Espetáculo que estreou no festival Cena Contemporânea faz duas semanas de temporada. Encerramento do Amor é protagonizado por Ada Luana e João Campos, peça é a versão brasiliense da premiada obra do francês Pascal Rambert

Um casal discute o fim do relacionamento. O tema, já abordado tantas vezes e de maneiras tão diferentes, surpreende o público em Encerramento do Amor, espetáculo que poderá ser visto de 11 a 20 de outubro, às sextas, sábados e domingos, no Espaço Cena (CLN 205). Sob a direção de Diego Bresani, os atores Ada Luana e João Campos dão voz a um diálogo ininterrupto que marca o combate impiedoso do final de um amor.

A peça é a versão brasiliense da obra “Clôture de l’Amour”, do dramaturgo e multi-artista francês Pascal Rambert. Encenada pela primeira vez no Festival de Avignon, em 2011, a peça recebeu o Grand Prix de Literature Dramatique em 2012, assim como o prêmio de melhor atriz e autor no Palmarés du Théâtre 2013.

Após a temporada francesa, Pascal Rambert criou versões da peça com atores de diferentes culturas e línguas. Já foram realizadas as versões russa (Moscou), croata (Zagreb), italiana (Roma), americana (Nova York) e a versão japonesa (Osaka). Traduzida para o português (brasileiro) por Marcus Borja, a versão brasiliense fez sua estreia no recente Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília.

“Dentro de uma grande sala branca, uma mulher e um homem se falam. É ele que começa a conversa. Ela escuta, atenta e lhe responde com um segundo monólogo. Eles evocam sua separação, falam do antes e do agora. Pascal Rambert não traz uma resposta pronta à questão: “Quem amamos quando amamos”? Ele circula pelas possibilidades. Ele não nega os clichês dos quais se utilizam, pelo menos uma vez, aqueles que se separam, que procuram uma razão para o desamor, que revivem suas memórias, as embelezando antes de destruir tudo com algumas frases assassinas.

O rio ininterrupto de palavras, as questões-respostas que se ligam, a respiração contida, em uma espécie de maratona entre o medo e a libertação: é aqui, no coração deste momento doloroso, que Pascal Rambert nos coloca. Na brutalidade de um verbo onipresente, no rigor inacreditável de uma escrita fria e mortal se manifesta um combate impiedoso. Ele ataca e Ela deve lutar contra o desaparecimento que ele quer lhe impor. Eles têm armas iguais, mas não as utilizam da mesma maneira. Há o masculino e o feminino. Há dois olhares, dois silêncios, dois discursos para dizer a violência de um amor que morre.”

(tradução da sinopse de Clôture de l’amour, realizada por Jean-­François Perrier na edição 2011 do Festival d’Avignon.)

A VERSÃO BRASILIENSE

A pesquisa do diretor, ator e fotógrafo Diego Bresani e dos atores Ada Luana e João Campos sobre a obra de Pascal Rambert se debruça sobre o verbo e a escuta como elementos estruturantes na construção da narrativa e condução da expressividade no palco.

O formato contemporâneo proposto pela encenação do texto francês ‐ uma discussão que precede o fim do relacionamento entre um ator e uma atriz onde apenas uma pessoa fala ininterruptamente, em dois rounds separados por um breve número de sapateado – remete o espetáculo à uma intensa paisagem sonora.

A distância entre os corpos no palco, a limpeza e simplicidade do figurino e cenografia e a iluminação fria reforçam e conduzem o foco da experiência cênica ao trabalho dos atores, ao ato de falar e de ouvir. O processo de criação da peça também se debruça sobre questões como a discussão de gênero, principalmente sobre a ressignificação dos papéis masculinos e femininos na sociedade. Assim, “Encerramento do Amor” transcende a questão do término de um relacionamento para expor temas urgentes, como a confusão masculina diante do crescente empoderamento feminino.

Sobre o autor

Pascal Rambert é autor e diretor de teatro e foi diretor do Théâtre de Gennevilliers (T2G) em Paris, o qual transformou em Centro Dramático Nacional de Criação Contemporânea, dedicado ao teatro, dança, ópera, arte contemporânea, cinema e filosofia. Suas criações são apresentadas internacionalmente e seus textos já foram traduzidos para diversas línguas. Suas obras são apresentadas nos principais festivais da Europa: Montpellier, Avignon, Utrecht, Berlim, Hamburgo, Nova York e Tóquio. Pascal Rambert encenou também várias óperas na França e nos Estados Unidos. Dirigiu curtas-metragens que foram selecionados e premiados em festivais em Pantin, Locarno, Miami e Paris.

Ficha técnica

Direção: Diego Bresani
Elenco: Ada Luana, João Campos e Taís Felippe
Cenografia/figurino: o grupo
Iluminação: Diego Bresani
Produção: Taís Felippe
Texto original: Pascal Rambert
Tradução: Marcus Borja
Fotos/Divulgação: Diego Bresani
DURAÇÃO: 1H20
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 ANOS

Serviço

Data: de 11 a 20 de outubro de 2019 (sexta, sábado e domingo)
Horário: sempre às 19h
Local: Espaço Cena
Endereço: CLN 205, Bloco C, Loja 25
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)
Classificação indicativa: Livre
Informações: 3349-3937
Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 9h às 17h
Siga o perfil do Espaço Cena no Instagram: https://instagram.com/espaco_cena?igshid=1kyosrxp32zw

Anterior Bruno Stuckert e Casulo na CasaCor Brasília até o dia 22
Próximo Anima Mundi 2019 – Mostra Especial Brasília, de 10 a 13