Mirian Goldemberger em Diálogos Contemporâneos


Mirian Goldemberger
Mirian Goldemberger | Foto: Divulgação

Escritora Mirian Goldemberger abordará afetividade, solidão e depressão nas metrópoles. Esta é a última palestra do projeto que trouxe para Brasília  intelectuais para discutir o futuro do país

Ao longo de três meses, o projeto Diálogos Contemporâneos trouxe para Brasília intelectuais e filósofos brasileiros para palestras gratuitas no Museu Nacional e na Universidade de Brasília (UnB), atingindo um público presencial de mais de 6 mil pessoas e ultrapassando a marca de 30 mil espectadores pelas transmissões ao vivo online. Nesta terça (12), o projeto encerra a temporada com a antropóloga Mirian Goldemberger, que debaterá o tema “O Espaço do Amor e da Afetividade nas Grandes Cidades”, no Museu Nacional, às 19h. Entrada franca.

Como lidar da solidão e da depressão nas metrópoles? Como vencer as barreiras que o stress, as redes sociais, a violência e o medo causam e dificultam a criação de laços afetivos na sociedade contemporânea? Mirian colocará em pauta os grandes índices de pessoas que vivem solitárias e as doenças de ordem psiquiátrica que colocam o país como um dos maiores consumidores de psicotrópicos do mundo.

Mirian Goldemberger é doutora em Antropologia Social, professora de pós-graduação da UFRJ ecolunista do Jornal Folha de São Paulo. É pesquisadora e autora de diversos livros sobre gênero, corpo, conhecimento, afetividade, envelhecimento, sexualidade e novas conjugalidades na cultura. É autora de “Homem Não Chora, Mulher Não Ri” e “Novos Desejos”, entre outros.

DIÁLOGOS CONTEMPORÂNEOS

O que esperar do Brasil do futuro? Quais os obstáculos para se criar um país mais inclusivo, que respeite as diferenças e onde todos tenham acesso à educação de qualidade? Como lidar com a solidão nas grandes cidades e frear o avanço da depressão na população brasileira?

Entre 13 de março e 12 de junho de 2018, por meio de uma série de dez conferências, os Diálogos Contemporâneos debateu essas e outras questões que envolvem a complexidade, os problemas e a diversidade do Brasil atual. O evento foi realizado Museu Nacional de Brasília e, também, na Universidade de Brasília (UnB), sempre com entrada é franca.

A proposta do projeto Diálogos Contemporâneos é despertar o pensamento crítico sobre o país e levar o público a refletir sobre o país dentro de seu contexto histórico, social, político e cultural. Para isso, foram convidados intelectuais, artistas e especialistas em diversas áreas para palestras com uma hora de duração, seguidas de debates com o público presente. “A cultura é o reflexo daquilo que nossa sociedade construiu, desde a violência que assola o país, até as nossas criações artísticas e cientificas. Os tempos de crise exigem diálogos para planilhar novos caminhos”, afirma Nilson Rodrigues, idealizador e diretor geral da iniciativa.

Após a realização, as palestras ficarão disponíveis no site para ampliar o alcance da diversidade de pensamentos proposta pelo programa e democratizar o acesso da população em geral a debates sobre temas que afetam diretamente a vida individualmente e, principalmente, em sociedade. Diálogos Contemporâneos aconteceu simultaneamente em Campo Grande (MS), onde serão promovidas oito conferências.

DIÁLOGOS CONTEMPORÂNEOS – IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO

DIA 12 DE JUNHO (TERÇA-FEIRA)
ÀS 19H, NO MUSEU NACIONAL DA REPÚBLICA

ENTRADA FRANCA

A programação completa e outras informações: www.dialogoscontemporaneos.com

Anterior Contê recebe "Duetos de Amor" com o casal de músicos dia 12
Próximo Agenda Cultural do La Rubia Café de 12 a 16 de junho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *