As pontes deram à Mari Lasta uma tal repercussão no meio dos apreciadores da arte plana, em Brasília, que já é a terceira exposição individual que faz sobre o tema. E, provavelmente, não será a derradeira.

Pode-se dizer que a artista deslumbrou algo especial para ela do outro lado das pontes que escolheu para atravessar nos Estados do Brasil e em Países estrangeiros.

É por isso que convidamos Você para caminhar com a Mari, na certeza de que também atravessando pontes poderá se deparar com um lugar novo, vislumbrar a notícia alvissareira ou o promissor ainda não explorado, ou (se for de sua preferência) o silêncio na vastidão, … porque é nas veredas da vida que todos nós, carentes, encontramos o bom, o belo, o verdadeiro, que desde a mais tenra idade nos ensinaram a amar.

Mari Lasta

Mari Lasta é natural do Sudoeste do Paraná. Teve contato, desde a infância, com a natureza e a sua beleza, que para a artista – assim como era para Schopenhauer – “é a expressão visível do Bem, do mesmo modo que o Bem é a condição metafísica da Beleza”.

Formou-se em Administração com Ênfase em Análise de Sistemas pela FASP em São Paulo. Em 2003 casou-se com o artista plástico Diniz Felix e passou a residir em Brasília. Com ele, aprendeu as primeiras técnicas de pintura e desde então trocou a carreira bancária pelas artes plásticas.

Frequentou cursos livres de artes e passou por alguns Ateliês em Brasília, buscando aperfeiçoar suas técnicas. Aprendeu o espatulado, a partir do óleo sobre tela, a acrílica, o pastel seco, têmpera sobre tela e utilizou muito a técnica mista com vários tipos de materiais, incluindo o material da construção civil. Iniciou uma fase de trabalhos abstratos, dando à sua arte um toque de moderno e contemporâneo.

Pertence à Associação Candanga de Artistas Visuais desde sua fundação. Foi filiada ao Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo por 12 anos. Tem registro na Secretaria de Cultura do DF sob nº 298/14. Participou de importantes eventos nacionais de artes visuais, a II Bienal de Brasília em 2009/2010 com 10 obras, realizou 11 exposições individuais e participou de inúmeras exposições coletivas em diferentes cidades/ Estados e também no Exterior.

Recebeu menções honrosas e medalhas em salões e coletivas, no Brasil e no exterior. Participou de exposição coletiva de artistas brasileiros na Áustria por duas vezes, China, Tailândia, Portugal e Romênia e Alemanha. Suas obras integram o acervo de várias instituições culturais brasileiras, tendo duas obras no Museu Dona Beja em Araxá/MG e 14 obras no acervo da Galeria Maria Genoveva Argenton em Pato Branco/PR.

Serviço

Do Outro Lado da Ponte…
Visitação: de 19 de setembro a 16 de outubro
Local: Espaço Cultural STJ
Horário: de segunda a sexta de 9h às 19h

Anterior Filipe Labre lança “Migalhas” do álbum “Sem Anestesia”
Próximo O Violinista Mosca Morta noEspaço Cultural Renato Russo