Esta exposição Em três tempos reúne, pela primeira vez, trabalhos em vídeo e fotografia de Aline Motta em um mesmo espaço. São desdobramentos de uma exploração da artista pelas raízes de sua família, que a levou a lugares como Vassouras/RJ, Mariana/MG, Serra Leoa, Nigéria e Portugal. Exibidos de forma dinâmica e sequencial, criam um ambiente análogo à experiência da memória, com clara interconexão entre o passado, o presente e o futuro.

Sua pesquisa estimula diálogos sobre identidade, representação e a formação das famílias brasileiras, muitas vezes permeados por segredos e omissões. Ao investigar vestígios de seus antepassados em arquivos públicos e privados, promove uma busca que, embora íntima e pessoal, reverbera em todos os que tiveram suas origens apagadas pela escravidão.

Trabalhando com os limites entre a memória pessoal e a coletiva, entre o que se lembra e o que se deixa esquecer, Aline Motta produz imagens diaspóricas, com movimentos de contrafluxo a reclamar sua vida também no presente. Com isso, se aprofunda nas razões pelas quais tantas famílias negras pouco sabem sobre seus antepassados, muitas vezes sequer chegando ao nome dos avós, bem como os prejuízos psíquicos e simbólicos que isso representa para toda uma população.

Nesse contexto, também sugere uma discussão sobre a visibilidade da produção negra. Sua proposta lança luz sobre essas questões de maneira poética e sensível, em um ambiente propício à imersão, que convida o visitante a mergulhar em suas próprias vivências e memórias.

Serviço

Exposição: “EM TRÊS TEMPOS, memória, viagem e água” de Aline Motta
Visitação: de 20 de agosto a 5 de outubro de 2019
Horário: 9 às 19 horas (segunda a sexta-feira) e 14 às 18 horas (sábados)
Informações e visitas agendadas: (61) 3527-5221
O Centro Cultural TCU é fechado aos domingos e feriados

Biografia do autor

Aline Motta nasceu em Niterói (RJ), vive e trabalha em São Paulo. É bacharel em Comunicação Social pela UFRJ e pós-graduada em Cinema pela The New School University (NY). Combina diferentes técnicas e práticas artísticas, mesclando fotografia, vídeo, instalação, performance, arte sonora, colagem, impressos e materiais têxteis. Sua investigação busca revelar outras corporalidades, criar sentido, ressignificar memórias e elaborar outras formas de existência.

Foi contemplada com o Programa Rumos Itaú Cultural 2015/2016 e com a Bolsa ZUM de Fotografia do Instituto Moreira Salles 2018. Recentemente participou de exposições importantes como “Histórias Afro-Atlânticas” – MASP/Tomie Ohtake, “O Rio dos Navegantes”- Museu de Arte do Rio/MAR e “Modos de ver o Brasil” – OCA/Ibirapuera.

Centro Cultural TCU

Localizado no Instituto Serzedello Corrêa (ISC) – Escola Superior do Tribunal de Contas da União (TCU) –, o Centro Cultural TCU promove as ações culturais do Tribunal de Contas da União.

Essas ações oferecem a estudantes e ao grande público importantes oportunidades de acesso à história, à arte e a outras manifestações culturais, em alinhamento com a pauta positiva estabelecida pela gestão do Tribunal de Contas da União (TCU).

As atividades culturais realizadas no Centro Cultural TCU são atendidas pelo Programa Educativo do TCU, um projeto de atendimento a grupos e escolas que utiliza conteúdo desenvolvido especificamente para cada exposição.

Com a realização de visitas mediadas por arte-educadores e em suas demais atividades, como oficinas e workshops, o Programa Educativo do TCU contribui diretamente para a visão crítica e a formação cidadã de estudantes das redes pública e privada de ensino.

Anterior Entre Espelhos e Fumaça de Vinicius Gomes Melo
Próximo Conversa Fiada, documentário estreia no SescTV