Projeto Coração Candango leva samba e cultura popular ao SCS nestas quinta e sexta-feira de pós-carnaval. Evento que tem como objetivo homenagear quem construiu e ainda constrói Brasília nesses últimos 60 anos traz música, atrações da cultura popular, oficinas e uma feira com produtos artesanais e criativos

Essa vai pra quem acha que carnaval acaba na quarta-feira de cinzas… O projeto Coração Candango nasce em homenagem aos 60 anos de Brasília com o objetivo de resgatar as manifestações populares que pulsam no Distrito Federal. Misturando manifestações carnavalescas e da cultura popular, além de oficinas e feira criativa, os shows acontecem dias 27 e 28 de fevereiro, no Corredor Central do Setor Comercial Sul, e as oficinas no dia 7 de março.

Brasília é mistura de culturas e tradições e esse foi o ponto de partida para criação do Coração Candango. Gente de todo o Brasil divide as ruas e Regiões Administrativas da cidade, seus hábitos e costumes se fundiram e, dia após dia, moldam o que é a identidade do Distrito Federal. É essa mistura de saberes, culturas e sabores que compõe esse novíssimo projeto que chega à capital para comemorar seu importante aniversário sexagenário.

Em sua primeira edição o Festival Coração Candango conta com apresentações de Pitoco de Bambu, Charretinha do Forró, Choro Delas, As Fulô do Cerrado, Bando Matilha de Capoeira, Filhos de Dona Maria, Bloco Dona Imperatriz convida Thabata Lorena, Dona Martinha do Coco e 7 na roda. Além disso, o projeto conta com discotecagem do DJ Umiranda e das DJs Telma e Selma, além de outros convidados.

Agraciando a programação, o festival terá uma feirinha popular pensada em estimular e impulsionar microempreendedores do Distrito Federal. Comidas típicas de várias partes do Brasil que hoje fazem parte também da história de Brasília e produtos artesanais desses expositores artesanais e criativos estarão à venda para o público.

Além disso, no dia 7 de março, o projeto programa três oficinas de saberes populares, na Feira Ponta Norte e na Casa da Cultura da América Latina (CAL). Às 10h, na Ponta Norte, Cecília Borges apresenta a oficina “Vivência de Contação de Histórias e Comicidade”.

Às 14h30, é a vez de a CAL receber a atividade “Do Rap, Poesia e Slam” com Meimei Bastos; e às 17h, o grupo Pitoco de Bambu apresenta a atividade “Introdução ao Pífano”. Todas as oficinas são gratuitas e as vagas são limitadas, com inscrições através do link bit.ly/39Ra5I6.

Com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura do Governo do Distrito Federal, e realizado pela Lacuna Produções, o projeto é desdobramento do programa de revitalização do SCS e todas as atividades serão gratuitas.

Confira detalhes sobre a programação

Pitoco de Bambu

O quinteto Pitoco de Bambu, composto por Caroline Moreira, Raíssa Samara, Davi Carvalho, Roberto Deusdará e Nathália Honorato, é inspirado nos mestres nas encantarias da cultura popular brasileira. O grupo toca ritmos tradicionais como o forró, xote, frevo, xaxado, coco e baião.

Charretinha do Forró

Praticamente uma big band composta extra-oficialmente por 7, 9, ou 12 integrantes, a Charretinha surgiu a partir de jam sessions feitas em uma casa de vidro no tradicional Arraiá da Vila do Chaves, e hoje se consagra como um dos melhores grupos de forró do DF.

Filhos de Dona Maria

Dos tambores e temperos do terreiro de candomblé vem a inspiração dos Filhos de Dona Maria. Misturando a chula, o ijexá, o jongo e a capoeira, o grupo evoca a negritude da música popular brasileira. Em 2015, lançaram seu primeiro disco, “Todos os Prazeres” que teve participação especial de Fabiana Cozza, Afoxé Alafin Oyó e o bamba carioca Wilson Moreira.

Thabata Lorena + Bloco Dona Imperatriz

A cantora e compositora maranhense, Thabata Lorena, se apresenta ao som do bloco Dona Imperatriz. Uma mistura de vários ritmos e vertentes que contam um conto popular das experiências da Mulher Preta Rainha, o festejo chama uma das maiores representantes femininas do rap do DF – Thabata – para fazer sua folia.

7 na Roda

O hepteto candango 7 na Roda é considerado um dos maiores clássicos do samba no DF. O grupo valoriza as velhas escolas do samba, mas sempre atualiza suas temáticas. A banda é residente de um bar do DF às terças-feiras há mais de uma década, no que é tido como um clássico da noite boêmia na capital. Entre as composições próprias do primeiro álbum do grupo, “Convocação” (2018) e os clássicos de todos os tempos do samba e do pagode, assim se define o repertório do grupo.

Dj Umiranda

Formado em Produção Cênica pela Universidade Machado Sobrinho em Juiz de Fora – MG, UMiranda teve contato com a cultura Hip Hop já em sua adolescência. Dançarino desde 1999, iniciou a carreira de DJ em 2015 e mantém forte envolvimento com a música preta, com influências do afrovibes passando por Hip Hop, R&B, Trap e Brasilidades.

DJs Telma e Selma

Isabella e Rafaella Ferrugem são Telma e Selma. Figuras cativas nas festas mais legais de Brasília, as gêmeas sabem misturar bem estilos como rock e pop fazendo uma viagem sonora, misturando décadas com uma pesquisa bem apurada.

As Fulô do Cerrado

Sob a sombra das árvores da Universidade de Brasília e da união de cinco amigas fascinadas pelas histórias musicadas por mestres e mestras da cultura popular brasileira, surge a banda “As Fulô do Cerrado”. Impulsionadas pelos aprendizados de Mestre Zé do Pife e pela necessidade de dar visibilidade às mulheres em espaços artísticos do forró, baião e frevo, elas unem-se a pífanos, rabeca e sanfona para transformar uma mistura “rala-bucho” com pitadas de amor no som encantado das fulô desse cerrado.

Choro Delas

O ChoroDelas é um grupo brasiliense que nasceu do sonho de interpretar os clássicos do choro só por mulheres, tendo como referência a formação instrumental básica do estilo. O grupo nasce na busca por um espaço onde as integrantes pudessem se expressar praticando a fala e a escuta musical através do protagonismo feminino.

Martinha do Coco

Marta Leonardo ou Mestra Martinha do Coco é artista popular e moradora do Paranoá há 30 anos. Martinha teve a oportunidade de iniciar sua carreira artística cantando samba de coco no grupo de percussão da Organização Tambores do Paranoá – TAMNOÁ, é uma das fundadoras do Ponto de Cultura Tambores do Paranoá e uma das maiores referências do DF no assunto cultura popular.

Serviço – Coração Candango

Data: 27 e 28 de fevereiro; e 7 de março de 2020
Local: Corredor Central do Setor Comercial Sul
Classificação Indicativa: 16 anos
Entrada Franca
Inscrições para as oficinas: bit.ly/39Ra5I6

Programação completa por dia

27 de fevereiro, a partir das 17h

Pitoco de Bambu
Choro Delas
Martinha do Coco
7 na Roda
+ Djs Nana Yung e Ops

28 de fevereiro, a partir das 17h

As Fulô do Cerrado
Charretinha do Forró
Filhos de Dona Maria
Thabata Lorena + Bloco Dona Imperatriz
+ Djs Telma e Selma, Umiranda e Torch

OFICINAS

7 de março

Inscrições: bit.ly/39Ra5I6

Oficina: Vivência de Contação de Histórias e Comicidade com Cecília Borges
Horário: 10:00
Local: Feira Ponta Norte na SQN 216

Oficina: Do Rap, Poesia e Slam com Meimei Bastos
Horário: 14:30
Local: Casa da Cultura da América Latina (CAL) no Setor Comercial Sul

Oficina: Introdução ao Pífano com Pitoco de Bambu
Horário: 17:00
Local: Casa da Cultura da América Latina (CAL) no Setor Comercial Sul

Anterior Lee Ranaldo e Raül Refree lançam clipe de “Words out of the Haze”
Próximo Mostra Sobre quase nada, do fotógrafo José Roberto Bassul