Lua Brasileira, espetáculo muito aguardado pelo duo de vozes masculinas, Leonel Laterza e Tico de Moraes, fará homenagem à Fatima Guedes. A obra desafiadora e rica desta grande compositora brasileira, que descreve a mulher como ninguém, preencherá uma noite melódica e harmônica, no dia 25 de setembro, terça-feira, às 21 horas, no Clube do Choro de Brasília.

Cantora de Festivais, amiga de Elis, uma “chorona” ao seu modo. Conhece a mulher como ninguém, não a mulher porque mulher nasce com estrogênio e traços perfeitos, não a mulher com “beleza fundamental” de Vinícius que não perdoava as feias, não a mulher passional de Chico, mas a mulher do João (que desapareceu), a mulher que vive na favela, a mulher que se usa, a mulher que sente e que dá a nota, mas nem sempre percebe o recibo. A mulher de Fátima Guedes é a mulher de carne e osso em várias versões -, nem sempre movida por paixões, mas de vida como ela é. Tico de Moraes afirma que ela mergulha no universo feminino de maneira completa, sem lacunas, inteira. “Descreve de forma bonita todas elas, a jovem, a simples, a prostituta”, disse.

Fátima compõe desde muito jovem e com um jeito e singularidade, próprios dela. E nunca parou. Até os dias atuais, ela continua colocando lenha na fogueira e acendendo a lareira dos corações em letras simples, inteligentes e carregadas de emoção -, mais uma prova de que ela é uma das maiores compositoras brasileiras. Ela canta também, o que é mais incrível ainda, pois segundo Leonel, ela compõe a música triste (que geralmente é em tom menor) em tom maior. “É uma obra desafiadora e rica para qualquer intérprete”.

Ela escreve sobre a força e a felicidade e as coloca como sócias majoritárias da vida, ela escreve sobre o amor de maneira antagônica (aquele que dá paz com uma mão, mas que a tira com a outra), compara e personifica -, cria vida para uma flor, uma estrela ou uma faca. E num paradoxo pleno, real, atual, condenado, ela prova que amar não é fácil, que felicidade é temporária, mas que ao tomar as rédeas da vida, pode-se ir embora com o mundo nas mãos.

No repertório, destacam-se algumas músicas que “rasgam” o coração, preenchem a alma, ensinam e provam que beleza existe. “Mais uma boca”, por exemplo, que concorreu no Festival MPB/Shell, conta da mulher do João, que trouxe ao mundo o filho num barracão. João sumiu, mas a dor maior, “preocupa não”, o futuro é que vai dar. “Flor de ir embora” é aquela flor de sentimento, “que se alimenta do que a gente chora” e “amadurece aos poucos” a partida.

Outras canções que farão parte do show Lua Brasileira e poderiam até ser catalogadas nos gêneros “a fila anda, o amor ensina, mas dói, e há jeito para tudo”, destaca-se “Tanto que aprendi de amor” em que ela escreve de maneira antagônica; “Condenados” e pessoas que vivem com suas metades incompletas e “Faca”, lindíssima letra -, uma alusão a um amante frio, uma estrela incomunicável, que não se deixa chegar perto.

Serviço

Clube do Choro apresenta: Lua Brasileira, uma homenagem à Fátima Guedes
Com Tico de Moraes: voz e guitarra, Leonel Laterza: voz, Alexander Raichenok: Sax, Filipe Togawa: piano e Misael Barros: bateria
Dia 25 de setembro, terça-feira, às 21h
Clube do Choro de Brasília
Entrada: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00* (meia – mediante doação de 1kg de alimento não perecível)
Classificação etária: 14 anos

Anterior Bob’s lança Supreme Artesanal no Distrito Federal com 2 por 1
Próximo Mostra Filmes da DEFA – O cinema na Alemanha Oriental