“Cravos”, documentário de Marco Del Fiol sobre os conflitos entre três gerações de artistas da família do fotógrafo Cravo Neto, estreia em Brasília dia 25 de novembro

Com sessão no Espaço Itaú de Cinema, o filme acompanha o fotógrafo Christian Cravo em três grandes viagens pela África após a morte de seu pai e o início de uma disputa familiar pelo seu acervo.

Do diretor de “Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil”, o longa apresenta um vasto e inédito material em foto e vídeo da vida privada dos Cravos, incluindo uma das últimas entrevistas do escultor Cravo Junior.

Três gerações de artistas unidos pelo sangue. O escultor Mario Cravo Junior (1923 – 2018) e os fotógrafos Mario Cravo Neto (1947 – 2009) e Christian Cravo (1974) – avô, pai e neto – são os personagens de “Cravos”, documentário do diretor Marco Del Fiol (“Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil”), que estreia em Brasília dia 25 de novembro de 2021. O filme terá sessão às 17h no Espaço Itaú de Cinema.

Christian é o fio condutor do enredo. O filme o acompanha em três grandes viagens pelo continente africano: Tanzânia (2012), Uganda (2013) e Namíbia (2014). Durante 20 anos, a carreira do fotógrafo foi pautada pelo ser humano, mas três marcantes acontecimentos em sua vida o fizeram mudar o foco e voltar suas lentes para a natureza selvagem: a morte do pai, Cravo Neto, em 2009, o terremoto no Haiti (país tema de seu livro “Jardins do Éden”), em 2010, que matou vários de seus amigos, e a disputa familiar pelo destino do acervo de seu pai.

“Se meu pai não tivesse sido fotógrafo, eu dificilmente seria fotógrafo”, afirma Christian. Mas ele procurou um caminho diferente e longe da Bahia, que tanto inspirou o trabalho de Cravo Junior e Cravo Neto. “Não dá para simplesmente fazer algo na esquina de sua casa. Você precisa se aventurar para ir além e tudo o que um artista não quer é se parecer com outro. Muito menos com seus familiares”.

Em busca de cura para suas dores, Christian fotografa elefantes, hipopótamos, leões, chimpanzés e o deserto em tempestade, enquanto mergulha em profundas reflexões sobre suas questões familiares e, especialmente, a relação conflituosa com seu pai e avô.

“São três homens, pai, filho e neto, mas cada um deles têm sua peculiariedade emocional e não podia deixar de ser. Mesmo que haja desentendimentos entre os três, isso faz parte da vida”, afimou Cravo Junior em entrevista gravada especialmente para o documentário – uma das últimas concedidas pelo escultor.

“Cravos” explora toda a complexidade deste núcleo familiar a partir de entrevistas e um vasto e inédito acervo fotográfico e em vídeo da vida privada dos Cravos. Enquanto filmava o documentário, Del Fiol encontrou mais de 100 horas de gravações feitas por Cravo Neto. Incapaz de se separar da câmera, ele registrou conversas e brigas com os familiares, suas própiras exposições, viagens com os filhos, o casamento de Christian, o ateliê de seu pai em Salvador e suas experiências de iniciação no candomblé.

O material de arquivo e a trilha sonora original de Benjamin Taubkin costuram as digressões e relatos de Christian e introduzem os outros personagens de seu universo familiar: sua mãe Eva, a tia Kadi, a mulher Adriana, suas filhas Sophia e Stella, a madrasta Angela e os meios-irmãos Lucas e Akira.

Entre a Bahia mítica das tradições religiosas e a África selvagem, o filme apresenta obras emblemáticas dos três premiados artistas, seu rigor e radicalidade, as relações de poder e a imensa dificuldade em demonstrar afeto. “Os homens são o que são e não o que desejariam ser”, diz Cravo Junior.

“Mais do que um filme de artista, este é um filme de família. Me interessava entrar nesse ambiente privado e extremamente complexo, de onde saíram três personagens tão talentosos e intensos”, diz Marco Del Fiol. Para o diretor, o documentário aborda um certo analfabetismo emocional masculino. “É hora de repensarmos o papel do homem, seja pai, filho, avô ou marido, dentro das dinâmicas familiares”, completa.

“Cravos” tem distribuição da Elo Company. É produzido por Mão Direita, com coprodução da Casa Redonda e Gustavo Almeida como produtor associado. Na montagem e dividindo roteiro com Del Fiol está Tali Yankelevich, diretora do documentário “Meu Querido Supermercado”, que também será lançado dia 25 de novembro. O filme foi realizado com recursos provenientes do ProAc (Programa de Ação Cultura da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo), da Ancine via FSA (Fundo Setorial do Audiovisual) e e BNDES. Tem apoio da Rede Bahia e da Galeria Paulo Darzé, de Salvador.

SINOPSE

Três homens unidos pelo sangue e pela arte. O fotógrafo Christian Cravo viaja pela África, enquanto vive o luto pela morte do pai, Cravo Neto, ícone da fotografia brasileira, e desavenças com o avô, Cravo Junior, ícone da escultura modernista.

FICHA TÉCNICA (107 min)

Direção: Marco Del Fiol
Produção: Minom Pinho, Jasmin Pinho, Marco Del Fiol
Roteiro: Marco Del Fiol e Tali Yankelevich
Direção de Fotografia: Marco Del Fiol
Assistência de Direção: Gustavo Almeida
Edição: Tali Yankelevich
Trilha Sonora Original: Benjamin Taubkin
Gravação e Mixagem da Trilha Original: Estúdio Carbono, Zé Godoy
Finalização de Áudio INPUT: artesonora
Supervisão de Som e Mixagem: Rafael Benvenuti
Edição de Som: Stanley GIlman
Designer Gráfico: Julio Dui
Supervisão de Pós-Produção: Aza Pinho
Produtor Associado: Gustavo Almeida
Produção Executiva: Minom Pinho, Marco Del Fiol e Jasmin Pinho
Apoio: Rede Bahia e Galeria Paulo Darzé

SOBRE O DIRETOR

Marco Del Fiol é diretor, roteirista e editor. Através de sua produtora, Mão Direita, registrou em documentários o trabalho de importantes artistas contemporâneos ao longo dos últimos 20 anos. Seus trabalhos, como a série “VideoBrasil na TV’, para o Sesc TV, e os documentários “Olafur Eliasson – Seu corpo da Obra” e “Isaac Julien – Geopoéticas”, fazem parte da coleção de instituições como The Center for Contemporary Art (Israel), Internationale Kurzfilmtage (Alemanha) e Museu de Arte Contemporânea da USP (Brasil), e foram exibidos em mostras no Museo Reina Sofia (Madri), Centre Pompidou (Paris) e Nederlands Fotomuseum (Amsterdã).

Seu primeiro longa-metragem “Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil”, lançado em 2016, participou de mais de 25 festivais internacionais, como South by Southwest (EUA), Moscow International Film Festival (Rússia), BFI – London Film Festival (Inglaterra). No Brasil, foi assistido por mais de 20 mil pessoas em 24 semanas consecutivas em cartaz, sendo também exibido em mais de 40 países, com vendas em VOD para mais de 100 países.

ELO COMPANY

Fundada em 2005 pelos sócios Flavia Feffer, Rubem Feffer e Sabrina Nudeliman Wagon, a Elo Company é uma distribuidora de conteúdos audiovisuais para cinema, streaming e TV, presente no Brasil e no mercado internacional. Lançou mais de 500 projetos, entre eles “Vou Nadar Até Você”, primeiro filme protagonizado por Bruna Marquezine, “Doutor Gama”, de Jeferson De, “Torre das Donzelas”, de Susanna Lira (“Melhor Documentário” pelo público na 43ª Mostra de Internacional de São Paulo), “Aos Olhos de Ernesto”, da premiada Ana Luisa Azevedo, “Tito e os Pássaros”, de Gustavo Steinberg, e “O Menino e o Mundo”, de Ale Abreu, indicado ao Oscar de melhor animação.

Conta com uma estrutura completa de produção de conteúdo, distribuição de obras audiovisuais em todas as plataformas e vendas para o mercado nacional e internacional. Como produtora, trabalha com parceiros para o desenvolvimento e produção de diversos projetos, entre eles: TRACE TV, para a Rede TV, que tem exibição atualmente no Globoplay; History; Natgeo; Disney+; Telecine; Sony e Warner. Além disso, seu primeiro projeto autoral, “Desafio Impossível”, para a National Geographic, foi selecionado para os maiores festivais do mundo e recentemente licenciado.

A Elo Company tem entre seus principais objetivos criar, produzir e divulgar narrativas brasileiras em múltiplas telas e países, valorizando também a diversidade na frente e atrás das telas com iniciativas inovadoras, como o Selo ELAS, que fomenta projetos de longa-metragem com direção feminina. Para os próximos anos, serão mais de 80 títulos para distribuição com grandes talentos, como Fabiana Karla, Taís Araújo, Cris D’Amato e Pedro Amorim.

CASA REDONDA

Fundada em 2004, a Casa Redonda é uma produtora audiovisual brasileira com atuação nos mercados nacional e internacional. Longas-metragens, documentários, séries para TV, curtas-metragens e conteúdos para web integram o portifólio da empresa que se consolidou por oferecer conteúdos de excelência em múltiplas telas.

O documentário “Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil” (2016), do diretor Marco Del Fiol, foi distribuído e comercializado em mais de 40 países, selecionado para as competitivas de importantes festivais como SXSW, Festival Internacional de Cinema de Moscou, BFI London.

Outro destaque é o longa-metragem documental “Meu Querido Suprmercado”(2020), dirigido por Tali Yankelevich, que depois de percorrer importantes festivais internacionais como “É Tudo Verdade” (2020), IDFA(2019), MoMA Doc Fortnight, de Nova York (2020), Visions du Réel (2020), além de prêmios e menções honrosas no Festival Internacional de Cine de Guadalajara, no México (2020) e no Indie Memphis Film Festival, nos EUA (2020), foi lançado comercialmente em mais de 16 cidades nos Estados Unidos em 2021. A produtora assina ainda a coprodução do documentário “Cravos” (2018), segunda obra do diretor Marco Del Fiol e do premiado longa “As Melhores Coisas do Mundo” (2010), de Laís Bodanzky, e produção associada dos documentários “Pro Dia Nascer Feliz” (2006) e “Amor?” (2011), ambos de João Jardim. Na área de TV, produziu quatro temporadas da série VideoBrasil na TV (2011-2014) para SESC TV, seis curtas-metragens em coprodução com MovieArt exibidos no Canal TNT, além dos longas-metragens documentais “Sonora Rio Bahia’ (2012), da diretora Jasmin Pinho, licenciado para o Arte 1 e “Pessoas – Contar para Viver” para o Canal Curta, dos diretores(as) Marco del Fiol, Marcelo Machado, Tatiana Toffoli, Viviane Teixeira e Pedro César. Os próximos projetos da produtora incluem o longa “Moto Contínuo” (em finalização), novo documentário do diretor Marco Del Fiol com previsão de estreia no canal Curta em 2022, “Filhos da Contracultura” (em pré-produção), documentário dirigido por Aza Pinho e Minom Pinho, além de quatro séries e um longa-metragem ficcionais em desenvolvimento por meio de parceria de contéudo com a produtora MovieArt.

MÃO DIREITA

Desde 2001, a Mão Direita vem produzindo documentários sobre arte contemporânea para instituições como Centre Pompidou, SESC, Fundação Bienal e Associação Cultural Videobrasil. Em 2012, iniciou uma parceria com a produtora Casa Redonda que resultou no longa-metragem “Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil”, quatro temporadas da série Video Brasil na TV e em várias outras produções para SESC TV, Canal Curta, Globo News, Globo Filmes, Elo e Pandora com destaque para a produção associada nos documentários “Pessoas, Contar para Viver”, dos diretores Marco Del Fiol, Marcelo Machado Pedro Cezar, Viviane Ferreira e Tatiana Toffoli, “Meu Querido Supermercado”, da diretora Tali Yankelevich. Cravos é segundo longa da produtora.

💬
ACESSE E DIVULGUE NOSSA PÁGINA DE APOIO DA REVISTA E SITE
AQUI TEM DIVERSÃO 👇

💬OU APOIE COM QUALQUER VALOR!

 

Anterior Histórias Pintadas, 👀 espetáculo de sombras no Facebook
Próximo Escola de Gastronomia Chef Gourmet chega a Ponta Grossa