wonderful Girl, Dog Heart) e Peter Spears (Call Me By Your Name). O diretor de fotografia é Joshua James Richards (Songs My Brothers Taught Me, The Rider).

CLIQUE ABAIXO E ACESSE + CONTEÚDOS SOBRE 👇
  #MÚSICA   #TEATRO&DANÇA   #GASTRONOMIANODF   #RECEITAS  
#ARTESVISUAIS   #FILMES   #SÉRIES   #TVABERTA&ASSINADA
 #LITERATURA   #TURISMO   #EVENTOS

SIGA E CURTA AS NOSSAS REDES SOCIAIS
  FACEBOOK/DIVERSAOAQUITEM   INSTAGRAM/DIVERSAOAQUITEM
TWITTER/DIVERSAOAQUITEM

Anterior Egito Antigo, exposição retoma visitas presenciais no CCBB
Próximo Lucas Rezende faz show com estreia online dia 1º de maio