2ª edição do DF Improvisa Dança promove intercâmbio entre artistas latino-americanos e o público com programação que vai de junho a agosto

Brasília vem se consolidando como um importante polo de vivência da dança. Prova disso é que a capital federal já sediou inúmeros festivais nacionais e internacionais com foco nessa expressão artística. Agora, abre espaço para o DF Improvisa Dança, projeto que chega a sua segunda edição e dá atenção especial à modalidade Contato Improvisação em formato de festival internacional com ações voltadas para o intercâmbio, capacitação, pesquisa e criação de espetáculo no contexto da dança contemporânea na América Latina.

Para isso, o evento propõe a realização de residência artística e atividades artístico-pedagógicas, entre os meses de julho e agosto. A primeira tem como objetivo final a criação e apresentação de espetáculo de Contato Improvisação, a partir de uma pesquisa e investigação colaborativa com professores e bailarinos convidados. São eles Catalina Chouhy (Uruguai), Nico Cottet (Chile); Ricardo Neves (Brasil), Renzo Zavaleta (Peru), Sofia Barriga Monteverde (Equador), Paula Zacharias (Argentina) e o o coletivo Tectônica (DF), composto por Camilo Vacallebre, Carol Barreiro, Patricia Braz, André Kainan, Rosa Schramm, Viviane Rocha. O resultado final desse encontro será duas apresentações de um espetáculo criado a partir dessa experiência, em 28 e 29 de julho, no Teatro Plínio Marcos, Funarte, 20hs – seguidas de conversas com os artistas.

Já a segunda vai promover atividades formativas abertas à comunidade e gratuitas, por meio de oficinas com professores vindos de diferentes regiões da América do Sul. “O projeto possibilita a troca e o compartilhamento dos processos criativos que a dança contemporânea latino-americana, com ênfase no Contato Improvisação, desenvolve nas áreas de pesquisa e criação em performance”, afirmam Carol Barreiro e Viviana Rocha, produtoras e dançarinas do Coletivo Tectônica realizador do festival afirma do DF Improvisa Dança, que tem patrocínio do FAC-DF.

Etapas

Por se tratar de uma proposta bastante abrangente, Janaína Mello, gestora e executora pela Ninja Loka Produção explica que a ideia foi dividir a programação em etapas. A primeira delas consiste em palestras com demonstração técnicas em Brasília, Ceilândia, Planaltina e São Sebastião. “Nelas, os participantes aprendem sobre Contato Improvisação, seus princípios técnicos e sua influência na dança contemporânea”.

Em seguida, de 18 de julho a 5 de agosto, acontecem as oficinas para interessados em dança contemporânea e Contato Improvisação. As inscrições já foram encerradas com um total de 104 inscritos.

“O projeto DF Improvisa Dança surgiu dentro do contexto em que a improvisação na dança necessita de veículos de reconhecimento e difusão como área de conhecimento, comenta Daniela Braga, idealizadora da primeira edição 2012 que trouxe a Capital Federal nomes como: Andrew Harwood (canadá), Nita Little (EUA), Ray Chung (EUA), Guto Mecedo e Soraya Jorge (Brasil).

Acessibilidade

A segunda edição do projeto DF Improvisa Dança contempla a acessibilidade com medidas específicas aos PNE e também devido a sua abordagem particular da linguagem da dança – que através da técnica do Contato Improvisação – permite a criação artística e o desenvolvimento do movimento independente de quaisquer limitações físicas do indivíduo.

De acordo com Viviane Rocha, produtora executiva desde a primeira edição do festival, o foco dessa prática de dança está relacionado à capacidade perceptiva, à atenção ao momento, ao espaço e ao próximo. “A ênfase é dada a expressão singular de cada um, não sendo uma técnica que exige padrões e formas pré-concebidas, celebrando a diversidade e exaltando a potência da ação de cada corpo em movimento”.

Além disso, serão priorizados espaços que tenham planejamento estrutural para acessibilidade de cadeirantes (rampas de acesso, banheiros adaptados, cadeiras e espaços reservados). Também será disponibilizada equipe de apoio para guiá-los espacialmente durante as sessões de improvisação (jam).

Ficha técnica

Artistas e professores convidados: Catalina Chouhy (Uruguai); Nico Cottet (Chile); Ricardo Neves (Brasil); Renzo Zavaleta (Peru); Rosa Schramm (Brasil), Sofia Barriga Monteverde (Equador); e Paula Zacharias (Argentina)
Produção executiva: Carol Barreiro, Janaína Mello, Viviane Rocha
Gestão Executiva: Janaína Mello
Assistente de produção: Viviana Rocha
Dançarinos: André Kainan, Carol Barreiro, Catalina Chouhy, Camillo Vacalebre, Patícia Braz, Renzo Zavaleta, Rosa Schramm, Sofia Barriga Monteverde, Viviana Rocha, Ricardo Neves e Nicolas Cottet.
Orinetação artística: Ricardo Neves e Nicolas Cottet.
Identidade visual: Blue Tape Media

Serviço

Residência Artística
Data: 20 de julho a 27 de julho
Local: Centro de Dança do DF
Para pesquisadores convidados

Jams abertas
Data: entre 20 de julho e 5 de agosto
Local: Centro de Dança do DF
Entrada franca
Duração: 3 horas

Apresentações

Data: 28 e 29 de julho
Local: Teatro Plínio Marcos – Funarte
Hora: 20hs
Ingresso: 10,00 inteira e 5,00 meia – 1 h antes no local
Classificação: 14 anos
Duração: aproximadamente 60 min

Ação Formativa

Oficinas

Data: 01 a 5 de agosto
Local: Centro de Dança do DF
Entrada franca para participantes inscritos

JAMS

19 e 20/07 – Anexo II Museu da República
Hora: 19hs
Endereço:
Entrada franca, por ordem de chegada
30/07 a 05/08 – Centro de dança

Hora: 19hs
Endereço:
Entrada Franca, por ordem de chegada

Anterior A conceituada UP Club ocupa o Clube Ascade no sábado (16)
Próximo Fiesta - 20 anos da Oficina Flamenca no Teatro dos Bancários