Feira Internacional de Artesanato


Nesta sexta (14/04), às 11h, será aberta a 11ª edição da tradicional Feira Internacional de Artesanato (Finnar), que como sempre será realizada no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em abril, este ano de 14 a 23/04.

Aos feriados, sábados e domingos, o evento funcionará das 11h às 22h. Já nos dias de semana, funcionará das 16h às 22h. Ingressos à R$ 10,00 (inteira), com censura livre. O evento conta com o patrocínio da CAIXA e apoio da Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer do DF. A Finnar recebeu mais de 100 mil visitantes em 2016 e espera passar deste número este ano. A expectativa é de oferecer produtos de mais de cerca de 700 diferentes artesãos, palestras, workshops, oficinas e shows. O evento contará com a participação de 20 estados e 15 países. Este ano a Feira homenageará grandes mestres do Artesanato Brasileiro. (programação em anexo).

Mestres do Artesanato

Marlon Maia nasceu em Barreiras na Bahia e chegou aos 3 anos em Brasília, em 1969. Segundo ele, sem influências da família começou a trabalhar na madeira, desde sempre. “Aos três anos de idade, eu já fazia meus brinquedinhos”, revela. No início usava madeira como elemento artístico-utilitário, como bandejas, por exemplo. Hoje, caminha no campo da escultura. “Não sei definir o que é arte ou artesanato, para mim é tudo igual”, alega. Morando em Cidade Ocidental, no Entorno de Brasília, ele faz sozinho todas as peças. “Não consigo mais arcar com as despesas trabalhistas de assistentes. Fui obrigado a resistir só”, ressalta. Suas peças são encontradas em lojas renomadas em São Paulo e no exterior. “Pouca gente conhece meu trabalho em Brasília”, lamenta. “Fiz ano passado exposição de meu trabalho no TRF-DF e agora na Finnar poderei expor e dialogar sobre meu trabalho com Brasília e com os turistas que por lá passarem”, pontua.

Também serão homenageados e estarão presentes Zaqueu Gomes Vitor, o Zakeu (artista plástico que desenvolve um trabalho que consiste em transformar sucata em obras de arte); Tião Piauí – que confecciona objetos com fibras naturais trançadas e móveis com palha da costa, da carnaúba e da taboa, e ajuda famílias de sua terra natal que colhem e preparam a matéria-prima utilizada pelo artesão na produção do trabalho; e a ceramista apaixonada pelo Cerrado e pela Arte Indígena Brasileira, Nádia Bacin, entre outros.

A Finnar também receberá o mestre mineiro Mario Teles e seu filho Alex Teles. Mario Teles é filho de GTO, internacionalmente apreciado por sua obra primitiva em madeira, e Alex Teles o neto (obras em anexo). São apreciados no meio artístico por suas mandalas. Alex Teles dá continuidade da arte de retirar os excessos, de modo a trazer personagens e histórias aprisionadas na madeira. Os Teles (GTO, Mário e Alex) são os representantes legítimos no triângulo da criação com a escultura em madeira trazendo infinitas leituras de suas artes, tanto quanto são as lascas extraídas dando vida a um universo artístico fascinante. “E, fazer parte dos expositores da FINNAR é motivo de imensa satisfação para a Escola GTO, visto ser este um evento internacional, no qual o mundo do artesanato se encontra”, afirma Alex Teles.

Outro homenageado virá de Pernambuco: Marcos Paulo, o Marcos de Sertânia, um importante representante da escultura em madeira nascido em Sertânia (PE). Oriundo de uma família de agricultores e artesãos, decidiu mudar a tradição de seus familiares que produziam utensílios domésticos e pequenas esculturas de boi, e passou a retratar a aflição provocada pela seca, ao extrair da madeira figuras esqueléticas carregadas de dramaticidade e melancolia. O cachorro esculpido em madeira, uma de suas obras mais emblemáticas, nos remete à Baleia, a cadela de Vidas Secas de Graciliano Ramos. Marcos Paulo pertence a uma geração nova de mestres da arte popular brasileira que inova pela linguagem e pelo estilo próprio. As esculturas de Marcos, além da dramaticidade impressa, dão a impressão de estarem em constante movimento. A obra de Marcos Paulo já foi comparada também com a obra do artista plástico e escultor italiano Amedeo Modigliani. As obras de Marcos Paulo estão espalhadas em coleções particulares pelo Brasil e no exterior.

Gastronomia

Aula show Pimentas do Mundo
Com a curadoria de Iara Lemos do portal gastronômico “aperitivado”, será realizada uma aula show com os chefs Sebastian Parole, Alexandre Albanese e David Lechtig, na quarta-feira (19/04), às 17h.

Oficinas de Mini Chefs
Na sexta (21/04) e no domingo (23/04), das 14h as 18h (atendendo em rotatividade), serão oferecidas Oficinas de Mini Chefs, de responsabilidade de por Anna Doce Flor e voltadas ao aprendizado de confeitar cupcakes atendendo crianças de 4 a 10 anos. “Levaremos cupcakes prontos para serem confeitados, aventais e toucas para serem usados durante a oficina, enfim, tudo para que a criançada tenha experiências inesquecíveis na arte de confeitar”, explica uma das organizadoras do evento, Hilda Alves.

Programação Cultural

Na quinta (20/4), às 17h, será apresentado o espetáculo poético-musical Sertanejares. O espetáculo consiste na interpretação musical e teatralizada de poemas e músicas do livro “Miolo de Pote da Cacimba de Beber”, escritos e interpretados por Lília Diniz, que é atriz, cantora e escritora. Visando à difusão da poesia popular, da literatura de cordel, do cancioneiro popular, fortalecimento e valorização da poesia no Distrito Federal, e ainda contribuir com o fomento à cadeia produtiva da música e da literatura, incluindo a cadeia criativa nas três dimensões da cultura: simbólica, cidadã e econômica. São poemas e histórias versejadas que transportam o público aos interiores do Brasil, ao cenário cotidiano das lavadeiras dos rios brasileiros e aos baques do machado das quebradeiras de coco babaçu, enfim, versões do sertanejo povo brasileiro. Apresentando elementos do universo simbólico da literatura de cordel, do repente nordestino, do cancioneiro popular, dos emboladores de coco e dos poetas populares tão presentes na matriz cultural dos candangos que vieram erguer a capital do Brasil e se espalharam por todo o Distrito Federal.

GERAÇÃO DE EMPREGO: São cerca de mais de 3mil empregos diretos e indiretos durante o evento. Sem falar no fluxo econômico dos hotéis e restaurantes.

Santeiros do Piauí

A XI Finnar também receberá mestres santeiros do Piauí. De acordo com informações divulgadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), “a arte santeira é um artefato cultural representativo da cultura piauiense. A importância desse ofício e modos de fazer é evidenciada pela produção de artefatos de madeira esculpidos ou talhados por um significativo número de artesãos provenientes de grupos populares do estado. A criatividade que envolve o trabalho desses artesãos se materializa em formas com temáticas religiosas, permitindo se criar o ofício de santeiro, denominação dada pelos próprios detentores desse ‘saber-fazer’ “. Por isso, os santeiros, que reivindicaram o registro da arte de esculpir em madeira como patrimonio imaterial do Piauí. O processo está em curso.

Para a diretora da Charph Eventos e uma organizadoras do evento, Hilda Alves, “não há crise para a criatividade. E num momento em que tanto se fala em tecnologia, temos que estimular, proteger e criar oportunidade para os nossos mestres do artesanato. Afinal, o trabalho deles, a cada dia mais é de resistência. Resistem ao desânimo, não raro, à falta de apoio da família, à falta de materiais, de estímulo e de dificuldade em encontrar matéria prima, como a madeira adequada, para certas peças, por exemplo”, explica.

Serviço

O quê: 11ª edição da tradicional Feira Internacional de Artesanato (FInnar)
Abertura- sexta (14/4), às 11h.
Centro de Convençoes Ulysses Guimarães
Quando: De 14 a 23 de abril
Horário de funcionamento: feriados, sábados, domingos das 11h ás 22h. Durante a semana, das 16h às 22h.
O evento conta com o patrocínio da CAIXA e apoio da Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer do DF.

Anterior Jazz et Vin
Próximo Opções ousadas