Medeia, tragédia Grega de Eurípedes (datada de 431 a.C.), conta a estória de uma mulher carregada de amor e ódio a um só tempo. Esposa repudiada e estrangeira perseguida, ela se rebela contra o mundo que a rodeia, rejeitando o conformismo tradicional da época.

A tragédia é amplamente conhecida como um texto protofeminista, na medida em que explora as desvantagens de ser mulher em uma sociedade patriarcal. Portanto, é considerada por pesquisadores como a primeira peça feminista, na qual, num mundo dominado por homens, prevalece a decisão de uma mulher sobre a sua própria vida.

Na montagem, o diretor e dramaturgo James Fensterseifer, condensou personagens e, para enfatizar a luta de Medeia contra o patriarcado, deixou-a como a única personagem feminina do texto. Desta forma, os atores Marcos Davi e Felix Saab se desdobram nos personagens masculinos (Jasão, Preceptor, Creonte, Egeu e Mensageiro), circulando em torno de uma Medeia acuada e raivosa, interpretada por Ana Paula Braga.

Com 20 anos de experiência, a Cia. Brasilienses de Teatro tem se destacado por levar obras da literatura clássica para o palco. Entre outros, a Cia. já montou Macbeth, Otelo e Conto de Inverno, de William Shakespeare; Uma Criatura Dócil, de Fiódor Dostoiévski; A Hora da Estrela, de Clarice Lispector; e a trilogia Os Nossos Antepassados, de Ítalo Calvino. Medeia, de Eurípides, é mais uma de suas incursões por estes importantes textos clássicos.

MEDEIA – A NETA DO SOL

Medeia (de Eurípedes 431 a.C.), conta a estória de uma mulher estrangeira que, abandonada pelo marido e rejeitada da pátria que lhe serviu de exílio, revida vingando-se de forma visceral. Considerada a primeira peça feminista, o diretor e dramaturgo James Fensterseifer (Cia. Brasilienses de Teatro), condensou personagens, levando os atores Marcos Davi e Felix Saab a se desdobrarem nos papeis masculinos que rodeiam uma Medeia acuada e rancorosa, interpretada por Ana Paula Braga.

A peça começa com Medeia enraivecida com seu esposo Jasão por ele ter assumido novo compromisso matrimonial com Glauce, filha do rei Creonte.

O rei, antecipando a ira de Medeia, revela a ela sua decisão de mandá-la, junto com seus filhos, para o exílio imediatamente. Medeia implora o adiamento da expulsão por um dia, convencendo-o.

Com pouco tempo disponível, Medeia trama um rápido plano de vingança contra Jasão, Creonte e sua filha, decidindo por envenenar alguns presentes para a nova noiva e enviá-los pelos filhos, sob o pretexto de um pedido para que estes não sejam exilados.

Glauce recebe os presentes dos filhos de Jasão e é envenenada; Creonte, tentando acudir a filha desfalecida é contaminado pelo veneno e morre junto com a filha. Os filhos fogem para casa da mãe.

Jasão, preocupado com o destino dos filhos (portadores dos presentes envenenados), vai atrás de Medeia e descobre que ela os matou e que levará seus corpos com ela para o exílio, sem permitir que o pai os vejam.

Em sua fuga, Medeia recebe ajuda do Sol, seu avô, e confronta Jasão, regozijando-se, apesar de todo o sofrimento devido à perda dos filhos, com sua dor de pai.

Serviço

Medeia – A Neta do Sol
Dramaturgia e direção: James Fensterseifer
Elenco: Ana Paula Braga, Felix Saab e Marcos Davi.
Figurino e maquiagem: Marcus Barozzi
Trilha Sonora: Marcello Linhos
Produção: Cia. Brasilienses de Teatro
Coordenação de Produção: Marina Olivier (98422-7194)

Espaço Cultural Renato Russo – 508 Sul (98602-0732)
De 07 a 16 de Fevereiro de 2020
Sextas e Sábados, 20h e Domingos, 19h.

Ingressos: 40,00 e 20,00 (meia)
Classificação Indicativa: 14 Anos

Anterior Juliana Arv e Milkee lançam "Sapeca" nas plataformas
Próximo Três fanfarras animam o bloco Charretinha + Tropicaos