A 2ª mostra “Mulheres Mágicas: Reinvenções da bruxa no cinema” retorna ao CCBB Brasília, explorando o fascínio e a transformação dessa figura cinematográfica

A 2ª mostra Mulheres Mágicas: Reinvenções da bruxa no cinema retorna ao CCBB Brasília entre os dias 26 de março e 21 de abril de 2024. A nova edição do bem-sucedido projeto investiga como a figura da bruxa foi construída ao longo da história do cinema.

A curadoria de Carla Italiano, Juliana Gusman e Tatiana Mitre mergulha nessa personagem tão popular e complexa com filmes de várias épocas, países e modos de realização. São diferentes formas de representação dos corpos e saberes femininos em imagem.

As curadoras selecionaram obras bastante diversas que foram divididas em dois eixos: o primeiro revisita o imaginário clássico das bruxas, enquanto o segundo apresenta suas reinvenções contemporâneas, com destaque para trabalhos de cineastas mulheres e perspectivas feministas, anticoloniais e do Sul Global. As exibições acompanham catálogo, debates e uma oficina gratuita.

A programação vai exibir 27 filmes de diferentes períodos e gêneros, entre ficção, documentário, experimental e performance. São títulos da Alemanha, França, Japão, México, Nigéria, Reino Unido, Rússia, Estados Unidos, Brasil e outros. “Mais do que selecionar quais filmes exibir, um dos principais desafios da programação foi escolher quais deixar de fora. Foram muitas as produções importantes que abordaram a personagem da bruxa, e apresentamos aqui uma amostragem significativa, que não se pretende completa, de suas formas e contextos de realização”, revelam as curadoras.

No primeiro eixo da mostra, intitulado Lado A – “A bruxa através dos tempos: imagens clássicas”, são apresentados os principais tropos que formam os arquétipos das bruxas no cinema, às vezes tomadas como símbolos de sedução, outras, como encarnações da monstruosidade. Para além das abordagens da comédia romântica e do horror, também se destacam obras que exploram os processos históricos de caça às bruxas.

Já no Lado B – “Bruxas contemporâneas: corpos indomáveis, saberes ancestrais”, há os contrapontos de reinvenção dessa figura engendrados, sobretudo, por cineastas mulheres – a programação traz nomes importantes do cinema feminista como Su Friedrich, Ulrike Ottinger, Zeinabu irene Davis e Céline Sciamma. Este eixo se volta para sujeitos que encarnam o perigo dos tempos em produções realizadas especialmente nas últimas três décadas, que expandem a ideia de mulheres mágicas.

Sobre a Mostra “Mulheres Mágicas – Reinvenções da bruxa no cinema”:

A primeira edição da Mostra Mulheres Mágicas foi realizada em 2022, em formato híbrido, no Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília (9-20 de março | 27 de março), São Paulo (11-28 de março) e Rio de Janeiro (13 de abril – 9 de maio). As exibições presenciais acompanharam um ciclo de sete debates temáticos gratuitos e quatro sessões comentadas, disponibilizados no canal Youtube, com importantes convidadas(os) nacionais e internacionais. A mostra também contou com uma masterclass ministrada pela historiadora italiana Silvia Federici, cujo trabalho inspirou a sua criação. Todas essas atividades resultaram na criação de um catálogo, que reuniu artigos e ensaios que abraçaram e adensaram as discussões suscitadas pelos filmes.

Debates e Oficina:

A 2ª Mostra Mulheres Mágicas: Reinvenções da bruxa no cinema vai realizar debates temáticos presenciais com convidadas de relevância nacional e internacional. O CCBB Brasília vai receber dois debates, um deles em uma sessão infantil.

No dia 26 de março (terça), às 19h, acontece a sessão de abertura com a exibição do filme “A bruxa”, de Robert Eggers, seguida da apresentação de Carla Italiano, curadora da mostra.

Em 06 de abril (sábado), às 17h30, ocorre a exibição de “Medusa”, de Anita Rocha da Silveira, com debate com a professora Mariana Souto, da Universidade de Brasília, com mediação da curadora Juliana Gusman.

Em 13 de abril (sábado), às 14h, acontece a Oficina “Filmem a bruxa! A tradição do mal feminino no cinema de horror”, ministrada por Gabriela Müller Larocca, com tradução em LIBRAS. A oficina temática é gratuita, com inscrições prévias, cujas informações serão divulgadas através do site e das redes sociais Facebook, Instagram e Twitter @mostramulheresmagicas.

No dia 18 de abril (quinta), às 14h30, é a vez da sessão infantil, com exibição de “A fada do repolho”, da cineasta pioneira Alice Guy, e do clássico “A Branca de Neve e os Sete Anões”. Seguido de debate com a presença de Tatiana Mitre.

Também no dia 18 de abril, às 19h, será exibida “Medusa”, de Anita Rocha da Silveira com tradução em LIBRAS.

Sobre Mariana Souto:

Mariana Souto é professora da UnB. Realizou dois pós-doutorados (bolsas FAPESP e Capes) na ECA-USP, sob supervisão de Ismail Xavier. Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais, com prêmio de Melhor Tese na área de Comunicação e Informação (2017). Mestre pela UFMG. Foi professora substituta da UFMG, professora da PUC-MG e da UNA. Foi curadora do Janela Internacional de cinema de Recife, do Festival Internacional de Curtas de BH, da mostra Corpo e cinema (Caixa cultural) e do Cineclube Comum. Diretora de arte de Quintal (André Novais, exibido em Cannes e premiado em diversos festivais) entre vários outros filmes. Integrou os grupos de pesquisa História e Audiovisual (coordenado por Eduardo Morettin) e Poéticas da Experiência (coordenado por César Guimarães e André Brasil). Autora do livro Infiltrados e invasores – uma perspectiva comparada sobre relações de classe no cinema brasileiro (2019).

Sobre Gabriela Larocca:

Gabriela Larocca é historiadora, pesquisadora de cinema de horror, produtora de conteúdo, tradutora e podcaster. Doutora em História pela Universidade Federal do Paraná com pesquisa sobre a tradição do Mal Feminino e da mulher-bruxa em filmes de horror da década de 1960. Especialista em representação feminina, bruxaria e uso do gênero cinematográfico de horror como fonte histórica. É autora da dissertação de mestrado “O Corpo Feminino no Cinema de Horror: Gênero e Sexualidade nos filmes Carrie, Halloween e Sexta-Feira 13 (1970 – 1980)” e da tese “Do Malleus Maleficarum ao cinema de horror: a tradição do Mal feminino e da mulher-bruxa em filmes da década de 1960”. Integra a equipe do site e podcast República do Medo.

Sobre as curadoras:

Carla Italiano atua como pesquisadora e curadora, sendo doutoranda em Comunicação Social pela UFMG. Integra anualmente a equipe de programação dos festivais: Olhar de Cinema de Curitiba e FENDA – Festival Experimental de Artes Fílmicas, e a organização geral do forumdoc.bh – Festival do Filme Documentário e Etnográfico de Belo Horizonte. Foi curadora de diversas mostras, incluindo: “El Camino – Cinema de viagem da América do Sul” (CCBB, 2023) e “Retrospectiva Helena Solberg” (CCBB, 2018), dentre várias outras, além do seminário 3º Na Real Virtual sobre documentário brasileiro. Foi uma das organizadoras do dossiê “Cinema e Escritas de Si” da Revista Devires – Cinema e Humanidades (FAFICH-UFMG).

Juliana Gusman é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA-USP, onde pesquisa imagens da prostituição na cultura audiovisual. É membro dos grupos de pesquisa MidiAto (ECA-USP), Poéticas Femininas, Políticas Feministas (UFMG) e Mídia e Narrativa (PUC Minas). Atua como professora assistente da PUC Minas, nos cursos de Publicidade e Propaganda, Jornalismo e Cinema e Audiovisual. É colaboradora da Plataforma de streaming Cardume Curtas. Como crítica de cinema, escreve para diversos veículos e portais especializados e para catálogos de mostras e festivais.

Tatiana Mitre graduou-se em Cinema e Vídeo pelo Centro Universitário UNA (2008) e pela Escola Internacional de Cinema e TV (EICTV) de San Antonio de los Baños – Cuba, na especialização de produção (2013). Pós-graduada em História da Cultura e da Arte pela UFMG (2009) e pesquisadora convidada pelo Departamento de cinema da Faculty of Fine Arts Concordia University – Montreal, Canadá (2015). Cineasta e produtora, se destaca pelo compromisso com o cinema autoral, produção de mostras temáticas e pela articulação de co-produções internacionais. Em paralelo, atua como produtora executiva junto a diversas produtoras do estado de MG. Sua dedicação à diversidade cultural e ao diálogo intercultural se reflete tanto em suas produções quanto em sua busca por narrativas que desafiam as fronteiras culturais e dialoguem com audiências globais.

Confira a programação diária completa:

26 de mar̤o РTer̤a

19h ABERTURA
A bruxa, de Robert Eggers (2015, 92 min, EUA) | 14 anos
*Apresentação da mostra pela curadora Carla Italiano

27 de mar̤o РQuarta

19h
Yaaba, de Idrissa Ouédraogo (1989, 90 min, Burkina Faso) | 12 anos

28 de mar̤o РQuinta

19h O espelho da bruxa, de Chano Urueta (1962, 75min, México) | 14 anos

29 de mar̤o РSexta

18h Viy – O espírito do mal, de Konstantin Yershov e Georgi Kropachyov (1967, 77 min, Rússia) | 14 anos
19h45 Retrato de uma jovem em chamas, de Céline Sciamma (2019, 121 min, França) | 14 anos

30 de março – Sábado

17h30 A Paixão de Joana D’arc, de Carl Theodor Dreyer (1928, 82 min, França) | 12 anos
19h30 Curtas-metragens 1 | 16 anos
A mãe do rio, de Zeinabu irene Davis (1995, 28 min, EUA)
Abjetas 288, de Júlia da Costa, Renata Mourão (2020, 21 min, Brasil)
Para sempre condenadas, de Su Friedrich (1987, 41 min, EUA)

31 de mar̤o РDomingo

17h30 Casei-me com uma feiticeira, de René Clair (1942, 76 min, EUA) | 12 anos

2 de abril РTer̤a

19h A filha de Satã, de Sidney Hayers (1962, 90min, Reino Unido) | 14 anos

3 de abril – Quarta

19h Curtas-metragens 2 | 16 anos
Wil-o-Wisp, de Rachel Rose (2018, 10 min, EUA)
Simpósio Preto, de Katia Sepúlveda (2022, 26 min, Rep. Dominicana / Alemanha)
República do Mangue, de Julia Chacur, Mateus S. Duarte, Priscila Serejo (2020, 8 min, Brasil)
Cosas de Mujeres, de Rosa Martha Ferández (1978, 45 min, México)

4 de abril – Quinta

19h As feiticeiras de Salém, de Raymond Rouleau (1957, 157 min, França) | 14 anos

5 de abril – Sexta

18h O espelho da bruxa, de Chano Urueta (1962, 75min, México) | 14 anos
20h A Praga, de José Mojica Marins (2021, 70 min, Brasil) | 16 anos

6 de abril – Sábado

15h20 INFANTIL (dublado) | 10 anos
A fada do repolho, de Alice Guy (1896/1900, 1 min, França)
Malévola, de Robert Stromberg (2014, 97 min, EUA)
17h30 Medusa, de Anita Rocha da Silveira (2023, 128 min, Brasil) | 16 anos
*Seguido de debate com prof. Mariana Souto com mediação da curadora Juliana Gusman

7 de abril – Domingo

17h30 Curtas-metragens 3 | 14 anos
Rami Rami Kirani, de Lira Mawapai HuniKuin e Luciana Tira HuniKuin (2024, 34 min, Brasil)
Resiliência Tlacuache, de Naomi Rincón Gallardo (2019, 16 min, México)
Laocoonte e seus filhos, de Ulrike Ottinger e Tabea Blumeschein (1973, 45 min, Alemanha)
19h30 Mami Wata, de C. J. ‘Fiery’ Obasi (2022, 107 min, Nigéria) | 14 anos

9 de abril РTer̤a

19h Viy – O espírito do mal, de Konstantin Yershov e Georgi Kropachyov (1967, 77 min, Rússia) | 14 anos

10 de abril – Quarta

19h Casei-me com uma feiticeira, de René Clair (1942, 76 min, EUA) | 12 anos
11 de abril – Quinta
19h Curtas-metragens 1 | 16 anos
A mãe do rio, de Zeinabu irene Davis (1995, 28 min, EUA)
Abjetas 288, de Júlia da Costa, Renata Mourão (2020, 21 min, Brasil)
Para sempre condenadas, de Su Friedrich (1987, 41 min, EUA)

12 de abril – Sexta

18h Curtas-metragens 2 | 16 anos
Wil-o-Wisp, de Rachel Rose (2018, 10 min, EUA)
Simpósio Preto, de Katia Sepúlveda (2022, 26 min, Rep. Dominicana / Alemanha)
República do Mangue, de Julia Chacur, Mateus S. Duarte, Priscila Serejo (2020, 8 min, Brasil)
Cosas de Mujeres, de Rosa Martha Ferández (1978, 45 min, México)
20h Yaaba, de Idrissa Ouédraogo (1989, 90 min, Burkina Faso) | 12 anos

13 de abril – Sábado

14h Oficina gratuita
“Filmem a bruxa! A tradição do mal feminino no cinema de horror”, com Gabriela Muller Larocca [LIBRAS] | 12 anos
*Inscrições no site e redes sociais da mostra
18h30 A filha de Satã, de Sidney Hayers (1962, 90min, Reino Unido) | 14 anos

14 de abril – Domingo

17h15 Orlando, minha biografia política, de Paul B. Preciado (2022, 98 min, França) | 14 anos
19h30 A bruxa, de Robert Eggers (2015, 92 min, EUA) | 14 anos

16 de abril РTer̤a

19h Retrato de uma jovem em chamas, de Céline Sciamma (2019, 121 min, França) | 14 anos

17 de abril – Quarta

19h As feiticeiras de Salém, de Raymond Rouleau (1957, 157 min, França) | 14 anos

18 de abril – Quinta

14h30 INFANTIL (dublado) | Livre

A fada do repolho, de Alice Guy (1896/1900, 1 min, França)
Branca de neve e os sete anões (1937, 83 min, EUA)
*Seguido de debate com Tatiana Mitre

19h Medusa, de Anita Rocha da Silveira (2023, 128 min, Brasil) | 16 anos
[LIBRAS]

19 de abril – Sexta

18h A paixão de Joana D’arc, de Carl Theodor Dreyer (1928, 82 min, França) | 12 anos
20h Curtas-metragens 3 | 14 anos
Rami Rami Kirani, de Lira Mawapai HuniKuin e Luciana Tira HuniKuin (2024, 34 min, Brasil)
Resiliência Tlacuache, de Naomi Rincón Gallardo (2019, 16 min, México)
Laocoonte e seus filhos, de Ulrike Ottinger e Tabea Blumeschein (1973, 45 min, Alemanha)

20 de abril – Sábado

16h30 SESSÃO AO AR LIVRE Gratuita
O serviço de entregas da Kiki, de Hayao Miyazaki (1989, 103 min, Japão) | Livre
20h A Praga, de José Mojica Marins (2021, 70 min, Brasil) | 16 anos

21 de abril – Domingo

16h30 SESSÃO AO AR LIVRE Gratuita
Branca de neve e os sete anões (1937, 83 min) | Livre

ATIVIDADES FORMATIVAS

26 de mar̤o РTer̤a

19h A bruxa (2015, 92 min) | 14 anos
*Abertura da mostra com apresentação da curadora Carla Italiano

6 de abril – Sábado

17h30 Medusa (2023, 128 min)
*Seguida de debate com a prof. Mariana Souto com mediação da curadora Juliana Gusman

13 de abril – Sábado

14h Oficina gratuita: “Filmem a bruxa! A tradição do mal feminino no cinema de horror”, com a pesquisadora Gabriela Larocca [LIBRAS]
*Inscrições prévias. Informações no site e redes sociais

18 de abril – Quinta

14h30 Sessão infantil gratuita:
A fada do repolho (1896/1900, 1 min), Branca de neve e os sete anões (1937, 83 min) [LIBRAS]
*Seguida de debate com a coordenadora Tatiana Mitre

Ficha Técnica:

Patrocínio: Banco do Brasil
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
Produção: Amarillo Produções Audiovisuais
Coordenação geral: Carla Italiano e Tatiana Mitre
Curadoria: Carla Italiano, Juliana Gusman e Tatiana Mitre
Produtora executiva: Tatiana Mitre
Coordenação de produção: Layla Braz
Produção de cópias: Alexandra Duarte
Design gráfico: Ana C. Bahia
Produção local: Daniela Marinho
Assessoria de imprensa: Renato Acha

Site e Redes Sociais:

Site: www.mulheresmágicas.com
Instagram: @mostramulheresmagicas/ https://www.instagram.com/mostramulheresmagicas/
Facebook: @mostramulheresmagicas / https://www.facebook.com/mostramulheresmagicas
Twitter: @mostramulheresmagicas
Canal YouTube Mostra Mulheres Mágicas: https://www.youtube.com/channel/UCLyLzFaBcGSLHC-p8FAV1rg

Serviço:

2ª Mostra “Mulheres Mágicas – Reinvenções da bruxa no cinema”
27 filmes em 19 programas temáticos
Data: De 26 de março a 21 de abril de 2024
Local: Cine CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil Brasília (Setor de Clubes Sul – Trecho 2)
Ingressos: R$10 inteira / R$5 meia
Ingressos: Disponíveis na bilheteria física ou em bb.com.br/cultura, a partir das 09:00 do dia da sessão
Capacidade: 70 lugares.

Para as mesas redondas, os ingressos serão disponibilizados 1 hora antes do início, apenas na bilheteria física. Para a masterclass, inscrição prévia, mais informações em www.instagram.com/mostramulheresmagicas/

CCBB Brasília

Aberto de terça a domingo, das 9h às 21h
SCES Trecho 2 Lt. 22 – Brasília/DF Tel.: (61) 3108-7600
E-mail: [email protected]