Drama francês Doze Mil, vencedor de melhor filme no Festival de Cinema Europeu, estreia direto no streaming nesta sexta (9/07)

O drama vindo da França “Doze Mil”, primeiro filme de ficção da diretora Nadège Trebal, selecionado para o Festival de Locarno e vencedor de Melhor Filme no Festival de Cinema Europeu, estreia nesta sexta (9/07) no streaming da Supo Mungam Plus.

Inédito no Brasil, o filme conta a trajetória de Frank – que perde seu trabalho clandestino. Junto com sua namorada Maroussia, eles concordam que ele sairá de casa para encontrar um emprego e ganhar exatamente o que ela ganha em um ano de trabalho: doze mil euros. Nem mais nem menos. No decorrer de sua odisseia proletária, ele se torna o herói que sonhou ser. Mas há um preço a pagar.

A diretora Nadège Trebal, que também atua em Doze Mil, traz uma obra ousada, repleta de surpresas e personagens complexos. Trebal molda cada cena com uma fisicalidade segura, lúdica e erótica, estabelecendo-se como uma cineasta para acompanhar.

As estreias na Supo Mungam Plus acontecem todas as sextas-feiras do mês. Disponível para todo Brasil e focada em cinema independente e de arte, a plataforma é uma janela cinematográfica virtual para diversas histórias e culturas, lançando filmes inéditos, clássicos restaurados, obras cults e joias do cinema mundial.

Nas redes sociais

Facebook: https://www.facebook.com/SupoMungamFilms/
Instagram: https://www.instagram.com/supomungamplus/
Letterboxd: https://letterboxd.com/supomungamplus

Serviço:

Onde assistir: www.supomungamplus.com.br
Quanto: 7 dias grátis para o assinante. Através de uma assinatura mensal, por R$23,90, ou anual, por R$199,90, realizada no próprio site da plataforma (www.supomungamplus.com.br). Além da opção de cartão de crédito, já está disponível Boleto ou Pix para o Plano Anual.

09 DE JULHO

Lançamento Inédito

DOZE MIL, de Nadège Trebal (França, 2019, 111 min, Drama/Musical, 16 anos) com Arieh Worthalter, Nadège Trebal, Liv Henneguier, Françoise Lebrun e Florence Thomassin.

Frank perde seu trabalho clandestino. Junto com sua namorada Marouissa, eles concordam que ele sairá de casa para encontrar um emprego e ganhar exatamente o que ela ganha em um ano de trabalho: doze mil euros. Nem mais nem menos. No decorrer de sua odisseia proletária, ele se torna o herói que sonhou ser. Mas há um preço a pagar.

Clássicos Húngaros – Parte 2

O AMOR, de Károly Makk (Hungria, 1970, 86 min, Drama) com Lili Darvas, Mari Törőcsik e Iván Darvas
Um homem é preso como inimigo político pela polícia secreta. Luca, sua jovem esposa, terá que convencer sua mãe doente de que o filho dela está na verdade morando em Hollywood e trabalha como um diretor de cinema de sucesso…
O AMOR ganhou o Prêmio do Júri e Menção Especial para as atrizes Mari Törőcsik e Lili Darvas no Festival de Cannes.
Derek Malcolm, do The Guardian, o classificou como um dos 100 melhores filmes do século 20. O filme representou a Hungria no Oscar de 1972. Versão restaurada.

O TEMPO PARA, de Péter Gothár (Hungria, 1981, 98 min, Drama)
com István Znamenák, Henrik Pauer, Sándor Sőth, Lajos Őze, Pál Hetényi e Jozef Kroner
Budapeste, 1956. Um pai de dois meninos foge para a América. Dez anos depois, os jovens estão na escola tentando aceitar o fato de que seu pai é “um inimigo do povo”. Filmado de maneira expressionista, o soberbo segundo filme de Péter Gothár como diretor é uma crítica política assustadora.
Prêmio da Juventude no Festival de Cannes. Representou a Hungria no Oscar de 1983. Versão restaurada.

💬
ACESSE E DIVULGUE NOSSA PÁGINA DE FINANCIAMENTO COLETIVO DA REVISTA E SITE AQUI TEM DIVERSÃO 👇
BOTÃO DE APOIO 👇

Anterior Elyosa lança clipe coreografado do single Calma Amor
Próximo Sal, 🎭 de Eugenio Barba, faz temporada online e gratuita