Com uma habilidade genial para ironizar e satirizar os desvios comportamentais da sociedade, Nelson Rodrigues criou um teatro único e universal que vem atravessando décadas com a mesma vitalidade.

A trama da sua peça “Doroteia” nos mostra a personagem título quando, depois da morte do filho, resolve abandonar a prostituição e procurar por suas primas em busca de uma vida virtuosa. No entanto, elas a repudiam por causa de seu passado e por julgarem que sua beleza atrai o pecado. Para aceitá-la, lhe impõem uma condição, Doroteia precisa ficar feia.

Em síntese, essa é a trama de “Doroteia”, mas Gerald Thomas não vai encenar a peça. Ele parte dela e das provocações que ela lhe imprime para produzir um espetáculo (um estudo) que de alguma forma dialogue com a Doroteia de Nelson Rodrigues, ao mesmo tempo em que investiga a alma do seu criador e o seu tempo.

“Nelson Rodrigues foi a própria Weltschmerz* em pessoa, mas ninguém lhe dava o crédito humanístico para tal. Ele era “tudo”, mas esse tudo não compreendia o sofredor do mundo. Weltschmerz é o peso que eu atribuo a essa peça que aqui não enceno. O que enceno são estudos. Estudos decompostos dela. Estudos como se fossem gargarejos, ou ruídos ainda vindos de Hiroshima ou das profundezas de Auschwitz ou de qualquer lugar onde a tirania… sim, a tirania militar ou qualquer outra roubasse a alma humana do corpo, rasgasse a alma, esquartejasse a alma como se não valesse coisa nenhuma e a trocasse por alguns míseros centavos de beleza postiça”, comenta Thomas.

Se formos tratar dos conceitos desta encenação de Thomas, talvez o mais eminente, nesse momento, é dizer que “F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada)” é livremente inspirado na farsa irresponsável de Nelson Rodrigues, tendo como cruzamento o famoso trabalho de Marcel Duchamp “O Nu Descendo a Escada” e a obra “No Vento e na Terra I”, de Iberê Camargo.

“Há duas semanas me deparei novamente com “No Vento e na Terra I”, pintura de Iberê Camargo (muito provavelmente uma das telas mais emocionantes que conheço). Eles dois e também o Marcel Duchamp são estudos fascinantes e rumos fascinantes. Rumos plásticos, rumos drásticos e rumos obviamente dramáticos. É só ver a natureza do que está implícito em tudo isso: Camargo, Rodrigues e Duchamp.” (Gerald Thomas – São Paulo, 20 de junho de 2022)

Para este trabalho, Gerald reúne um time de artistas de peso, como Fabiana Gugli (que já vem de uma longa parceria artística com o diretor), Rodrigo Pandolfo, Raul Barreto, Beatrice Sayd, Ana Gabi e a norte-americana Lisa Giobbi, que atuou em “Dilúvio” e também assina coreografia e codireção. O desenho de luz é de Wagner Pinto e a direção de produção é de Dora Leão, também parceiros de longa data do diretor.

O espetáculo estreia em 27 de julho, quarta-feira, às 21h, no Teatro Anchieta – Sesc Consolação, onde fica em cartaz de quarta a sábado, às 21h, e domingos, às 18h, até final de agosto.

* Weltschmerz (do alemão), literalmente dor de mundo, também cansaço do mundo. Seu significado original no dicionário alemão Deutsches Wörterbuch, concebido pelos Irmãos Grimm, denota uma tristeza profunda sobre a insuficiência do mundo.

Ficha técnica

Criação e direção: Gerald Thomas
Coreografia aérea e co-direção: Lisa Giobbi
Elenco: Fabiana Gugli, Rodrigo Pandolfo, Raul Barreto, Lisa Giobbi, Beatrice Sayd e Ana Gabi
Dramaturgismo: David George
Desenho de luz: Wagner Pinto
Cenografia e direção técnica: Fernando Passetti
Figurinos: João Pimenta
Trilha Sonora Рcomposi̤̣o original: Eduardo Agni
Sonoplastia: Ale Martins
Adereços: Clau Carmo
Preparação corporal: Fabricio Licursi
Assistência de direção: André Bortolanza
Direção de produção: Dora Leão
Assessoria de imprensa: Ney Motta
Realização: Sesc São Paulo

Serviço

Espetáculo: F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada)
Livremente inspirado em Doroteia de Nelson Rodrigues
Estreia nacional: 27 de julho de 2022, quarta-feira, às 21h
Temporada de 27 de julho até 28 de agosto de 2022
Dias e horários: Quarta a sábado, às 21h, e domingos, às 18h
Local: Teatro Anchieta РSesc Consola̤̣o
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, São Paulo
Informações: 11 3234-3000
Lotação do teatro: 280 lugares
Valor dos ingressos: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia entrada) e R$ 15,00 (credencial plena)
Ingressos adquiridos na bilheteria ou antecipadamente pelo site sescsp.org.br
Ingressos disponíveis para venda em sescsp.org.br (dia 19/7 a partir das 12h) ou nas bilheterias das unidades do Sesc São Paulo (dia 20/7 a partir das 17h)
Classificação: Indicado para maiores de 16 anos
Duração: Aproximadamente 120 min