Após circulação em Portugal no mês de fevereiro, o espetáculo “Enluarada: uma epopeia sertaneja” abre o ano de 2020 em Brasília, com uma temporada em sua terra natal. O espetáculo está em cartaz no Teatro no Espaço Cultural Renato Russo/508 sul, Sala Multiuso, nos dias 6,7 e 8 de fevereiro.

Sexta e Sábado às 20h e domingo às 19h. Ingressos: R$ 15,00 a meia e R$ 30,00 a inteira. Os ingressos podem ser garantidos antecipadamente pelo www.sympla.com.

“Enluarada: uma epopeia sertaneja”, o segundo solo da atriz brasiliense Caísa Tibúrcio, oferece ao público uma experiência artística, gastronômica e sensorial. No palco, uma típica cozinha mineira foi o cenário escolhido para contar a história bastante brasileira da jovem donzela Maroca e seu grande amor, o Heitor, vaqueiro e também violeiro.

Enquanto prepara uma galinhada – passando por todos os processos, desde a retirada da pele do frango, o corte em pedaços, depois o cozimento e finalização – a atriz conta a narrativa que tem como pano de fundo uma epopeia no interior campestre mineiro, que mistura histórias inventadas e lembradas, a partir de suas vivências familiares. Ao término do preparo, que coincide com o fim do espetáculo, Caísa oferece a comida ao público como uma grande celebração ao teatro.

Filha de mineiros, a atriz conta que o processo de criação da dramaturgia e a criação do espetáculo passou por um momento de pesquisa de campo no interior de Minas Gerais e também pelo estudo da linguagem de teatro de objetos com o Grupo Sobrevento, de São Paulo, referência nessa técnica. A dramaturgia rememora a época que muitos mineiros que vieram para o Centro-Oeste na construção da capital federal, onde existe uma forte influência da cultura mineira. “desejava poetizar esse universo e ressaltar essa presença na criação da cidade, na formação de sua identidade e dos candangos”, comenta Caísa.

Com direção musical de Fernando César, a trilha assume papel de destaque. A dupla de Zé Mulato & Cassiano gravou uma composição inédita de Milena Tibúrcio e Caio Tibúrcio. A dupla caipira é referência em música tradicional e em 2019 ganhou Prêmio Sharp, na categoria Melhor Dupla Regional. Outras canções autorais de Fernando César e Caísa Tibúrcio também foram gravadas e são executadas ao vivo pela atriz que também canta e toca acordeom. O repertório inclui ainda a viola caipira do músico brasiliense Cacai Nunes, a folia de Reis e clássicos brasileiros como “Lua Branca”, de Chiquinha Gonzaga, e “Moreninha”, da cultura popular, ambas de domínio público.

“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja” traz à tona a culinária, os mitos e ritos que envolvem histórias tradicionais e percorre o mundo invisível, revelando o universo fantástico e ficcional do interior brasileiro. As personagens presentes na cultura popular mineira, como os caipiras, violeiros, garimpeiros, vaqueiros, santos e moças, permitem a comunicação com o público a partir da história narrada.

Porém, mesmo sendo uma história regional, o espetáculo fala de sentimentos universais e atemporais como o amor e a morte. “Falo sobre questões e aflições humanas, não só de cultura, do ‘minerismo’. É o regionalismo que se torna universal. Busquei um certo arcadismo da língua portuguesa, com palavras e termos ligadas à região e ao passado, mas penso que a dramaturgia, mesmo cravada e gravada no documento e no detalhe de um lugar, um povo, uma época, ela se libera para falar do ser humano”, ressalta a atriz.

Ficha técnica do espetáculo

Realização: Casulo Teatro
Concepção e Atuação: Caísa Tibúrcio
Dramaturgia: Caísa Tibúrcio
Direção Cênica: Denis Camargo
Direção Musical: Fernando César
Orientação teatro de objetos: Sandra Vargas/ Grupo Sobrevento
Cenário: Caísa Tibúrcio e Roustang Carrilho
Figurino: Roustang Carrilho
Iluminação: Ana Quintas
Operação de luz:Larissa Sousa
Fotografia: Diego Bresani
Designer Gráfica: Jana Ferreira
Assessoria de imprensa: Agência Atelier
Assistente de produção: Tiana Oliveira

Serviço

“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja”

Data: 6,7 e 8 de março
Horários: 20h (sexta e sábado) e 19h (domingo)
Local: Sala Multiuso do Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul)
Classificação indicativa: 12 anos
Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 a meia

Mídias Sociais

www.casuloteatro.com
www.fb.com/casuloteatro
https://www.instagram.com/casuloteatro
casuloteatro@gmail.com

Sobre Caísa Tibúrcio

Caísa Tibúrcio é Bacharel e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2005/2017), tem cursos técnicos de canto (Escola de Música de Brasília), pandeiro, percussão, flauta (Escola de Choro Raphael Rabello). Atriz, diretora e palhaça, já assinou a direção de projetos como ‘Presépio de Hilaridades Humanas’, que realizou circulação Nacional no Brasil pelo Palco Giratório/SESC, ‘Zezinho e o anjo Marmanjo’, infantil realizado em DF e MG – Brasil. Como atriz, já trabalhou com alguns diretores reconhecidos nacionalmente, como Hugo Rodas e João Antônio; atua em ‘Achadouros – Teatro para bebês’ (vencedor em 2015 da categoria de melhor espetáculo infantil no Prêmio SESC – Brasília) com direção de José Regino e que já realizou apresentações em diversas regiões do Brasil em Festivais e Mostras de Teatro do Brasil (SP, RJ, MG e SC).

Atua também no espetáculo “CRIA” com direção de Ana Flávia Garcia criado em 2017 e participou de Festivais teatrais (Vencedor de 3 Prêmio SESC de Teatro Candango – Melhor dramaturgia, melhor cenário e melhor iluminação). Integrou o Grupo de Teatro Esquadrão da Vida (2008 a 2012) e a Cia Burlesca (2013 e 2014) e atua com a palhaça Ananica no espetáculo ‘Lorota de Palhaças’.

Casulo Teatro é o núcleo de trabalho de seus espetáculos solo, em que ela convida diretores e outros artistas. Iniciou em 2015 com o espetáculo infantil ‘Sementes’ é o primeiro solo da atriz e palhaça brasiliense Caísa Tibúrcio. Com esse espetáculo Integrou a Mostra teatral da Feira do Livro de 2016 do DF, Festibra (Festival de Teatro para a Infância), participou do Prêmio SESC de Teatro Candango de 2016, indicado a categoria de melhor espetáculo infantil. Integrou a programação do Festival Internacional Cena Contemporânea de 2017, o Festival do Palco Cerrado em 2018, a Bienal do Livro de 2016 e 2018. Realizou apresentação no SESC Centro – GO, SESC de Anápolis, e Festival de Teatro de Dourados/MS (FIT Dourados) e o Festival de Teatro Popular de Fortaleza em 2018, Festival de Cascavel em 2019. Realizou uma temporada dois meses com circulação nos parques públicos do DF (Brasil) com apoio e patrocínio do Banco de Brasília BRB, laboratório SABIN e IBRAM. Em 2019 nos meses de fevereiro e março realizou circulação em Portugal na cidade de Lisboa, Seixal, Ponte de Sôr e Elvas, na Casa do Coreto, Casa Tangente, no Bolina Festival Internacional de mulheres palhaças e no Festival de Comicidade Gargalhadas.

A partir de então montou o solo “Enluarada: uma epopeia sertaneja” que estreou em 2019 e mesmo jovem já foi selecionado para participar da Mostra SESC de Artes Cênicas em 2019 e fez uma turnê em Portugal pelas cidades de Lisboa, Seixal e Elvas. Atualmente, em intercâmbio com o grupo português “Um Coletivo” está em processo de montagem de um espetáculo solo de rua, chamado “A Concertista” em que explora as possibilidades cênicas e musicais de uma bicicleta gigante que se transforma em uma marimba.

Anterior Confira sete dicas de viagem pelo Brasil
Próximo Artistas visuais do Distrito Federal ocupam a CAL