Maria Bethânia, Mia Couto, Agualusa e Mingas protagonizam documentário exclusivo do Curta!

Um filme sobre a força da palavra em Moçambique e Angola. Estreia na Quinta do Pensamento, 22, às 21h35, o documentário exclusivo do Curta! “Karingana – Licença para contar”. O longa reúne grandes artistas lusófonos, como a brasileira Maria Bethânia, o angolano José Eduardo Agualusa e os moçambicanos Mia Couto e Mingas para falar sobre a potência e as diversas nuances da literatura nos dois maiores países africanos de língua portuguesa. Acompanhados por especialistas locais, eles comentam o papel da escrita como embate à colonização e a influência de autores brasileiros em Moçambique e Angola. O título da produção já traz a marca da cultura e história locais na literatura. “Karingana” é uma expressão da língua tsonga, falada no sul de Moçambique, utilizada sempre que um poeta ou contador de histórias inicia uma narrativa, como o nosso “era uma vez”. Produzido pela CineGroup, o longa-metragem dirigido por Monica Monteiro, foi financiado pelo Fundo Setorial do Audiovisual (PRODAV 02/2016).

O caráter inventivo do cinema de Edgar Navarro é o tema do episódio inédito da série “A Linguagem do Cinema”, que estreia na Quarta de Cinema, 21, às 21h05. O programa traz as experimentações técnicas e artísticas do cineasta em filmes super-8, formato que usou desde o começo da carreira e elegeu como o preferido para realizar suas experiências cinematográficas. A ousadia lhe rendeu diversos prêmios. Em 1989, seu média-metragem “Superoutro” levou os prêmios de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator no Festival de Gramado e foi selecionado para os festivais de Havana, Tróia, Nova York e Helsinque. Já em 2005, o primeiro longa de Navarro, “Eu Me Lembro”, foi o vencedor nas principais categorias do Festival de Brasília, incluindo a de Melhor Filme. Dirigido por Geraldo Sarno, “A Linguagem do Cinema” é uma coletânea de dez títulos que investiga o processo criativo de importantes realizadores e técnicos do cinema nacional, incluindo Lúcia Murat, Cacá Diegues, Rosemberg Cariri Eryk Rocha, Cao Guimarães, Luiz Carlos Barreto, entre outros.

Também na Quarta, só que um pouco mais cedo, às 19h, é a vez de um episódio inédito da série “Mobilis”, que nessa semana analisa o principal meio de locomoção do Brasil: o ônibus. A produção analisa por que essa é a opção de transporte de 87% dos brasileiros e, ao mesmo tempo, investiga os motivos da preocupante queda do número de passageiros nos últimos anos em favor do uso de carros e motos. Ao longo de 13 episódios, a série documental “Mobilis” percorre mais de 900 km em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belém para revelar como os movimentos de ir e vir nos diferentes meios de transporte urbanos apresentam várias formas de ver a cidade. Contando com depoimentos de especialistas, ativistas e cidadão comuns, além de pesquisas realizadas no Brasil e no exterior, a produção propõe uma reflexão sobre a ocupação de espaços públicos e individuais e os cenários ideológicos, sociais, políticos e culturais existentes nos centros urbanos. A série é uma produção da Miração Filmes com financiamento do Fundo Setorial do Audiovisual, o FSA.

Ainda na Quarta de Cinema, às 20h, a faixa “A Vida é Curta!” homenageia personalidades que interpretaram o Brasil no cinema, na charge, na crônica e na música. Para começar, “Mauro, Humberto”, de David Neves, revela a trajetória do cineasta Humberto Mauro, realizador atuante entre 1925 e 1974. Depois, é a vez de “J.Carlos”, de Norma Bengell e Silvio Tendler, que conta a vida do chargista, ilustrador e designer que dá título ao filme, considerado um dos maiores representantes do estilo art déco no design gráfico brasileiro. Encerrando a faixa, “Nelson Cavaquinho”, de Leon Hirszman, conta o cotidiano do sambista. A produção ganhou o prêmio destaque do júri no Festival Brasileiro de Curta-Metragem, em 1971, e foi montada pelo amigo de Hirszman e também cineasta Eduardo Escorel.

A última parte do documentário “O Guia Pervertido da Ideologia”, dirigido por Sohie Fiennes e protagonizado por Slavoj Zizek, será exibida na Quinta do Pensamento, 22, às 23h. A produção recria cenários de filmes clássicos de modo que o filósofo apareça dentro deles propondo teorias surpreendentes sobre longas como “Titanic”, “Tubarão”, “A Noviça Rebelde”, “Laranja Mecânica” e “Taxi driver”. Narrador e apresentador das cenas, Zizek também assina o roteiro do documentário.

Uma experiência musical sem entrevistas ou depoimentos é o que o público vai encontrar no documentário “O Piano que Conversa”, do diretor Marcelo Machado, atração da Segunda da Música, 19, às 22h30. No filme, a música é mais do que objeto, é linguagem e narrativa. Partindo do trabalho do pianista Benjamim Taubkin, a produção mostra o diálogo da música instrumental com diferentes tradições, aproximando a experimental da tradicional, a instrumental da cantada, a nacional da internacional. “O Piano que Conversa” é financiado pelo Fundo Setorial do Audiovisual (PRODAV 01/2013).

SEGUNDA DA MÚSICA

O Piano que Conversa (Documentário)

O Piano que Conversa acompanha os encontros entre do pianista Benjamim Taubkin com diferentes formações e tradições musicais, tanto no Brasil e na Bolívia, como na Coreia do Sul. Narrado apenas por sons, o documentário é uma experiência musical sem entrevistas ou depoimentos.

Diretor: Marcelo Machado
Duração: 77 min.
Exibição: 19 de março, segunda-feira, às 22h30.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 20 de março, terça-feira, às 2h30 e às 16h30;
Dia 21 de março, quarta-feira, às 10h30;
Dia 24 de março, sábado, às 22h30;
Dia 25 de março, domingo, às 10h20.

 https://www.youtube.com/watch?v=h0QqVpbk644

TERÇA DAS ARTES

Bernardes (Documentário)

Com narrativa não linear, o filme aborda de forma contundente e clara a polêmica vida profissional e familiar do arquiteto, urbanista, designer, escritor, poeta e inventor, Sergio Bernardes. Um homem de personalidade afiada e corajosamente inventiva, questionadora e extremamente bem-humorada.

Duração: 85 min
Exibição: 20 de março, terça-feira, às 21h40.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 21 de março, quarta-feira, às 1h40 e às 15h40;
Dia 22 de março, quinta-feira, às 9h40;
Dia 24 de março, sábado, às 16h.

https://www.youtube.com/watch?v=d_A02cBvXAs

QUARTA DE CINEMA

Mobilis (Série) – Ônibus

No Brasil, 87% das pessoas que usam transporte público, usam o ônibus como principal meio de locomoção. Em 2014, foram registradas 382 milhões passagens de ônibus em média por mês, mas no ano seguinte foram 34 milhões a menos, e desde então este número continua caindo.

Estudos mostram que o brasileiro vem sistematicamente trocando o ônibus por outros meios de transporte, principalmente carros e motos, que normalmente tem um custo bem maior, não só financeiro como também ambiental. Isso para indicar que o sistema de ônibus não está agradando. Resta saber o porquê.

Diretores: Tide Gugliano
Duração: 26 min
Estreia: 21 de março, quarta-feira, às 19h.
Classificação: 14 anos.

Horários alternativos

Dia 22 de março, quinta-feira, às 5h e às 13h;
Dia 23 de março, sexta-feira, às 7h;
Dia 24 de março, sábado, às 18h10.

https://www.youtube.com/watch?v=SAFKVunEQRk

“A Vida é Curta!” – “Mauro, Humberto”, “J. Carlos” e “Nelson Cavaquinho”.

A faixa “A Vida é Curta!” traz produções de grandes personalidades brasileiras: “Mauro, Humberto”, “J. Carlos” e “Nelson Cavaquinho”. Para começar, “Mauro, Humberto”, de David Neves, que revela a trajetória de Humberto Mauro pelo cinema. Depois, é a vez de “J.Carlos”, de Norma Bengell e Silvio Tendler, apresentando a vida do chargista, ilustrador e designer que dá título ao filme, considerado um dos maiores representantes do estilo art déco no design gráfico brasileiro. Para finalizar, “Nelson Cavaquinho”, dirigido por diretor Leon Hirszman, mostra o cotidiano do sambista Nelson Cavaquinho. A produção ganhou o prêmio destaque do júri no Festival Brasileiro de Curta-Metragem, em 1971, e foi montada pelo amigo de Hirszman e também cineasta Eduardo Escorel.

Exibição: 21 de março, quarta-feira, às 20h.
Classificação: Livre

Horários alternativos

Dia 22 de março, quinta-feira, às 00h e às 14h;
Dia 23 de março, sexta-feira, às 8h;
Dia 24 de março, sábado, às 13h55.

https://www.youtube.com/watch?v=HoANeP76yk8

A Linguagem do Cinema (Série) – Edgard Navarro

Autor de uma obra radical e incomum, Edgard começou a fazer cinema na década de 1970 desafiando os limites do bom gosto e prolongando as virtudes do chamado cinema marginal com a iconoclastia, pesquisa de linguagem e o compromisso com a invenção artística. Partindo da condição periférica e explorando ícones pop, construiu uma obra singular em que a liberdade do indivíduo se torna seu maior trunfo em meio à mesmice e à banalidade do mundo contemporâneo. Em 1989, dirigiu o média-metragem Superoutro, que levou os prêmios de Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Ator no Festival de Gramado de 1989, além de ter sido selecionado para os festivais deHavana, Tróia, Nova York e Helsinque. Voltou ao cinema em 2005, com o longa Eu me lembro (2005), que ganhou os Candangos de Melhor Filme, Direção, Atriz, Ator coadjuvante, Atriz Coadjuvante e Roteiro.

Diretor: Geraldo Sarno
Duração: 56 min
Estreia: 21 de março, quinta-feira, às 21h05.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 22 de março, sexta-feira, às h05 e às 15h05;
Dia 23 de março, sábado, às 9h05;
Dia 24 de março, segunda-feira, às 18h40;
Dia 25 de março, terça-feira, às 4h30.

QUINTA DO PENSAMENTO

Karingana – Licença para contar (Documentário)

Maria Bethânia leva, pela primeira vez, o seu ensaio poético até Moçambique, no continente africano. A intérprete apresenta trechos de obras conectadas com diferentes formas de expressão em língua portuguesa. Com depoimentos de Mia Couto, José Agualusa e de diversos escritores e críticos literários moçambicanos e angolanos, o documentário apresenta o desenvolvimento da literatura em Moçambique e Angola, tratando de temas como a importância da literatura na resistência à colonização, conexão com os idiomas nativos e as tradições orais e a influência de escritores brasileiros em Angola e Moçambique.

Diretora: Mônica Monteiro
Duração: 45 min
Estreia: 22 de março, quinta-feira, às 21h35.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 23 de março, sexta-feira, às 1h35 e às 15h35;
Dia 24 de março, sábado, às 8h05;
Dia 25 de março, domingo, às 19h05;
Dia 26 de março, segunda-feira, às 9h35.

https://www.youtube.com/watch?v=Tb8Q108lPzQ

O Guia Pervertido da Ideologia – Parte 3 (Documentário)

Os realizadores de “O Guia Pervertido do Cinema” retornam com essa busca por significados escondidos em filmes clássicos. O filósofo Slavoj Zizek usa sua interpretação das imagens em movimento para apresentar uma jornada cinematográfica ao coração da ideologia: os sonhos que formam nossas convicções e costumes coletivos.

Diretora: Sophie Fiennes
Duração: 73 min
Estreia: 22 de março, quinta-feira, às 23h.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 23 de março, sexta-feira, às 3h e às 17h;
Dia 25 de março, domingo, às 00h;
Dia 26 de março, segunda-feira, às 11h.

https://www.youtube.com/watch?v=kluE7D1FgSg

SEXTA DA SOCIEDADE

Em Busca de Iara (Documentário)

Através de uma investigação pessoal de sua sobrinha, Mariana Pamplona, o filme resgata a vida da guerrilheira Iara Iavelberg. Uma mulher que deixou para trás uma confortável vida familiar, optando por engajar-se na luta armada contra a ditadura militar. Vivendo na clandestinidade, na esteira de uma rotina de sequestros e ações armadas, tornou-se a companheira do ex-capitão do exército Carlos Lamarca, compartilhando com ele o posto de um dos alvos mais cobiçados da repressão. O filme desmonta a versão oficial do regime, que atribui sua morte, em 1971, a um suicídio.

Diretor: Flavio Frederico
Duração: 90 min
Exibição: 23 de março, sexta-feira, às 22h15.
Classificação: Livre.

Horários alternativos

Dia 24 de março, sábado, às 2h15 e às 11h20;
Dia 25 de março, domingo, 22h20;
Dia 26 de março, segunda-feira, às 16h15;
Dia 27 de março, terça-feira, às 10h15.

https://www.youtube.com/watch?v=vKwlzNPmOGg

Sobre o Curta

Dedicado às artes, cultura e humanidades, o Curta! é um canal independente que acolhe a experimentação e se orgulha de ser um parceiro dos realizadores, artistas, criadores e produtores independentes. Com o compromisso de transmitir 12 horas por dia de programação nacional independente, os principais segmentos temáticos da programação são música, dança, teatro, artes visuais, metacinema, filosofia, literatura, história-política e sociedade.

O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET, 56 na Claro TV, 76 na Oi TV e como opcional à la carte na Vivo e GVT nos canais 664 (fibra), 132 (DTH – antiga GVT) e 552 (DTH – Vivo). Siga as redes do canal nos endereços:  www.facebook.com/CanalCurta, , twitter.com/CanalCurta e www.youtube.com/user/canalcurta

Anterior A banda Varal Estrela lança single de estreia "Maria"!
Próximo HBO REVELA CURIOSIDADES DOS BASTIDORES DE ‘O NEGÓCIO’