3ª edição do Festival de Cinema do Paranoá exibiu 62 produções e distribuiu prêmios para várias categorias

Mais de 375 inscritos, debates, mostras circula itinerante, oficinas, batalhas de rimas, show de talentos e, claro, muito cinema, ocuparam a 3ª edição do Festival de Cinema do Paranoá. De 21 a 27 de outubro de 2019, o evento encantou a região administrativa, que completou 62 anos no dia 25 do mês.

R$ 17 mil em prêmios foram distribuídos. O eleito melhor filme do festival foi Boi, de Lucas Bettim e Renan Carvalho (SP). No DF, Cão Maior, de Filipe Alves, levou o prêmio na categoria de melhor filme pelo júri oficial. Na mostra nacional e de autoria feminina Prefiro Não Ser Identificada, de Juliana Muniz, conquistou o troféu em dose dupla.

No total, foram exibidas 62 produções e distribuídos prêmios para várias categorias. Alternando entre valores em dinheiro e troféus estilizados do evento. Melhor atuação, roteiro, direção, direção de fotografia, melhor filme, dentre outros, tiveram visibilidade na 3ª e maior edição do festival que já se consolida no Distrito Federal e no Brasil. Além de dar espaço para filmes de autoria feminina – 25 % dos filmes selecionado –, estudantes, pessoas em situação de rua e pessoas com deficiência também garantiram seu espaço.

E o encerramento, no dia 27 de outubro, foi contagiante. O melhor curta-metragem do Festival de Cinema do Paranoá 2019 (Nacional/Distrital) foi Boi, uma animação de Lucas Bettim e Renan Carvalho. A produção é de São Paulo (SP). Na Mostra Nacional, dos 43 selecionados, quem levou o prêmio de melhor júri oficial foi o curta experimental Prefiro Não Ser Identificada, de Juliana Muniz, do Rio de Janeiro. O júri popular elegeu como melhor produção nacional A Parteira, de Catarina Doolan. O filme é representante de Natal e São Gonçalo do Amarante (RN).

Já dos 19 curtas-metragens que concorreram na Mostra Competitiva Distrital e Cidades do Entorno do DF, quem levou o troféu pelo júri oficial foi Cão Maior, uma ficção de Filipe Alves. Já o júri popular elegeu como o melhor Dona Zefinha – 93 Anos de Caminhada, um documentário de Cícero Fraga e Alan Schvarsberg. Ambos os filmes foram filmados no Paranoá e levaram troféu para casa. Já como melhor ator, foi José de Campos que conquistou o prêmio local pelo filme Mauro, com o mesmo nome do personagem que interpretou. Melhor atriz local foi para Pirita Regueira, que fez a personagem Mulher Misteriosa em Escola Sem Sentido. Ambos concorreram no DF.

Já o melhor curta-metragem de autoria feminina da Competitiva Nacional foi também Prefiro Não Ser Identificada, de Juliana Muniz. No DF, o melhor das mulheres foi Imery Xuatibâ Adopâdobâry / Meu Filho Perdido Voltou, uma ficção de Leticia Amorin realizada no Mato Grosso e em Brasília.

“Vencedores somos todas e todos participantes, realizadoras e realizadores que exibiram seus trabalhos e toda a equipe, incluindo voluntários que foram esplêndidos. Somos gigantes por promovermos a cultura em nossa comunidade por meio do cinema”, destaca o idealizador do festival, Januário Jr.

Confira lista de premiação

Batalha de Rimas 

1º lugar: Gael
2ºlugar: Fael
3º lugar: DNarnia

Show de Talentos

1º lugar: Carlinhos GD (Dança)
2ºlugar (empate): Igor Fernando (Canto Capella) | Willian Lima & André Viola (Canto Viola Caipira)
3º lugar: Elson Ramos (Canto playback)
4º lugar: Marcela Cristiani (Canto Playback)
5º lugar: Mirelly Andrade (Teatro)

Mostra Escolas Públicas

A Turma da Limpeza | Ficção | Sofia Garcia | Valparaíso de Goiás – GO

Mostra Interativa para Pessoas Surdas

A Parteira | Documentário | Catarina Doolan | Natal e São Gonçalo do Amarante – RN

Mostra Infantil

A Turma da Limpeza | Ficção | Sofia Garcia | Valparaíso de Goiás – GO

Mostra Universitária – Prêmio concedido pelo Júri formado por Estudantes

Melhor Curta-Metragem – Troféu + R$ 500,00
Que Som Tem a Distância? | Documentário | Marcela Schild | Santa Cruz do Sul – RS

Mostra Competitiva Distrital e Cidades do Entorno do DF

Melhor Curta-Metragem (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 1.500,00
Cão Maior | Ficção | Filipe Alves |Brasília – DF

Melhor Curta-Metragem (Troféu pelo Júri Popular)
Dona Zefinha – 93 Anos de Caminhada | Documentário | Cícero Fraga e Alan Schvarsberg | Paranoá – DF

Melhor Direção (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Thiago Foresti – Escola Sem Sentido | Ficção | Brasília – DF

Melhor Roteiro (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Gabriel Pimentel – Cão Maior | Ficção | Brasília – DF

Melhor Ator (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
José de Campos – personagem: Mauro – Filme: Mauro

Melhor Atriz (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Pirita Regueira – personagem: Mulher Misteriosa – Filme: Escola Sem Sentido.

Melhor Fotografia (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Arthur Menezes e Rafael Stadniki – Cão Maior | Ficção | Brasília – DF

Melhor Trilha Sonora (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Henrique Esteves Laterza – Paredes Clandestinas | Ficção | Sobradinho – DF

Melhor Desenho de Som (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Olivia Hernández – Riscados Pela Memória | Ficção| Brasília – DF

Melhor Montagem (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Zefel Coff – A Praga do Cinema Brasileiro | Ficção | Taguatinga – DF

Melhor Direção de Arte (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Helena Dupin – Paredes Clandestinas | Ficção | Sobradinho – DF

[Prêmio Especial do Júri] Mostra Competitiva Distrital e Cidades do Entorno do DF

Melhor Curta de Autoria Feminina (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 750,00
Imery Xuatibâ Adopâdobâry | Meu Filho Perdido Voltou | Ficção | Leticia Amorin | Aldeia Canaã | Mato Grosso | Brasília – DF

[Prêmio Especial do Júri] Mostra Competitiva Distrital e Cidades do Entorno do DF
Duda Castro – Atriz – Filme: Escola sem Sentido. Pelo notório talento de uma menina que nos mostrou que sabe representar com muita intuição, empatia e verdade.

Dona Zefinha
Por representar em todas as suas cores e matizes a história de uma mulher guerreira que é a cara do Paranoá e da sua gente.

Mestra Martinha do Coco
Por toda a musicalidade que sai do seu sorriso, pela ginga que emana do seu corpo e invade a nossa alma.

Mostra Competitiva Nacional

Melhor Curta-Metragem (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 1.500,00
Prefiro Não Ser Identificada | Experimental | Juliana Muniz | Rio De Janeiro – RJ

Melhor Curta-Metragem (Troféu pelo Júri Popular)
A Parteira | Documentário | Catarina Doolan| Natal e São Gonçalo do Amarante – RN

Melhor direção (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa – O Grande Amor de um Lobo | Documentário | São Miguel Do Gostoso – RN

Melhor roteiro (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Catarina Bassotti – Filme: Boi | Animação | Lucas Bettim e Renan Carvalho | 13:50 | São Paulo -SP

Melhor ator (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Rafael Medrado – Motorista | Filme: Onze Minutos | Ficção | Hilda Lopes Pontes | 17:00 | Salvador – BA

Melhor atriz (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Adriana Marciolinio da Silva – Ginha
Alexandra Marciolinio da Silva – Sandra
Rita de Cássia Marciolinio da Silva – Rita – Filme: Entremarés | Documentário | Recife PE

Melhor fotografia (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Kennel Rogis – O Grande Amor de um Lobo | Documentário | São Miguel Do Gostoso – RN

Melhor trilha sonora (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Adelmo Arcoverde – Quando a Chuva Vem? | Animação | Carpina – PE

Melhor Som (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Leopoldo Conrado Nunes – Enraizada | Documentário | Recife – PE

Melhor montagem (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Chico Lacerda – Piu Piu | Documentário | Recife – PE

Melhor direção de arte (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 500,00
Daaniel Araújo – Bolha | Animação | Recife – PE

[Prêmio Especial do Júri ] Mostra Competitiva Nacional

Melhor Curta de Autoria Feminina (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 750,00
Prefiro Não Ser Identificada | Experimental | Juliana Muniz | Rio De Janeiro – RJ

Melhor Curta do Festival de Cinema do Paranoá 2019 – Nacional/Distrital

Melhor Curta-Metragem (Troféu pelo Júri Oficial) + R$ 1.500,00
Boi | Animação | Lucas Bettim e Renan Carvalho | São Paulo -SP

[Prêmio Especial do Júri ] Mostra Competitiva Nacional

Arte a Metro | Documentário | Thiago Magalhães | Rio de Janeiro – RJ
Pela singeleza, verdade e o amor desses músicos independentes cariocas na batalha diária pela Música e em tudo aquilo que ela traz.

Megg – A Margem que Migra para o Centro | Documentário | Larissa Nepomuceno, Eduardo Sanches/ Curitiba – PR
Pela força da história de luta e conquista da personagem. Por representar, de maneira singular, a marginalidade que transborda e invade o centro.

Anterior Iguatemi promove nesta quinta ação em apoio ao Outubro Rosa
Próximo Alunos podem apreciar a arte de Ariano Suassuna em musical