Infecções Sexualmente Transmissívei são mais frequentes durante o Carnaval. A médica Patricya Tavares chama atenção para prevenção e formas de contrair essas doenças

O Carnaval é festa, alegria e diversão garantida. Em todo o país, os foliões costumam aproveitar os dias de festa para sair com os amigos, os crushes e, por vezes, fazer novos ‘contatinhos’. Tudo isso é bom e fica ainda melhor se, numa relação mais íntima, houver consciência e prevenção contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Entre as doenças mais frequentes estão: HPV, sífilis, herpes e AIDS. A incidência de casos aumenta porque há uma mudança de comportamento da sociedade. Para Patricya Tavares, médica da Clínica Longevitá, a população em geral acaba ‘relaxando’ quanto à prevenção, o que cresce os casos de doenças que anteriormente tinham números estáveis, como a sífilis. Patricya também lembra que o número de exames laboratoriais para detecção de ISTs aumenta um pouco depois do carnaval, uma vez que elas se desenvolvem de sete a 15 dias após o contato.

A sífilis é uma das doenças com maior aumento de casos. “A sífilis é causada por uma bactéria e transmitida por uma relação sexual sem camisinha com uma pessoa infectada”, destaca a clínica médica. Dados do Boletim Epidemiológico de Sífilis 2018, divulgado pelo Ministério da Saúde, mostram que a taxa de detecção de sífilis adquirida passou de 14,4 casos em 2012 para 58,1 em 2017 por 100 mil habitantes.

A infecção pelo vírus HIV e casos de aids também aumentaram nos últimos anos, aponta outro boletim epidemiológico. De 2007 até junho de 2018, foram notificados 247.795 casos de infecção. O documento aponta que, entre os homens, observou-se um incremento na taxa de detecção na faixa de 15 a 19 anos, passando de três para sete casos, por 100 mil habitantes, entre 2007 e 2017. A maior taxa em 2017 foi de 50,9 casos entre eles, na faixa de 25 a 29 anos.

A especialista em longevidade lembra que a camisinha é o método mais eficaz para evitar a contração de ISTs. “A camisinha é a única forma que realmente ‘bloqueia’ as doenças, outros métodos como anticoncepcionais e pílula do dia seguinte só impedem a gravidez. Adquirir alguma DST ainda é um risco’’, alerta a médica.

Clínica Longevitá

A Clínica Longevitá é baseada em medicina preventiva e integralista, atendendo o paciente como um todo, em diversas especialidades. O espaço busca o acompanhamento do paciente, desde jovem, passando pela fase adulta, até a melhor idade, para que ele possa envelhecer com saúde. A clínica oferece acompanhamento nas especialidades de clínica médica, psiquiatria, ginecologia, psicologia, cardiologia, nutricionismo e endocrinologia.

Serviço

Carnaval e prevenção: alerta ao aumento de ISTs nessa época
Local: Clínica Longevitá – SHMN Qd. 02 bL.B – Centro Clínico Cléo Octávio salas 206 a 214 – Atrás do HRAN
Telefone: (61) 3256-9702 (61) 98214-3052
Horário: 8h às 18h

Anterior Aprenda uma nova receita para preparar no fim de semana
Próximo Kioskids promove programação infantil neste Carnaval