Uma história comovente em Los Lobos sobre dois irmãos que precisam crescer prematuramente para entender as motivações de sua mãe

Dirigido por Samuel Kishi Leopo, LOS LOBOS estreou no cinemas brasileiros nesta quinta-feira (16), nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e Belo Horizonte. O filme teve sua premiére mundial na mostra Geração do Festival de Berlim, onde conquistou o Grande Prêmio do Júri Internacional para Melhor Filme. No Brasil foi exibido no 9o Festival Olhar de Cinema de Curitiba, onde também recebeu a premiação de Melhor Filme da mostra.

LOS LOBOS é inspirado na história de vida do próprio diretor, e acompanha a história dos irmãos Maxy e Leo, que junto com sua mãe Lúcia, cruzam a fronteira do México com os Estados Unidos em busca de uma vida melhor. “Quando eu tinha cinco anos, minha mãe deixou meu pai e levou eu e meu irmão de três anos para os EUA. Cruzamos a fronteira com visto de turistas ao declarar que íamos para a Disneylândia. Minha mãe não tinha nenhum emprego, não falava inglês e não tínhamos um lugar seguro para morar. Ao viajar às pressas nossas posses eram apenas algumas roupas, alguns brinquedos e um gravador de fitas.”, conta o diretor Samuel Kishi Leopo.

Assim, como na vida real, Lúcia encontra um lugar para ficar, de acordo com o pouco dinheiro que tem, e ainda precisa sair para trabalhar e assim deixar as duas crianças sozinhas no pequeno apartamento recém alugado. Utilizando a imaginação como ferramenta para passar o tempo, as crianças criam uma visão do mundo através dos obstáculos da saudade e do tédio que os rodeiam. Enquanto esperam a mãe voltar, pensam na promessa que ela fez sobre ir para a “Disneylândia”.

A nova vizinhança de Maxy e Leo é composta por vários imigrantes, entre eles latinos, chineses, todos na mesma situação que a sua, sinalizando uma imposição de um tipo de vida onde aceitam as atuais conjunturas por falta de melhores caminhos a seguir naquele momento.

“Foi muito importante para mim basear-me nas histórias e vivências da comunidade imigrante de Albuquerque para a produção deste filme. Fiz uma mistura de elementos ficcionais e documentais em LOS LOBOS, e fui compondo caracteres fictícios em locais reais, seus arredores e o multiculturalismo que se construiu para a comunidade de imigrantes.”, diz o diretor Samuel Kishi Leopo.

LOS LOBOS é um singelo retrato sobre uma família imigrante em terras estrangeiras onde não são exatamente bem-vindos e sobre como laços improváveis podem ser feitos quando encontra-se um denominador comum. Como um abraço, o filme mostra o acolhimento entre mãe e filhos que precisam crescer para entender o mundo ao seu redor, e as decisões de uma mãe solo, para fazer com que tenham um futuro melhor do que o seu.

LOS LOBOS, estreia nos cinemas com distribuição da Vitrine Filmes

Sinopse:

Max e Leo, têm 8 e 5 anos, e acabam de imigrar para os Estados Unidos com a mãe. Seus dias passam dentro de um minúsculo apartamento, enquanto esperam sua mãe voltar do trabalho, com a esperança de viajar para a Disney e finalmente conhecer o mundo lá fora. Porém, os meninos terão que crescer prematuramente para entender as motivações de sua mãe.

Ficha Técnica:

LOS LOBOS (The Wolves)
Direção: Samuel Kishi Leopo
Roteiro: Samuel Kishi Leopo, Luis Briones e Sofía Gómez-Córdova
Elenco: Martha Reyes Arias, Maximiliano Nájar Márquez,
Leonardo Nájar Márquez e Cici Lau
Ano: 2019
País: México
Gênero: Drama
Duração: 95 min.

Sobre a Vitrine Filmes

A Vitrine Filmes, em dez anos de atuação, já distribuiu mais de 160 filmes e alcançou mais de quatro milhões de espectadores. Entre seus maiores sucessos estão ‘O Som ao Redor’, ‘Aquarius’ e ‘Bacurau’ de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Outros destaques são ‘A Vida Invisível’, de Karim Aïnouz, representante brasileiro do Oscar 2020, ‘Hoje Eu Quero Voltar Sozinho’, de Daniel Ribeiro, e ‘O Filme da Minha Vida’, de Selton Mello. Entre os documentários, a distribuidora lançou ‘Divinas Divas’, dirigido por Leandra Leal e ‘O Processo’, de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional.

Além do cinema nacional, a Vitrine Filmes vem expandindo o seu catálogo internacional ao longo dos anos, tendo sido responsável pelo lançamento dos sucessos “O Farol”, de Robert Eggers, indicado ao Oscar de Melhor Fotografia; “Você Não Estava Aqui”, dirigido por Ken Loach, e premiado com o Oscar de Melhor Filme Internacional 2021: ‘DRUK – Mais uma rodada’, de Thomas Vinterberg.

Em 2021, a Vitrine Filmes apresenta mais novidades, começando a atuar diretamente na produção audiovisual e também na capacitação de profissionais, com o programa de formação Vitrine Lab. Entre as estreias deste ano estão a Sessão Vitrine edição especial de 10 anos com lançamento coletivo de quatro longas, entre eles “A Torre”, de Sérgio Borges, “Entre Nós, um Segredo”, de Beatriz Seigner e Toumani Kouyaté, “Chão”, de Camila Freitas e “Desvio”, de Arthur Lins; o novo documentário sobre o impeachment da Dilma, “Alvorada”, de Anna Muylaert e Lô Politi; “First Cow”, da diretora Kelly Reichardt; “O Livro dos Prazeres”, de Marcela Lordy e muitos outros títulos.

💬
ACESSE E DIVULGUE NOSSA PÁGINA DE FINANCIAMENTO COLETIVO DA REVISTA E SITE AQUI TEM DIVERSÃO 👇
BOTÃO DE APOIO 👇

Anterior Hora de Naná em conversa com Elias Andreato 👀 online
Próximo MEL canta Rita Lee em Mutante, 🎤 via selo Let’s Gig