Música, artesanato e sustentabilidade


Som de Papel celebra o Dia do Cerrado no Recanto das Emas. Show integra a Circulação Sonoridades Orgânicas, apresentando a mistura entre música brasileira, artesanato e sustentabilidade ambiental.

A quinta edição da circulação Som de Papel – Sonoridades Orgânicas se apresenta na véspera do Dia do Cerrado, encerrando o núcleo da Virada do Cerrado do Recanto das Emas, organizada pelo Coletivo Reflexo das Ruas. O show acontece no sábado, dia 10 de setembro, a partir das 17h, no Céu das Artes do Recanto das Emas, tendo como convidado especial o cantor e guitarrista Dillo Daraújo.

Som de Papel é um projeto nascido no Mercado Sul de Taguatinga, a partir do encontro entre o percussionista e artesão Juraci Moura com o violonista e compositor Cesar de Paula. A circulação Sonoridades Orgânicas apresenta o resultado dessa união, realizando shows em Taguatinga, Ceilândia e Recanto das Emas, sempre com convidados especiais.

O encontro entre Dillo Daraujo e Som de Papel celebra a talentosa produção musical taguatinguense. Nascido em Brasília, Dillo é compositor e multi-instrumentista. Acaba de lançar seu 4º disco homônimo: Dillo. Músico consagrada na cena da música experimental e contemporânea brasileira, gravou mais três cds: CrocoDilloGang (2004), Mestiço (2008) e Jacaretaguá (2012), trabalho que transitou nas listas dos melhores discos brasileiros de 2012.

A circulação Som de Papel – Sonoridades Orgânicas conta com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). Com a proposta de promover conhecimentos e práticas musicais com consciência ecológica, além dos shows serão realizadas três oficinas com estudantes de escolas públicas, abordando a construção artesanal de instrumentos com resíduos sólidos.

Som de Papel

Som de Papel apresenta dinâmicas sonoras inovadoras, envolvendo música, artesanato e consciência ambiental. O encontro entre Juraci MOura e César de Paula cria caminhos múltiplos, onde composições autorais e o violão rítmico de César de Paula se complementam com a sonoridade dos inovadores instrumentos percussivos criados por Juraci Moura, a partir da reutilização de resíduos sólidos.

O trabalho reelabora composições autorais dos álbuns “Sambeat” e “Labirinto Líquido”, de Cesar de Paula, inspirando novas canções a partir da proposta percussiva e orgânica, percorrendo as heranças culturais afro-brasileiras. São batuques, afoxés, sambas, fortalecidos com a formação da banda que conta com Betão Nascimento, no baixo; Nega Layza, na percussão; e Raildo Ratho, na flauta, efeitos e sax.

Percussão consciente

Como artesão/luthier, Juraci Moura utiliza sacos de cimento, papelão, barricas e tampinhas de garrafa para criar pandeiros, zabumbas, baterias, alfaias e caixas de timbal. Esses instrumentos, utilizados pela banda, possuem sonoridade orgânica de qualidade e ainda carregam o compromisso pela vida, onde peles de animais – tradicionalmente utilizados para instrumentos percussivos – são substituídas por sacos de cimento tratados em um processo inovador.

Serviço

Circulação Som de Papel – Céu das Artes do Recanto das Emas
Data: Sábado, 10 de setembro de 2016
Hora: 17h
Entrada: Franca
Classificação: Livre

Anterior ESPAÇO IMAGINÁRIO CULTURAL
Próximo Musical aborda lendas brasileiras