Furacão Carmen aborda o tema da espera, a partir de elementos que compõem o universo masculino e suas maneiras de rivalizar. Os dois personagens centrais, assim como os atores, têm origens diferentes, mas acabam encontrando pontos de união, para além dos conflitos. São homens solitários, à procura de sentimentos verdadeiros, dispostos a lançar-se ao desconhecido.

Num mundo cada vez mais intolerante, em que imperam a violência e o descaso para com milhares de imigrantes, a peça vem falar da capacidade de compreender e respeitar o outro. Embora venham de terras distantes, os personagens falam a mesma língua e ambos se encontram na mítica Havana, uma terra de utopias, crises e mudanças constantes, cidade criticada por muitos, mas única em perfil no mundo. Havana como um símbolo de possibilidades.

O texto tem a marca da escrita do argentino Santiago Serrano, um autor que tem sido cada vez mais encenado no Brasil. A obra do dramaturgo foi inicialmente conhecida no País através da encenação de “Dinossauros”, espetáculo protagonizado por Murilo Grossi, que inaugurou o Espaço Cena em Brasília em 2005, deu origem ao Grupo Cena e transitou pelo Brasil e pelo exterior durante dez anos. A partir de então, o talento de Santiago Serrano reproduziu-se em textos como “Fronteiras”, “Eldorado”, “Noctiluzes”, “Autópsia de um Beija-Flor”, em encenações assinadas por coletivos de Brasília, São Paulo, Bahia e outros estados brasileiros.

FURACÃO CARMEN foi especialmente concebida para Murilo Grossi e António Revez. Autor e atores conversaram bastante para compor o perfil dos personagens e a opção estética da encenação. A proposta é apostar no que muitos definem como sendo o ‘teatro essencial’, ou seja, o ator e o texto como elementos primordiais do espetáculo, reduzindo-se ao mínimo a cenografia, os adereços e demais elementos. Atores e texto serão responsáveis por criar toda a atmosfera de expectativa pela chegada de um intenso furacão, violento como tantos outros que devastam a ilha de tempos em tempos. E revelar como será a reação dos protagonistas.

Após a estreia em Brasília, o espetáculo deverá cumprir temporada em festivais internacionais europeus e latino-americanos.

Malecón (orla) da cidade de Havana. Um furacão avança pelo horizonte. O céu e os ventos são ameaçadores. Dois homens, desconhecidos entre si, esperam uma mulher. Eles não têm noção do perigo que se avizinha do mar. Têm apenas a certeza de terem conhecido a mulher de suas vidas e estão dispostos a tudo para conquistar para sempre esse amor. Eles brincam, brigam, descobrem origens comuns e não se assustam com os avisos do furacão Carmen que se aproxima pouco a pouco.

Serviço

De 22 a 25 de agosto, no Teatro SESC Newton Rossi Ceilândia, às 20h, ingressos a R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia)
De 29 de agosto a 1º de setembro, no Teatro SESC Garagem (913 sul), quinta-feira, às 20h, e de sexta a domingo, às 17h e às 20h, ingressos a R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia)
De 05 a 08 de setembro, no Teatro SESC Garagem (913 sul), às 19h30

Anterior Confira cinco deliciosos doces para se animar na TPM
Próximo Ávine Vinny lança "Feliz ou Infelizmente", novo single