Cuba Libre aborda a questão dos direitos dos LGBT’s, inseridos em um contexto histórico e político vivido na ilha de Cuba, nos últimos 60 anos

O retorno da atriz transexual cubana Phedra de Córdoba para sua cidade natal Havana, 53 anos após deixar a ilha, é o tema do documentário Cuba Libre (2011, 1’13”), dirigido pelo cineasta Evaldo Mocarzel. A produção – que ganhou o prêmio de Melhor Documentário pelo Júri Popular no Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual 2011, em São Paulo, será exibida pela primeira vez no SescTV, no dia 16/2, sábado, às 22h, e também pode ser assistida em sesctv.org.br/aovivo.

Nascida como Rodolpho, Phedra de Córdoba é uma atriz transexual, exilada no Brasil há mais de cinco décadas. As razões de sua partida foram a incompatibilidade com o regime de Fidel Castro e a profunda transfobia vigente na ilha. “Minha mãe, por exemplo, nunca aceitou minha escolha. Mas papai sempre me deu muita educação e dignidade. Ele disse: ‘vá e nunca esqueça de seu nome’”, relembra Phedra emocionada. Décadas depois, a atriz retornou a Cuba, acompanhada do grupo teatral paulistano Os Satyros, do qual faz parte, para encenar Liz, adaptação da obra do escritor cubano Reinaldo Monteiro

Durante a produção, Phedra visitou os lugares onde começou sua vida artística, como a Sociedade Artística Galega, onde aos 13 anos despertou para o teatro profissional. “Fizemos tantas aqui, como Rosália Castro, García Lorca, Cecilia Valdes e Maria de Lá O. Fui muito feliz nesse lugar”, diz.

A produção também faz referência as transformações sociais de Cuba, na época em que a filha de Fidel Castro, Mariela, lutava por uma maior aceitação de gays, lésbicas, transexuais e transgêneros. No país, antes dos anos de 1960 e 1980, pessoas importantes foram condenadas à prisão por terem se assumido como gays e escritores eram condenados a cortar cana nas lavouras, como castigo.

Em depoimentos, homossexuais relatam que mesmo com as adversidades de se viver na ilha de Cuba, atualmente o preconceito diminuiu. “Atualmente já se fala sobre casamentos homossexuais, cirurgia de sexo, e até mesmo a literatura já aborda a questão da discussão de gêneros”, explica um dos entrevistados.

Muito emocionada, Phedra reencontrou alguns familiares, entre eles o seu sobrinho René Horácio e esposa. Juntos eles veem fotos antigas de família e relembram os parentes distantes. Phedra convida seus sobrinhos para assistir ao espetáculo que será encenado em Havana, e para conhecer sua nova família: seus colegas do Os Satyros.

Sobre o SescTV

O SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas.

As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes artistas da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

Serviço

Documentário Cuba Libre (2011, 1’13”).
Direção: Rodolfo García Vázquez.
Estreia: 16/2, sábado, às 22h.
Reapresentação: 20/2, quarta, às 24h.
Classificação indicativa: 10 anos.
Duração: 70 min.
Produção: Raízes Filmes.

Para sintonizar o SescTV
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Anterior Liu bate 2 milhões e meio de views com 'Nave Espacial'
Próximo Jorge Amado inspira coleção limitada da Soul Dila