“Memórias Oleiras”


Projeto desenvolvido em São Sebastião recupera parte da história de Brasília. “Memórias Oleiras” promove o resgate de fotos, arquivos públicos e depoimentos de pioneiros da cidade responsável por fabricar tijolos e peças de cerâmica para a construção da Capital Federal

São Sebastião é uma região administrativa do Distrito Federal que guarda parte da história de Brasília. Nas olarias da cidade, pioneiros fabricaram tijolos e peças de cerâmica utilizadas na construção dos prédios da Capital Federal. Além disso, o território está inserido na história da ocupação centro-oeste há 10 mil anos, conforme contam estudos publicados no livro “O Caminho do Anhanguera” do historiador Gustavo Chauvet.

Para que esse passado da cidade não fique perdido, foi criado o projeto “Memórias Oleiras”. O objetivo é resgatar fotos, arquivos públicos e depoimentos das pessoas mais velhas, alguns chegaram antes mesmo do nascimento de Brasília, na década de 1950, e contribuíram para formação do DF. Nesse sentido, os agentes culturais atuam como “guardiões da memória”.

A equipe formada por pesquisadores, fotógrafos e cinegrafistas já iniciou o processo de coleta dos materiais e dos relatos. São priorizados os moradores mais antigos da cidade. O poeta e comunicador social Edvair Ribeiro dos Santos, 55, um idealizadores do projeto reforça a importância da iniciativa. “A nossa cidade foi construída a muitas mãos. Preservar essa memória histórica e as recordações de personagens, na maioria anônimos, e que se diluíram com o adensamento da cidade é o nosso propósito”.

Além disso, o resgate da memória é também um ato de cidadania, ressalta o ativista cultural Paulo Dagomé, 52. “A análise histórica e a preservação do conhecimento e do patrimônio cultural é importante para o exercício da cidadania. É preciso que a comunidade perceba o valor e o significado das experiências e vivências compartilhadas. Cada indivíduo participa, mesmo que de forma indireta, do processo cultural e político da coletividade”.

Esse projeto tem o apoio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Distrito Federal. É possível acompanhar o processo de produção pelo Facebook, na página “Memórias Oleiras” (www.facebook.com/Memoriasoleiras). O resultado vai compor um museu virtual e também um livro, que deve ser lançado neste ano.

HISTÓRIA São Sebastião só passou a ser reconhecida como região administrativa no dia 25 de junho de 1993. O nome da cidade é uma homenagem a um dos primeiros comerciantes locais, conhecido como Tião Areia. Neste, a R.A vai completar 24 anos e já abriga mais de 100 mil habitantes, de acordo com a Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). Mais da metade, 53,84%, são imigrantes vindos principalmente da Bahia, do Maranhão e de Minas Gerais.

Anterior Paulinho Mocidade no BarHops
Próximo Happy AJE no restaurante Nikkei