Doralyce lança single contra o assédio e que exalta o protagonismo das mulheres e da comunidade LGBTQI+

“Festa boa” chega nesta quinta às plataformas de música para mexer o corpo e a mente. Clipe traz as participações de importantes figuras do movimento negro como Bia Ferreira, Majur, Gab Hebling e Rodrigo França.

Uma das mais importantes vozes da Música Afrofuturista Brasileira, a pernambucana Doralyce lança na próxima quinta-feira, através da Altafonte, single e clipe de “Festa Boa”. A canção anuncia a chegada de um novo tempo sem pudores, garantindo o protagonismo dos homossexuais, bissexuais, transexuais e travestis. Com essa turma no poder, onde se pode tudo para ser feliz, mas somente se houver consentimento.

Com jeitão de hit, muito humor e altas doses de discernimento social, a letra traz uma campanha contra o assédio ao mesmo tempo que sugere a alternância de poder e um lugar de destaque para as figuras femininas. Para Doralyce, “‘Festa Boa’ é para mexer o corpo e a mente juntos e só acontece no lugar onde a diversidade se sente acolhida e representada”.

Produzido por Felipe Pomar e composto pela cantora, o single traz a sonoridade pop do brega funk, com a cara do Nordeste brasileiro. No elenco do clipe, dirigido por Henrique Alqualo, estão nomes como as cantoras Majur, Bia Ferreira, Janamô, Késia Estácio e os influenciadores Gab Hebling e Rodrigo França. Uma galera que Doralyce admira, convive e luta junto.

“As minhas referências andam comigo. Construímos com afeto nossa vida e nossa arte. O clipe se tornou um encontro afrocentrado, com figuras importantes do Movimento Negro e LGBTQI+, e isso me deixa muito feliz”, conta a cantora.

Mais sobre Doralyce

Doralyce bem que podia ser a rainha do frevo e do maracatu como cantou Caymmi, mas talvez isso seria pouco para ela. Artista e ativista inquieta, se propôs a fazer parte de uma revolução feminista e usar a música como sua principal arma.

Seu show é um ritual de som, dança, poesia, e fé, de Exu a Oxalá. Ela traz a sonoridade da cultura popular brasileira pra mexer o corpo e a mente junto. Sua cabeça não para e já compôs mais de quatrocentas canções. Entre essas estão os hinos “Miss Beleza Universal” cantado em todos os cantos do Brasil e a versão feminista da música “Mulheres”.

Sua obra é para libertação e emancipação da mulher afrolatina, questionando os padrões de beleza, a democracia, o lugar da mulher, e o papel da arte para visibilizar as vozes que foram historicamente silenciadas.

Doralyce já se tornou uma referência na construção do legado intelectual negro, sendo interpretada por grandes artistas como Bia Ferreira, Gaby Amarantos, Preta Rara e incontáveis rodas de samba e blocos de carnaval (Malunguetú, Tambores de Olokun, Charanga Talismã, Agytoê, Samba Independente dos Bons Costumes, Samba Que Elas Querem) .

Libriana, pernambucana e reluzente, cresceu na Zona da Mata Canavieira de seu estado, na poesia de Palmares e no sítio histórico de Olinda sob a influência do “OlindaStyle” e “Manguebeat”.

Doralyce é uma força da natureza. Representante da Música Afrofuturista Brasileira, idealizou o manifesto DASSALU e já foi até estudada em tese de doutorado na Universidade Northern de Chicago.

Ela já lançou dois álbuns: o primeiro “Canto da Revolução” em 2017 foi produzido por Renato Piau dialoga com o samba, o coco, o maracatu e o reggae em oito faixas autorais que falam de ancestralidade, criticando padrões de beleza e analisando o cenário político.

O segundo, “Pílula livre” é resultado de uma residência artística no projeto Red Bull Pulso e conta com a participações de diversos artistas da nova cena como O Novíssimo Edgar, Sebastian (Francisco, El Hombre) e integrantes da banda Mulamba.

Em ascensão no circuito independente, Doralyce passou por importantes palcos e festivais do Brasil – Pulso Redbull Music (SP), Vento Festival (SP), Recbeat (PE), Favela Sounds, Circo Voador – levando suas ideias e musicalidade.

E assim ela segue. Sendo a rainha do frevo, do maracatu, do amor livre, da luta pela igualdade racial, da resistência.

Ficha técnica

Direção : Henrique Aqualo
Direção De fotografia: Henrique Aqualo
Direção de Produção: Diego China
Produção Artística: Luna Coral, Ana Acioli e Débora Brasil
Still: Bea Salgado
Assistente de Direção : Luísa Moes
Fotógrafo : Carlos Nascimento
Produtor de Set : Ricardo Serpa Gaúcho
Eletricista: Marcelo Martins
Make up : Gustavo Ciuprykb
Figurino : Júlia Melo
Assistente de Figurino : Lia Moreira
Coreografia : Thaís Lana
Roteiro: Doralyce
Apoio: Restaurante Al Khayam
Locação: HUB RJ
Produção e Idealização : Colmeia 22

Anterior Roda Viva entrevista o sambista Nei Lopes
Próximo Editora Estrondo! lança fotolivros de mulheres artistas