O artista visual Rômulo Barros apresenta exposição Devaneios de Parapeito de curta duração na CAL

Devaneios de Parapeito, primeira individual do artista visual Rômulo Barros, ocupa a galeria de Bolso da CAL no período de 5 a 12 de junho. Com curadoria de Diego Simas, a mostra, nas palavras do curador é “um convite a uma pausa para divagar no tear da memória, para a dilatação do tempo no fio-a-fio das histórias, das canções e estradas que nos antecedem.

Rômulo Barros é artista visual que vem de Medeiros, interior das Minas Gerais, para criar em Brasília. Elabora e reelabora referências culturais e identitárias a partir de materiais e suportes diversos, num movimento que retoma a artesania que lhe pertence por tradição”.

O curador diz, ainda que, nessa individual, a proposta é ocupar a galeria de Bolso “em sua potência de janela, aquela mesma onde as namoradeiras se demoram num incessante estado de sonho. No limite entre o passadouro e a intimidade, encontramos brecha para que aquilo que nos sonda mais desatento possa entrar. Lá do fundo vem cheiro de café e doce de fruta. Sente?”.

Nascido no interior de Minas Gerais, onde viveu grande parte da vida no qual participava de um processo de amadurecimento inserido em um meio onde o comportamento social culmina para um repetição das historias locais, Rômulo Barros questiona a própria identidade, procura externar cotidianamente a sua própria perspectiva, abordando muitas vezes a individualidade e unicidade, atualmente tem uma produção artística que perambula pelos campos da pintura, instalação e escultura.

O artista utiliza de materiais têxteis os quais teve grande contato durante sua vida, cercado por uma família tradicionalmente artesã e inventiva, materiais esses muito diversos e em sua maioria fuleiros são costurados, furados, colados, amarados, agregados, desorganizados, esvaziados e preenchidos.

Diego Simas é brasiliense de nascimento, tendo feito o pêndulo entre Valparaíso de Goiás e Brasília por muitos anos, na dinâmica que é própria do Distrito Federal e seus entornos. É produtor de origem e, atualmente, faz parte do corpo de discentes de Teoria, Crítica e História da Arte da Universidade de Brasília.

Devaneios de Parapeito é sua segunda curadoria, tendo sido a primeira realizada em Goiânia, uma exposição de desenhos e linhas tortas, a Garatuja Cyntilante. Dentre os seus interesses estão a arte contemporânea, o patrimônio cultural e a relação entre a arte e a memória e a história numa perspectiva decolonial.

Serviço

Exposição Devaneios de Parapeito
Local: galeria de Bolso da CAL (SCS Qd. 4, Edf. Anápolis). Telefone 3107.7963, 7966
Visitação: 5 a 12 de junho de 2019, diariamente, das 9h às 19h
Entrada gratuita
Classificação: livre

Anterior Taypá celebra Dia dos Namorados com ação especial
Próximo Anarriê: cultura mineira será homenageada em festa junina