O Ocupa! – 1º Festival de Artes Contemporâneas de Brasília apresenta duas mostras de Artes Visuais, com dezessete artistas que ocupam os espaços antes abandonados na Piscina com Ondas (Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek) com obras espalhadas por sete galerias de arte contemporânea onde os criadores dialogam com a ação do tempo sem mascarar vestígios.

As exposições foram divididas em dois panoramas: “Brasília 60 – Novas Candangas” e “Utopias Efêmeras”. Cada artista, além de expor sua obra, vai participar de uma Masterclass onde conversa com um público e fala sobre sua trajetória e a obra presente na Ocupação Contém. Dentre as artistas, duas presenças efêmeras se marcam em apresentações de videoarte. Cila Mac Dowell vai projetar seu rico trabalho na Piscina com Ondas e ainda ministrar uma ação que une aula, performance e projeções em vídeo. A VJ Grazzi integra o line up da festa “5uinto + sintra FM na Piscina de Ondas” no dia 13 de setembro com suas imagens que tratam de um peculiar olhar sobre Brasília e sua arquitetura.

Sobre as mostras

A mostra “Brasília 60 – Novas Candangas” lança o olhar para o futuro próximo, mais precisamente 2020, ano em que Brasília celebra 60 anos de inauguração. Tal qual a capital criada no Planalto Central para unir a diversidade do Brasil, a mostra celebra a alma feminina e as mulheres que produzem Arte Contemporânea na capital.

A exposição gira em torno da efeméride que marca seis décadas de uma proposta inovadora, onde o Modernismo foi celebrado na Arquitetura de Oscar Niemeyer, no Urbanismo de Lúcio Costa, na Arte de Athos Bulcão, Marianne Perretti, Alfredo Ceschiatti, Bruno Giorgi e nos jardins de Burle Marx. Uma lista em grande parte permeada por presenças masculinas. Neste recorte curatorial proposto por Renato Acha, figura Brasília como uma mulher sessentona.

As artistas Cila MacDowell, Jacqueline Lisboa, Janine Moraes, Joana França, Marjorie Yamaguti, Raquel Aviani, Raquel Nava, VJ Grazzi, Waleska Reuter e Zuleika de Souza integram a exposição coletiva. A ideia de plurissignificação do espaço proposta pela ação na Piscina com Ondas ganha matizes singulares ao se acentuar o importante papel das mulheres na arte e na vida social e política da sede do poder no centro do País.

A Mostra “Brasília 60 – Novas Candangas” também vai contar com mediadoras do Programa Educativo, que promovem uma viagem por este universo que relaciona a gênese da cidade, seu uso, tombamento, sua revisão por artistas e coletivos em um processo que remete ao legado de uma jovem senhora metrópole. As relações de poder entre o feminino, a arte, a arquitetura, o urbanismo e a antropologia integram um percurso educativo com visitas orientadas abertas a todos os públicos.

Em “Utopias Efêmeras” se aborda a Brasília que se fez a partir de uma utopia de nação, e no presente, a caminho das comemorações dos seus 60 anos, a utopia que encontramos na capital é outra: faz parte do presente. É quase uma fabulação que borra a clássica noção infinita de projeção futura, e é oferecida por artistas que transformam pedaços da cidade e materiais banais do cotidiano em obras de arte.

Reunimos nesta exposição a produção de sete artistas que vivem na capital federal e que, dentro do espírito da ocupação da piscina de ondas do Parque da Cidade, mostram que o ordinário pode ganhar potências outras. Afinal uma obra de arte nos ensina a ver o mundo com outros olhos, assim como um espaço abandonado em ruínas passa a ser também lugar para contemplação.

Papel higiênico, plásticos, parafusos, toras de madeira, canos de pvc e muitos lacres são usados pelos artistas para construir essas novas fantasias e narrativas que carregam energias para que possamos dar conta do Universo e da própria vida. A arte usa táticas de repetição, de manipulação, de distração e, principalmente, de ilusão para construir as utopias efêmeras. O que é maciço pode ser dobrado; o frágil ganha volume e imagens; o orifício do cano captura paisagens e o ambiente saturado de ironias da internet vai parar em telas pintadas.

Em comum, os jovens artistas Pamella Anderson, Cecília Bona, João Trevisan, Levi Orthof, Cecília Mori, Gustavo Silvamaral e Íris Helena usam da síntese e do precário para construir seus trabalhos, oferecem novas possibilidades de leitura das coisas e jogam com o absurdo. O que eles querem, no fundo, é estimular o público a novos modos de subjetivação, a novas experiências estéticas. Percorrer as obras da exposição é se surpreender com as inimagináveis possibilidades de transformação dos materiais mais comuns, e no fundo perceber – e isso é o mais importante – que é divertido ter uma outra percepção das coisas e do lugar onde vivemos. Imagens rápidas como ondas artificiais em uma piscina. Curadoria de Clauder Diniz.

Programação

8 de setembro (domingo)

18h00: Marjorie Yamaguti – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
22h00: Encerramento da visitação das galerias

13 de setembro (sexta)

17h00: Abertura das Galerias de Arte
22h00: Encerramento da visitação das galerias
19h00: Cecília Bona – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
20h00: Gustavo Silvamaral – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
21h00: Levi Orthof – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras

14 de setembro (sábado)

18h00: Joana França – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Zuleika de Souza – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
20h00: VJ Grazzi – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas

20 de setembro (sexta)

17h00: Abertura das Galerias de Arte
19h00: Íris Helena – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
20h00: Cecília Mori – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
21h00: João Trevisan – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
22h00: Encerramento da visitação das galerias

21 de setembro (sábado)

18h00: Cila Mac Dowell – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Jacqueline Lisboa – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
20h00: Raquel Aviani – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas

28 de setembro (sábado)

17h00: Abertura das Galerias de Arte
18h00: Waleska Reuter e Raquel Nava – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Janine Moraes – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
22h00: Encerramento da visitação das galerias

Serviço

Ocupa! Festival de Artes Contemporâneas – Exposições “Brasília 60 – Novas Candangas” e “Utopias Efêmeras”
Data: De 7 a 29 de setembro de 2019
Local: Ocupação Contém (Piscina com Ondas – Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek)
Artes Visuais: Visitação gratuita nas mostras, de quinta a domingo, de 17 às 22 horas, com visitas orientadas pelo Programa Educativo
Música: Ingressos para os shows à venda no Sympla
Informações: www.festivalocupa.com.br

Ocupação Contém

Funcionamento: De quinta a domingo
Quintas: De 18:00 às 23:00
Sextas: De 17:00 a 01:00
Sábados e domingos: De 15:00 à 01:00
Entrada franca
Não será permitida a entrada com comidas ou bebidas
Informações: www.facebook.com/Contembsb/

Anterior Por que não vivemos? no CCBB Brasília de 12 a 29 de setembro
Próximo Jonas Esticado grava DVD em Brasília no Complexo Na Praia