Cantor, compositor e instrumentista Moraes Moreira faz show intimista e conversa com a plateia. Apresentação regada a música e prosa vai revelar um pouco sobre a convivência de João Gilberto com os Novos Baianos

Nos idos da década de 1970, depois de se mudarem para o Rio de Janeiro, integrantes do grupo Novos Baianos se tornaram amigos daquele que é considerado o pai da Bossa Nova. O encontro dos baianos – que eram uma espécie de símbolo da contracultura no Brasil – com o cantor, compositor e instrumentista também baiano João Gilberto – conhecido pela discrição – foi transformador.

Um pouco dessa história o público vai poder conhecer na terça-feira, dia 19 de novembro, no pocket show que o grande Moraes Moreira vai fazer dentro da programação do VI FESTIVAL INTERNACIONAL CINEMA TRANSCENDÊNCIA. O encontro com o cantor, compositor e instrumentista baiano está marcado para começar às 19h30, no Dome especialmente criado para o FESTIVAL, no Centro Cultural Banco do Brasil Brasília. A entrada é franca, mas está sujeita à lotação do espaço.

O show intimista de voz e violão de Moraes Moreira acontece no âmbito da homenagem que o FESTIVAL está prestando a João Gilberto nesta sexta edição – a programação do dia 19 está especialmente dedicada ao grande artista. Mas o festival inclui ainda a exibição de dois filmes que têm autor da antológica ‘Chega de Saudade’ como tema. E a música de João Gilberto vai também embalar uma aula de yoga especial.

Um dos maiores símbolos da contracultura no Brasil, o grupo Novos Baianos deixou um legado comportamental e provocou uma guinada na música popular brasileira, pós-Tropicália, com músicas de inspiração psicodélica. Nos idos da década de 1970, Moraes Moreira, Baby do Brasil, Pepeu Gomes, Luiz Galvão e cia apostavam na vida em comunidade, dividindo um apartamento no Rio de Janeiro.

Foi neste momento que eles conheceram e passaram a conviver com João Gilberto, também baiano e amigo de Galvão. Dessa convivência, incorporaram diferentes gêneros musicais às composições, como bossa nova, frevo, baião, choro, afoxé, batucada, ijexá e frevo elétrico. A mescla de música brasileira com guitarra elétrica e rock é aprofundada e, apesar de não serem os primeiros a misturar o rock com o samba, foi sobre isso que os Novos Baianos construíram sua obra.

Moraes Moreira foi o principal compositor dos Novos Baianos, que após anos de separação recentemente voltaram a se reunir. O artista fez parte do grupo de 1969 a 1975, para depois se dedicar à carreira solo. Seu mais recente álbum, Ser tão, foi lançado em 2018.

O VI FESTIVAL INTERNACIONAL CINEMA TRANSCENDÊNCIA tem curadoria do cineasta e músico André Luiz Oliveira e da produtora e diretora Carina Bini e vai exibir 20 filmes de longa-metragem e promover atividades formativas relacionadas ao cinema e à cultura com o objetivo de ampliar as formas de sentir e criar, despertando outras maneiras de fazer e ver filmes. A programação inclui oficinas, vivências, clínicas de roteiro, masters class e painéis onde a troca de experiência proporciona a reflexão e o aprendizado.

DIA 19 (TERÇA)

14h30 – DOME – Sessão Cinema: Raul: O início, o fim e o meio
17h – DOME – Sessão Cinema: Onde está você: João Gilberto
19h30 – DOME – POCKET SHOW: MORAES MOREIRA – voz, violão e prosa
20h30 – DOME – Sessão Cinema: Os Filhos de João – O Admirável Mundo Novo Baiano

Serviço

Local: Centro Cultural Banco do Brasil Brasília
Data: 12 a 22 de novembro de 2019
Horário consulte a programação
ENTRADA FRANCA

Mais informações: www.festivalcinemaetranscendencia.com

Anterior (Sandy) Alex G lança novo clipe para “In My Arms”
Próximo Moderno ônibus simulador do Brasil é um sucesso no DF