CRIOLO TV recebe ocupação “O Pulmão do Mundo é Indígena”, com filmes e conversas com Maria Gadú, Eric Marky Terena, Sonia Guajajara & Célia Xakriabá

Na próxima semana, nos dias 22, 23 e 24 de setembro, a CRIOLO TV receberá a ocupação “O Pulmão do Mundo é Indígena”, que apresentará uma programação especial com debates, exibições e muito conteúdo.

Você pode acompanhar tudo aqui: twitch.tv/criolo

“Urgente e Necessário. O massacre segue sem descanso, os povos originários sendo exterminados. Os encontros são urgentes. A disposição para a troca de conhecimento surge como um ato de amor total, uma vez que os seus seguem sendo assassinados. O tempo é curto e a hora é agora”, comenta Criolo.

A programação contará com a exibição do filme “Ex-Pajé”, documentário de 2018 de Luiz Bolognesi, com uma edição especial da Rádio Criolo pelo DJ Eric Marky Terena, e o debate “Sem Demarcação Não Tem Democracia”, com a mediação de Maria Gadú e a presença de Sonia Guajajara e Célia Xakriabá, além de Criolo. Mais informações abaixo.

A CRIOLO TV já cedeu espaço a outras ocupações, como a do Festival MARSHA!, do Xepa Festival, da Batalha da Aldeia & Grajaú Rap City, além da Anistia Internacional na Semana Internacional da Juventude.

Confira a programação:

22 de setembro (terça) – 17h | Sessão Criolo

Exibição de “EX-PAJÉ”
Sinopse: “Em Ex-Pajé, um poderoso pajé passa a questionar sua fé depois do primeiro contato com brancos que julgam sua religião como demoníaca. No entanto, a missão evangelizadora comandada por pastor intolerante é posta em cheque quando a morte passa a rondar a aldeia e a sensibilidade do índio em relação aos espíritos da floresta mostra-se indispensável.”

23 de setembro (quarta) – 17h | Aprendendo Junto

Rádio Criolo, por DJ Eric Marky Terena
Eric Marky Terena é membro idealizador da Mídia Índia e graduado em jornalismo pela Universidade Católica Dom Bosco, localizada em Campo Grande, capital de seu estado (Mato Grosso do Sul). Através da comunicação, ele busca mostrar ao mundo a luta do seu povo e de outros povos indígenas brasileiros. É especialista em etnomídias e atualmente desenvolve um trabalho de produção de música eletrônica e cantores indígenas de diversos cantos do Brasil.

24 de setembro (quinta) – 17h | Conversa em Família

SEM DEMARCAÇÃO NÃO TEM DEMOCRACIA, com Criolo, Maria Gadú (mediação), Sonia Guajajara & Célia Xakriabá
Célia Xakriabá do povo Xakriabá (Região Sudeste / Minas Gerais / Cerrado) é do movimento Indígena brasileiro. É assessora Parlamentar, professora, mestra em desenvolvimento sustentável pela UnB/MESPT. Doutoranda em antropologia pela UFMG. Reafirma que sua primeira escola foi a luta. A luta dela centra-se na reestruturação do sistema educacional, no apoio às mulheres e à juventude dentro dos Xakriabá; e na mudança das fronteiras geográficas para manter seu território.

Sônia é do povo Guajajara/Tentehar, que habita nas matas da Terra Indígena Arariboia, no estado do Maranhão, Brasil. Nascida em 1974, Filha de pais analfabetos, deixou suas origens pela primeira vez aos 15 anos, quando recebeu ajuda da Funai para cursar o ensino médio em Minas Gerais. Depois, voltou para o Maranhão, onde se formou em Letras e Enfermagem e fez pós-graduação em Educação Especial.

Sua militância indígena e ambiental começou ainda na juventude, nos movimentos de base, e logo chegou ao Congresso Nacional – onde Sônia Guajajara foi linha de frente contra uma série de projetos que retiravam direitos e ameaçavam os povos indígenas e o meio ambiente. Em poucos anos, ela ganhou projeção internacional pela luta travada em nome dos direitos dos povos originários.

Em 2010, ela entregou o prêmio Motosserra de Ouro para Kátia Abreu, à época ministra da Agricultura, em protesto contra as alterações do Código Florestal. Tem voz no Conselho de Direitos Humanos da ONU e já dez anos leva denúncias às Conferências Mundiais do Clima (COP) de 2009 à 2019 além do Parlamento Europeu, entre outros órgãos e instâncias internacionais.

Sônia Guajajara já recebeu vários prêmios e honrarias, como o Prêmio Ordem do Mérito Cultural 2015 do Ministério da Cultura, entregue pela então presidenta Dilma Rousseff. Também foi agraciada com a Medalha 18 de Janeiro pelo Centro de Promoção da Cidadania e Defesa dos Direitos Humanos Padre Josimo, em 2015, e com a Medalha Honra ao Mérito do Governo do Estado do Maranhão, pela grande articulação com os órgãos governamentais no período das queimadas na Terra Indígena Arariboia. Ano passado (2019) recebeu da Organização Movimento Humanos Direitos o Prêmio João Canuto pelos Direitos Humanos da Amazônia e da Liberdade e ainda em 2019 recebeu o prêmio Packard concedido pela Comissão Mundial de áreas protegidas da União Internacional para Conservação da Natureza (Iucn).

Sônia Guajajara nasceu Sonia Bone e sua trajetória de luta a fez mundialmente conhecida como Sonia Guajajara o nome de seu povo que carrega com muito orgulho. Em 2018 ela foi a primeira indígena a compor uma chapa presidencial e segue articulando a participação e o protagonismo das mulheres indígenas em várias frentes de luta. Hoje ela faz parte da Coordenação Executiva da Articulação dos povos indígenas do Brasil (Apib), terminando o segundo mandato (2013/2017) (2017 /2021). E ainda compõe o Conselho da Iniciativa Inter-religiosa pelas Florestas Tropicais do Brasil, uma iniciativa que faz parte de um Programa das Nações Unidas.

CRIOLO TV

A CRIOLO TV é um canal de comunicação direto entre o artista e o público. O projeto, que surgiu durante brainstorms entre Criolo e sua equipe criativa nos últimos anos, se concretiza com uma parceria entre a Oloko Records e a plataforma de streaming Twitch, que chega ao Brasil promovendo uma série de canais de cantores e cantoras, DJs, produtores e músicos.

Para assistir ao conteúdo gratuito da CRIOLO TV, basta se conectar à página em twitch.tv/criolo ou baixando o app da plataforma. A programação da CRIOLO TV, assim como seu formato, será um trabalho em progressão, em caráter experimental durante os próximos meses.

A ideia da TV é a de explorar ‘processos e projetos’, identificando aspectos sociais, culturais e tecnológicos que façam parte de seu escopo de criação, como forma de aprendizado, seja em vídeos ou com falas de especialistas em seu fazer. O canal buscará criar novos conteúdos a partir dessa pesquisa, gerando e emitindo o resultado simultaneamente. Com o apoio de comunidades, coletivos e instituições, a CRIOLO TV buscará um fortalecimento do poder educacional que a internet traz em sua conectividade e integração. Um lugar para aprender junto.

Anterior Pelé Milflows e Drizzy são as estrelas de “Virginiana”
Próximo Sotero Música fecha parceria com a Ingrooves Music Group