Cantora Daíra apresenta, pela primeira vez em Brasília, o show que reverencia a obra de Belchior na Cervejaria Criolina e conta com as participações especiais de João Mantuano e Conrado Pera.

Nascida em Niterói (RJ), a cantora Daíra apresenta, pela primeira vez em Brasília, na Cervejaria Criolina , no dia 15 de Junho , às 21h, o show “A mar e Mudar as Coisas” , inspirado na obra de Belchior. O disco que dá nome ao show e à turnê foi lançado em 2017 pelo selo Porangareté (Cássia Eller, Cátia de França, Chico Chico, Posada, Júlia Vargas), e desde então vem alcançando fãs por todo o Brasil.

A turnê, que já passou por Recife, Salvador e tem previsão de chegar em outras capitais depois da federal, como São Paulo e Belo Horizonte, é resultado de um bem sucedido projeto de financiamento coletivo, que permitiu a aproximação da artista com seu público. Após vídeos de suas apresentações viralizarem no YouTube, a cantora passou a receber constantemente pedidos dos fãs por shows em suas cidades.

Daíra começou sua carreira ainda criança, cantando na TV e no teatro. Lançou em 2014 seu primeiro disco “Flor”, que foi selecionado pelo Prêmio da Música Brasileira, e contou com a participação de Roberto Menescal. Nessa ocasião, a artista chegou a se apresentar em Brasília com o co‐produtor do disco, Rafael Barata e com o violonista Lula Galvão. Em “Amar e Mudar as Coisas”, suas interpretações únicas e viscerais dão vida a diversos sucessos do cancioneiro de Belchior, como “Coração Selvagem” e “Alucinação”, além de músicas consideradas “lado B”, caso de “Princesa do Meu Lugar”, que nunca chegou a ser gravada oficialmente por ele.

O trabalho conquistou não apenas a admiração do público, como também da família do próprio Belchior e de artistas como Elba Ramalho, com quem Daíra passou a dividir o palco em algumas ocasiões, como em seu trio elétrico no último carnaval em Recife. Agora, com o apoio dos fãs, Daíra volta à Brasília para cantar junto ao público essas canções atemporais, que têm unido gerações em seus shows, e para celebrar a vida e obra de um dos maiores compositores brasileiros, recebendo como convidados os compositores e intérpretes João Mantuano e Conrado Pera para uma noite que promete honrar o rock‐folk‐blues‐caipira e o cancioneiro nordestino.

Saiba mais sobre Daíra neste link: https://www.dairaoficial.com/release

Serviço

DAÍRA CANTA BELCHIOR EM “AMAR E MUDAR AS COISAS”
CERVEJARIA CRIOLINA: SOF Sul Quadra 1 conjunto B lt. 6
71215‐235 Brasília
Contato: (61) 99991‐4747
Data: 15 de junho (Sábado), às 21h
Participações especiais: João Mantuano e Conrado Pera

Ingressos

Vendas antecipadas Sympla (R$30): https://bit.ly/2TVN8jq
No local: R$35
Classificação: 18 anos

João Mantuano

João Mantuano é compositor e intérprete, toca guitarra, violão e canta, faz isso há 9 anos, tendo 24. Esse ano está lançando seu primeiro álbum com músicas de sua autoria nomeado “Por Onde Anda o Tempo”, além de ter mais uma ou duas centenas de músicas. Faz dupla com Chico Chico também compositor e intérprete, e é integrante do selo Porangareté.

Sua voz grave soa como um trovão e apesar de sua aparência e idade, João traz ao palco a intenção e profundidade de uma pessoa com décadas de experiência e sua aparência muda de uma criança sorridente a um senhor de idade. Resumidamente surpreendente.

Conrado Pera

Vencedor do Festival Nacional da Canção (Fenac) ‐ o maior festival da canção do Brasil ‐ em 2015, com sua música “Corte e Costura”. Recebeu o prêmio das mãos de Toninho Horta (Clube da Esquina).

Lançado em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Brasília, seu primeiro CD ‐ “Enlaçador de Mundos” (2015) – foi elogiado por jornais de mais de 10 capitais brasileiras além de programas de TV e rádio de quase todo o país. Já se apresentou em quase todos os estados brasileiros e em alguns países como: EUA, México e Peru. A Virada Cultural Paulista, Virada Cultural de BH, o FICA – Festival Internacional de Cinema Ambiental (GO), o Encontro de Culturas da Chapada dos Veadeiros (GO), são apenas alguns dos eventos onde apresentou seu show. Suas

composições receberam prêmios em diversos festivais pelo Brasil, além de fazerem parte da trilha sonora de filmes e documentários, como é o caso da música “Caminho”, tema da série “Bipolar” transmitida pela Globosat, Sony, Warner Channel e Canal Brasil.

Além disso, abriu shows de grandes nomes da música brasileira, entre eles: Lenine, Chico César, Renato Teixeira, Jair Rodrigues, etc. O videoclipe da sua música “Vem Plantar Tudo de Novo”, que já alcançou mais de 130 mil visualizações no youtube, foi filmado nas paisagens paradisíacas de Genipabu (RN) e nas Chapadas Diamantina (BA) e dos Veadeiros (GO). E Conrado não para por aí, seu próximo videoclipe já está em fase de finalização e conta com cenas gravadas no mar do Caribe , México e Chapada dos Veadeiros .

Sobre a Porangareté

Porangareté (que significa “beleza rara” em tupi guarani) é um selo que não se prende a rótulos. Música é música, tem que tocar o coração das pessoas. O nome indígena foi tirado feito pétala de certa “Flor do Sol”, canção seminal de Cássia Eller e Simone Saback, e primeira semente a brotar nesse variado jardim musical que hoje germina em nosso quintal.

Nasceu tão saudável em parceria com a Universal Music que a decisão foi plantar mais, arriscar mais e abrir caminhos para novas possibilidades sonoras. Rodrigo Garcia, Maria Eugênia e Chico Chico, sócios administradores do selo, acreditaram na força do “Espírito do Som” e na parceria com a Coqueiro Verde. Assim foi possível transformar em CD um registro histórico feito em fita cassete por Cássia Eller – para uma namorada ‐ aos 21 anos de idade, bem antes de iniciar sua carreira profissional, mas já mostrando que seria grande.

Apaixonada e apaixonante. A partir daí o selo virou realidade, o jardim floresceu, a Porangareté consolidou sua existência e passou a reunir os sons ao redor que fazem sentido, por fazerem sentir. Uma cena que se forma para quebrar a velha sina da falta de espaço para passos mais largos. Portas e janelas abertas ao tempo presente de uma forma que nunca se viu antes. Definitivamente a Porangareté representa o “agora”.

Os primeiros trabalhos realizados em 2015 foram “Júlia Vargas & Os Barnabés”, DVD gravado ao vivo no Teatro Municipal de Niterói e “2X0 Vargem Alta”, nome dado a esse projeto de música autoral, com Chico Chico, e “Leve o que Quiser”, primeiro álbum do grupo Pietá, que foi lançado em parceria com a Porangareté. Todos muito bem recebidos pela crítica especializada e pelo público que canta tudo a plenos pulmões nos shows. Em 2016, a Porangareté lançou, em parceria com o Natura Musical, o CD “Hóspede da Natureza”, da cantora, compositora e

multi‐instrumentista paraibana Cátia de França. Em 2017, o selo lançou o disco “Isabel” de Carlos Posada e “Amar e Mudar as Coisas”, que traz as canções de Belchior interpretadas pela voz potente de Daíra. Agora em 2019, a fornada musical da Porangareté está se preparando para lançar os discos de artistas que ainda vão dar o que falar. Muito som está para chegar e soar por aí. Rodrigo Garcia, produtor musical e jardineiro desse universo de multiversos vai regando o quintal e colhendo as flores e frutos no tempo certo.

Daíra

Anterior Romance mostra os desafios das escolhas e renúncias da vida
Próximo Banda We Got The Blues faz show no Eye Patch Panda