Gracia Cantanhede é puro texto, literalmente. Mais envolvida do que nunca com a produção literária, a escritora lançará novo livro no dia 24 de setembro, a partir das 19 horas, no Rubaiyat Brasília. ”Tanto faz se for mentira” ou verdade reúne noventa crônicas escritas ao longo dos anos. Na ocasião, a escritora também brindará os presentes como o livreto de pensamentos Cortina de Contas.

Com mais estas duas obras, Gracia alcança a marca de sete livros publicados. “Já enveredei pelo conto, poesia, crônica, romance e agora dois novos títulos, um de crônicas e outro de pensamentos. Tenho me dedicado cada vez mais a essa paixão correspondida a cada palavra, a cada linha, a cada página, a cada livro. Ainda tenho material de gaveta, e a produção é incessante, mas é preciso respeitar o tempo. Tudo tem a sua hora”, revela a escritora.

Os novos trabalhos de Gracia serão apresentados durante coquetel na varanda do restaurante, que também abrigará exposição da conceituada artista plástica, Antônia Célia.

Lançados pela Tagore Editora, ”Tanto faz se for mentira” ou verdade e Cortina de Contas serão comercializados no local e distribuídos pelas livrarias da cidade e de outros estados. Gracia também é autora de Palavra de Mulher, Jogo de Persona, Mulheres Apaixonadas, Madonna Chegou e Bacia das Almas.

Sobre Gracia Cantanhede

Foi por volta dos 11 anos de idade que Gracia despertou para a literatura. Relembra que o incentivo de uma professora ao ler sua redação em sala de aula reforçou, ainda mais, seu gosto pela escrita e leitura. Já aos 16 anos colaborava com publicações do jornal “A Vanguarda”, de Boa Esperança (MG), cidade onde passou sua adolescência.

Em Brasília, formou-se em Direito e atuou como Procuradora Federal, aprovada em Concurso Público, com a literatura correndo, paralelamente. Além dos dois livros que apresenta agora, Gracia lançou outros cinco: Palavras de Mulher (1994), Jogo de Persona (1997) e Mulheres Apaixonadas (2013), Madonna Chegou e Bacia das Almas ( 2017).

Ao longo dos anos, participou de 19 antologias de contos, crônicas e poesias. Suas crônicas foram publicadas no “Caderno Mulher,” jornal Correio Braziliense, na década de 90, período em que também ganhou um concurso cultural promovido pela editora Abril com o poema Autorretrato.

Na cidade, está sempre envolvida em projetos culturais, e, por duas ocasiões, presidiu a Pró-Arte de Brasília, entidade voltada para a divulgação e incentivo de manifestações artísticas nas mais variadas frentes.

Hoje, tem mais tempo para se dedicar à grande paixão de sua vida. “Não é um hobbie, é minha essência. Um chamamento, uma realização. Vivo em uma casa com mais de vinte e dois mil livros. Ler, para mim, é prazer inigualável”.

Há muitos anos, propôs-se um prazeroso exercício: “Todos os dias escrevo, seja uma crônica, um poema ou um conto, seja lá onde estiver. Tenho mais cinco livros para serem editados, inclusive um livro de contos e um romance. Os outros dois são crônicas”, comenta.

Opiniões de quem leu

“Gracia Cantanhede é uma escritora profícua. Um dos meus prazeres literários recentes foi seu Bacia das Almas. Além disso, publicou títulos como Palavra de Mulher, Jogo de Persona, Mulheres Apaixonadas e Madonna Chegou. Isso sem falar no blog literaturagraciacantanhede.wordpress.com, no qual publica seus textos. ”Tanto faz se for mentira” ou verdade é o livro que reúne crônicas escritas em diferentes períodos de sua vida. Como boa escritora que é, Gracia tem um olhar arguto para retratar os fatos ora risíveis, ora dramáticos que acontecem no Brasil. “Ney, o de sempre” é uma bela homenagem a Ney Matogrosso. Traz o relato da convivência do cantor com o dramaturgo Vicente Pereira, que foi também um dos maiores incentivadores para que Gracia escrevesse. A formação estética da autora aparece nos textos em que discorre ou cita Eduardo Galeano, Jorge Luís Borges, Mário Quintana, Scott Fitzgerald, Woody Allen e tantos outros artistas que deram sua base intelectual. E como ela viveu a maior parte da sua vida em Brasília, há também as crônicas em que exalta a nossa capital federal. Por sinal, temos aí outro aspecto importante de ”Tanto faz se for mentira” ou verdade. Fica visível para o leitor a relação de afeto que a escritora mantém com a cidade. E isso é muito bom.”
Luís Francisco Wasilewski
Pós-doutorando no Programa Avançado de Cultura Contemporânea da UFRJ Doutor em Literatura Brasileira pela USP

“Gostei muito, principalmente, da refinada simplicidade dos livros de Gracia Cantanhede. Isso torna o texto mais acessível e a leitura mais prazerosa. Tanto o ‘Cortina de Contas’ como o ‘TANTO FAZ SE FOR MENTIRA ou verdade’ são livros para não sentir o tempo passar. E alcançam um grande público, porque, na verdade, todos nós podemos nos encontrar um pouco nesses livros. São sentimentos universais.”
Pâmela Oliveira
Leitora

”Tanto faz se for mentira” ou verdade’ é o mais recente trabalho da escritora Gracia Cantanhede, com textos em que a autora segura firme o leme da inspiração. Por um lado, a densidade da realidade e, por outro, a ficção, os sonhos e as excitações dos mistérios da vida. Há um carinho pela tradição, filtrado por uma inteligência muito aguda de alguém que cresceu colocando em prática a beleza e a suavidade das palavras.

É um livro amoroso, na amplitude do termo, de coração aberto. Viajar por suas frases nos aproxima a um diálogo mudo e sincero, com algumas provocações sobre como vivemos e estamos sensíveis aos acontecimentos. A obra está recheada de observações sobre a sociedade, o amor, a igualdade, a empatia, a sororidade, sempre relatadas com uma linguagem sóbria, justa e pungente.

Gracia procura enxergar além das obviedades, construindo uma narrativa sem clichês, para assim compreender os fenômenos supostamente normais, retirando entendimento e lirismo daquilo que é aparentemente insignificante. Pode ser um casal namorando, uma noite maldormida ou uma flor no jardim. Quanto mais trivial, mais cheio de peculiaridades é o texto. Prepare-se para inspirar sensações de bom humor, momentos de reflexão, otimismo e muita descontração para o espírito.”
Raquel Verano
Observatório do Texto

Serviço

Coquetel – Noite De autógrafos com Gracia Cantanhede
”Tanto faz se for mentira” ou verdade e
Cortina de Contas- R$50,00 (compra o primeiro e leva o segundo)
Das 19h às 22h
Restaurante Rubaiyat: Setor de Clubes Esportivos Sul 1

Anterior Forró Do B ocupa Praça Central do Conic neste sábado
Próximo A música de Joel Bello Soares no Casa Thomas Jefferson Hall