Curta brasiliense em Cannes


Documentário sobre homofobia no Congresso representa Brasília em Cannes, curta brasiliense foi aceito no Short Film Corner, que integra o Festival de Cannes, maior festival de cinema do mundo. Filme acompanha uma família formada por duas mães e três filhos, cujo cotidiano é invadido por discursos de ódio

Produzido a partir de uma grande campanha de financiamento coletivo, o documentário “Em Defesa da Família” vai representar Brasília no Short Film Corner, espaço do Festival de Cannes dedicado à divulgação de curtas-metragens do mundo inteiro. O festival acontece em maio, no balneário francês.

“Em Defesa da Família” aborda temas polêmicos – homofobia e definição legal de família – a partir do cotidiano simples de Marília e Vanessa. Casadas há 13 anos, elas são mães de Samuel, Felipe e Mateus.

A rotina da família seria banal, não fossem as interferências sonoras que invadem constantemente, e com violência crescente, a vida do casal e das crianças. Os sons vêm do Congresso Nacional: são discursos de parlamentares, proferidos no Plenário e em comissões técnicas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

“Neste momento, em que a intolerância ganha força política e social, é preciso aprofundar e humanizar o debate que ocorre no Congresso, focando nas pessoas diretamente afetadas por ele”, afirma Daniella Cronemberger, diretora do curta.

“O discurso invade a vida dessa família. Ele interfere na harmonia do cotidiano, agride, cria monstros inexistentes. Mas o que o filme diz é: precisamos focar o olhar nas pessoas. As pessoas são mais importantes, o amor é mais importante. E acredito que o amor pode esclarecer mais do que um discurso”, acrescenta.

Financiamento coletivo
O curta foi produzido pela Olho de Gato Filmes, produtora brasiliense. Mais de 300 pessoas doaram um total de R$ 38.460, por meio de uma plataforma de financiamento coletivo, na internet. Mas a campanha também se estendeu para as ruas de Brasília.

Ao tomar conhecimento do projeto, o Mercado Cobogó de Objetos (loja e café de Brasília) entrou em contato com a produção sugerindo um evento beneficente em prol do filme. A feira reuniu produtos doados por mais de 40 artistas e empresas da cidade, com 100% da renda revertida para a produção do curta. O evento, realizado em agosto de 2015, foi um sucesso.

Bandeira conservadora
A frase “Em Defesa da Família” é uma das principais bandeiras de parlamentares conservadores. A cada eleição, no Brasil, cresce o número de candidatos que se utilizam desse bordão na campanha.

Em 2007, foi criada no Congresso Nacional a “Frente Parlamentar em Defesa da Família”, que hoje conta com 238 membros, entre deputados federais e senadores – movimento replicado nos Legislativos estaduais e municipais.

Defender a família, para esses parlamentares, significa defender somente aquela formada por um homem e uma mulher, e combater com veemência o que estiver fora desse padrão. Um exemplo disso é o projeto de lei batizado de Estatuto da Família, que se encontra em análise na Câmara dos Deputados.

A proposta, aprovada em outubro de 2015 por comissão especial da Câmara, reconhece família como “a entidade familiar formada a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou de união estável, e a comunidade formada por qualquer dos pais e seus filhos”. O texto ainda deve passar pelo Plenário da Câmara e pelo Senado antes de virar lei.

Sinopse
Vanessa e Marília formam uma família há 13 anos e são mães de três meninos. O cotidiano é cheio de obrigações, e as mães precisam dividir as tarefas. Entre um piquenique com amigos e a festa junina da escola, a família é obrigada a enfrentar ameaças externas. Seus direitos civis correm perigo.

Diretora
Daniella Cronemberger

Brasiliense, 37 anos, formou-se em jornalismo na Universidade de Brasília. Trabalhou como repórter especial e subeditora de Política do jornal O Povo (CE). Foi assessora de imprensa do Ministério da Justiça, da Comissão de Anistia e da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI). Em 2015, lançou o livro “Paúra – um mergulho na síndrome do pânico”, do qual é coautora. Hoje trabalha na Secretaria de Comunicação da Câmara dos Deputados e escreve no blog Quadrado Brasília. O trabalho de Daniella na produção do filme é voluntário.

Produtor Executivo
Getsemane Silva

Quatorze anos de experiência como roteirista e diretor de documentários e produtor de séries de TV. Trabalhou em mais de 30 títulos. Montou e coordenou o Núcleo de Documentários da TV Câmara. É pós-graduado em Documentário de Criação pela UAB de Barcelona. Foi bolsista de desenvolvimento do DocLab, no Festival HotDocs de Toronto. Em 2005, recebeu o Prêmio Wladimir Herzog, na categoria documentário. Foi bolsista do Ibermedia, para desenvolvimento de roteiros. Em 2013, seu longa documentário, PLANO B, foi premiado no Festival de Brasília. O trabalho de Getsemane na produção do filme é voluntário.

 

Produção – Olho de Gato Filmes
Coprodução – Lisaura Cronemberger
Apoio – Associação Brasileira de Famílias Homoafetivas (ABRAFH), Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), PicniK, Cristina Lerosa, Marcos Gerhardt Lindenmayer, Maria da Penha Nery, Narciza Leão, Rute Cronemberger, Tatiana e Robson Vieira.

Duração – 24 minutos
Local – Brasília (DF), Brasil
Ano – 2016
Gênero – Documentário

Ficha Técnica

Direção – Daniella Cronemberger
Produção Executiva – Getsemane Silva
Direção de Produção – Hiran Albuquerque
Roteiro – Daniella Cronemberger e Getsemane Silva
Direção de Fotografia – Cícero Bezerra
Montagem – Sergio Azevedo
Segunda Direção de Cena – Cecília da Fonte
Edição de Som e Mixagem – Mauricio Fonteles
Trilha Sonora – Décio Gorini
Som Direto – Alisson Machado
Colorização – André Carvalheira
Animação e créditos – Marcia Roth
Identidade visual – Claudia Schirmback
Assistente de Produção – Mariane Cunha
Fotografia still e teaser – Raul de Lima

Anterior Festival de Filmes Curtíssimos
Próximo Restaurantes domingos e segundas